Hormônio Luteinizante (LH) no ciclo menstrual: dúvidas e orientações

hormônio luteinizante

O Hormônio Luteinizante (LH) é produzido pela hipófise e é responsável pela ovulação e produção de progesterona. É o preditor clinicamente mais útil da aproximação da ovulação.

Mulheres que desejam conhecer seu período de ovulação através dos níveis do Hormônio Luteinizante, encontram em farmácias e clínicas um teste rápido que ajuda a identificar esse período. 

Neste artigo vamos abordar:

  • O Hormônio Luteinizante no ciclo menstrual;
  • Valores de referência;
  • As fases ovulatórias, lúteas e folicular;
  • Orientações farmacêuticas às pacientes.

O LH no ciclo menstrual e valores de referência

Durante o ciclo menstrual, a concentração do hormônio LH varia, mas está presente em todas as fases.  A sua concentração aumenta durante o período fértil.

O LH no ciclo menstrual tem papel importante para a mulher, pois ele é um marcador para diagnosticar infertilidade, identificar a menopausa, entender causas de ausência de menstruação e liberação de óvulos.

Os valores de referência do LH são:

  • Fase folicular: 2,4 – 12,6 mUI/mL;
  • Pico ovulatório: entre 14 – 95,6 mUI/mL;
  • Fase lútea: 1 – 11,4 mUI/mL;

     

  • Menopausa: 7,7 – 58,5 mUI/mL.

Há diversas causas e condições clínicas associadas aos valores baixos ou altos do LH, vamos conhecer?

Para valores de referência de LH abaixo do normal, os indicativos são:

  • Problemas na hipófise;
  • Deficiência da produção do hormônio GnRH, que estimula a hipófise para produzir LH;
  • Síndrome de Kallmann, doença genética pela ausência da produção de GnRH;
  • Hiperprolactinemia.

Consequências:

Ausência de menstruação nas mulheres. É indicado procurar um médico para tratamento. 

Para valores de referência de LH acima do normal, os indicativos são:

  • Fase de ovulação;
  • Tumor na hipófise;
  • Puberdade precoce;
  • Menopausa precoce;
  • Síndrome do Ovário Policístico. 
hormônio luteinizante (LH)
MANUAL MSD - Versão para Profissionais de Saúde/reprodução

O Hormônio Luteinizante nas fases do ciclo

Os níveis de hormônio luteinizante (LH) estão diretamente relacionados ao ciclo ovulatório feminino. Nas mulheres, o aumento agudo de LH estimula a ovulação e o desenvolvimento do corpo lúteo. 

Com este resultado é possível estimar se a mulher encontra-se próxima da ovulação, período em que existe propensão para engravidar.

Os sintomas mais comumente associados ao período de ovulação são:

  • Mudanças na secreção vaginal, 
  • Aumento na temperatura do corpo, 
  • Dor abdominal de um lado da pélvis, 
  • Sangramento mínimo, 
  • Maior sensibilidade nos seios, 
  • Aumento da libido, 
  • Variações de humor, enxaqueca e náuseas.

Fase folicular 

A fase folicular do ciclo menstrual começa com o início da menstruação e termina no dia do pico de LH.

Nessa fase, os níveis de FSH aumentam, o que induz o recrutamento de um pequeno número de folículos. Mais tarde, entre os dias 5 e 7, um desses folículos se torna dominante. 

O folículo dominante se desenvolve e no meio do ciclo menstrual a hipófise libera uma onda de LH que estimula os estágios finais da maturação folicular e a ovulação.

Ovulação

A ovulação ocorre após o LH ser liberado em quantidades maiores, geralmente nas próximas 36 a 40 horas.

Dessa maneira, o pico de LH é responsável pela ruptura da parede do folículo e a liberação do óvulo maduro.

Fase lútea

A fase lútea se estende do dia do pico de LH até o início da próxima menstruação.

Com duração de 14 dias, o folículo se transforma em um corpo lúteo depois de liberar o óvulo. 

Primeiro, esse corpo lúteo estimula a produção de progesterona em quantidades aumentadas, chegando a uma média de 25 mg/dia, 6 a 8 dias após a ovulação. 

Nessa primeira fase lútea o estradiol também se encontra em níveis altos. Esse aumento de estradiol e progesterona aumentam a proliferação celular e a vascularização do endométrio para otimizar a fixação do óvulo fecundado.

Caso não ocorra fixação do óvulo no endométrio, na fase lútea tardia acontece a diminuição da síntese de estradiol e de progesterona e isso resulta no início do fluxo menstrual, que marca o início de um novo ciclo.

Hormônio Luteinizante (LH) e seu papel da fertilização

A duração média do ciclo menstrual é 28 dias (variando de 21 a 40 dias). O primeiro dia da menstruação é o dia 1 e a ovulação geralmente ocorre no dia 14.

Para acontecer a fecundação do óvulo nas tubas uterinas, o hormônio luteinizante provoca o rompimento da parede folicular que ocasiona a liberação do óvulo.  

Esse período em que o óvulo está disponível para ser fecundado é o que é chamado de período fértil de uma mulher.

Após a ovulação, se ocorrer a fecundação, o óvulo fecundado migra até o útero e se fixa no endométrio.

A gravidez ocorre quando esse óvulo consegue se fixar no endométrio. Para isso acontecer, o endométrio precisa estar saudável e com a vascularização adequada.

Os hormônios da gravidez ou hormônios placentários são produzidos no primeiro trimestre após a formação do corpo lúteo.

O estrógeno, a progesterona, o hormônio lactogênio placentário e hCG começam a ser produzidos nesse primeiro momento.

O hCG produzido pela placenta é o hormônio mais conhecido nessa fase da gravidez, ele é divido entre alfa e beta

A subunidade alfa do hCG é muito parecida às subunidades alfa hormônios hipofisários TSH, FSH e o Hormônio Luteinizante, produzidos pela hipófise.

Por esse motivo, o hormônio luteinizante na gravidez também pode aparecer em níveis mais altos

Como esses hormônios podem se confundir por serem semelhantes, no teste laboratorial de gravidez, analisa-se o beta do hCG, ou β-hCG, para garantir que não seja dosado um desses outros hormônios produzidos. 

O teste rápido de LH

Para quem é este teste?


O teste rápido para dosagem de LH é indicado principalmente para:

  • Mulheres que desejam identificar o período de ovulação;
  • Homens, para rastreamento de problemas de fertilidade;
  • Crianças, sob pedido médico, para rastreamento de puberdade precoce.

O teste rápido para dosagem de LH atende o interesse de mulheres que desejam a gestação, figurando como aliado para melhor previsão do período fértil ao longo do ciclo menstrual.

Dessa maneira, o teste rápido do LH pode ser feito por mulheres, por exemplo, que estão fazendo tratamento de fertilidade e precisam identificar o melhor momento para engravidar,aumentando as chances de sucesso do tratamento.

O resultado é mostrado no painel do equipamento em mUI/mL. Esse é o valor que deve ser inserido no laudo.

Monitorar níveis hormonais até o pico da liberação hormonal, a partir do qual se espera a ovulação em 36 a 40h.

Espera-se níveis de LH entre 14 – 95,6 mUI/mL durante a fase de ovulação, que equivale aos dias férteis da mulher. 

  • Outros valores são esperados para outras fases do ciclo ovulatório:

Valores fora do intervalo entre 14 – 95,6 mUI/mL e/ou redução nos níveis de LH em medidas sequenciais indica a ausência de ovulação ou que a ovulação já aconteceu. 

Para este último caso, aguarde o próximo ciclo e inicie o acompanhamento 2 dias antes da data provável da ovulação.

Testes Rápidos Clinicarx

Com o serviço de Testes Rápidos da Clinicarx, você pode implementar TLR na sua farmácia ou clínica, com todo suporte do nosso Laboratório Clínico Central, e emitir laudo laboratorial válido para entregar ao seu paciente. 

Você pode encontrar também um curso completo online sobre o assunto em nossa plataforma educacional, ideal para quem está começando no tema.

Aproveite nosso plano Free e utilize gratuitamente a plataforma, oferecendo testes rápidos na sua farmácia e mais valor em saúde às suas pacientes. 

 

*Esse conteúdo foi aprovado pelo corpo técnico da Clinicarx.

ASSINE A NEWSLETTER E FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

logo clinicarx branca

Nós organizamos tudo para que você ofereça serviços de saúde em sua farmácia.

2021 Clinicarx, todos os direitos reservados. Política de Privacidade
R. Dr. João Evangelista Espíndola, 1559 – Jardim Social, Curitiba/PR
CNPJ: 26.740.121/0001-63. Licença Sanitária 04.234/2019 | Inscrição CRF/PR: 26520 | CNES 0029637
Responsável Técnico Serviços Laboratoriais: Dra. Fernanda Alcântara CRF/PR 26767 l Diretor Farmacêutico: Dr. Cassyano J Correr CRF/PR 11.516