O papel do farmacêutico na imunização da COVID-19

o papel do farmacêutico na imunização

A pandemia da COVID-19 transformou o mercado da saúde, o papel do farmacêutico na imunização, frente à expectativa da vacinação em massa, e do novo teste de soroconversão se torna ainda mais relevante para o controle da doença.

Em 2020, a farmácia foi fundamental, 90 mil farmácias continuaram funcionando durante o isolamento social, 1,4 milhão de testes de COVID-19 foram realizados para rastreamento de pacientes infectados e prevenção.

Nosso cenário hoje, 25.02.2021, é o seguinte: 

    • Vacinação emergencial já acontecendo no sistema público para os grupos prioritários;
    • Expectativa de compra de novas vacinas registradas pelo setor privado;
    • Novo teste para COVID-19 pós vacinação; este que avalia a soroconversão do paciente após receber a vacina contra a COVID-19. 
    • O papel do farmacêutico na imunização em massa da população brasileira.Para entendermos esse segundo momento da pandemia, neste artigo abordaremos o momento atual da vacinação no Brasil, o registro sanitário definitivo da Anvisa para a vacina da Pfizer, o novo teste de soroconversão e como o farmacêutico deve se preparar para a aplicação da vacina pelas farmácias.

O que isso muda?

A principal diferença entre a autorização para uso emergencial e o registro sanitário definitivo é que a vacina registrada oficialmente pela Anvisa pode ser comercializada e aplicada pelo setor privado, como clínicas, laboratórios e farmácias.

Além disso, com o registro, a vacinação poderá ser realizada em todas as pessoas acima de 16 anos, não apenas nos grupos prioritários definidos pelo plano de vacinação emergencial.

E, apesar de ainda não haver contratos de compra realizados. Para preparar as farmácias para imunização da população, a Abrafarma divulgou em dezembro um projeto para aplicação das vacinas em massa contra a COVID-19 em, pelo menos, 4.573 unidades com sala de vacinação e a atuação de 6.860 farmacêuticos.

De acordo com o plano, o agendamento da vacinação ocorreria de forma online, além da disponibilização das redes associadas para facilitar a distribuição e acesso à vacina, já que são 45 localidades que abrigam esses pontos de saúde.

Portanto, é importante que farmácias que ainda não estão aplicando vacinas, realizarem treinamentos e capacitações junto a seus farmacêuticos, tanto para administração de vacinas quanto para a capacitação no serviço de imunização, além de preparar a sala de vacinação conforme determinação da ANVISA.

O papel do farmacêutico na imunização

Desde 2017, com a RDC nº 197/2017, as farmácias aplicam vacinas de forma regularizada e segura. As vacinas que são aplicadas no setor privado são preconizadas pela SBIM (sociedade brasileira de imunização). Todas as vacinas constantes no PNI (Programa Nacional de Imunizações) podem ser aplicadas diretamente na rede privada, com o paciente pagando pela vacina.

Como já comentado acima, nesse segundo momento da pandemia, farmacêuticos devem se preparar e aperfeiçoar sua farmácia para receber a população, isso inclui a estrutura da sala de vacinação com equipamentos e documentos em dia, além da capacitação para aplicar vacinas.

Aqui vão algumas dicas práticas do que você, farmacêutico, deve saber para implantar o serviço de vacinação na sua farmácia:

    • De acordo com a RDC 304/19, a armazenagem de vacinas e medicamentos deve ser realizada em equipamento que tenha controle e registros de temperatura, assim como garanta a homogeneidade da temperatura interna do equipamento;
    • Cada vacina tem a sua temperatura ideal de armazenamento. Redobre a atenção antes de comprar a vacina: verifique se sua farmácia possui câmaras frias e geladeiras apropriadas para receber e armazenar a vacina;
    • Se você vai oferecer o serviço de vacinação extramuros, verifique com a vigilância sanitária local as exigências para este serviço;
    • A sala de vacinação deverá contar com mesa e cadeiras para atender o paciente, espaços fechados de armazenagem, uma maca e uma bancada com pia de lavagem. Computador e impressora fazem parte desse conjunto e lembre-se que cada equipamento da sala precisa ter uma tomada elétrica exclusiva;
    • Fique atento para itens como caixas térmicas, termômetro de momento, lixos, descartes, seringas e agulhas, entre outros insumos que você pode precisar adicionar na sua sala de vacinação.
    • Informe-se com a vigilância sanitária como será o processo de envio de relatórios. Fique atento às notificações online que o Ministério da Saúde exige após você realizar a vacinação no seu paciente.

O novo teste pós vacinação da Covid-19

Um novo teste para verificar se houve soroconversão após a vacinação está para ser lançado no mercado e reúne expectativa dos profissionais da saúde. Ele também poderá ser aplicado em farmácias. Nesse sentido, o papel do farmacêutico na imunização será indispensável para a avaliação de pessoas já vacinadas e orientação para a população após a vacinação.

Mais informações completas serão divulgadas nos nossos canais assim que tivermos todos os dados acerca do novo teste.

O papel da farmácia na imunização

Com os novos desdobramentos, como vimos, o papel do farmacêutico na imunização será por ambos os lados: na vacinação em massa da população e na avaliação de soroconversão pós vacina.

Além disso, enquanto ponto de saúde mais acessível, boa parte das pessoas busca informações na farmácia, o que demanda um preparo dos profissionais para estarem atualizados e capacitados para receber essa demanda. 

Pela plataforma Clinicarx, mais de 1 milhão de testes para COVID-19 e avaliações foram realizados. O que demonstra a posição estratégica do papel do farmacêutico na realização do teste e a importância da farmácia como referência.

E, diante do novo cenário, podemos prever que o farmacêutico irá exercer papel fundamental no processo de imunização, tanto pela aplicação da vacina quanto pelo acompanhamento por testes rápidos de soroconversão. 

 

Fique por dentro dos próximos passos sobre o cenário da COVID-19 e as novidades sobre o papel do farmacêutico na imunização, acompanhe nosso blog. 

    • Com uma plataforma digital, você, farmacêutico, consegue administrar todos os serviços, incluindo testes rápidos e vacinas, de forma segura. Além do registro de pacientes, a Clinicarx auxilia em cada processo com orientações para administração de vacinas de cada tipo e com a emissão de laudos laboratoriais para testes rápidos. Conheça mais a nossa plataforma

ASSINE A NEWSLETTER E FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES

logo clinicarx branca

Nós organizamos tudo para que você ofereça serviços de saúde em sua farmácia.

2021 Clinicarx, todos os direitos reservados. Política de Privacidade
R. Dr. João Evangelista Espíndola, 1559 – Jardim Social, Curitiba/PR
CNPJ: 26.740.121/0001-63. Licença Sanitária 04.234/2019 | Inscrição CRF/PR: 26520 | CNES 0029637
Responsável Técnico Serviços Laboratoriais: Dr. Héron Emmanuel Passos Petris CRF/PR 18.206 l Diretor Farmacêutico: Dr. Cassyano J Correr CRF/PR 11.516