Como fidelizar clientes no atendimento pós-venda na farmácia com a Clinicarx

atendimento pós-venda

O atendimento pós-venda em farmácias e drogarias deve priorizar a atenção integral à saúde do paciente, tornando a experiência única de forma que atenda às necessidades e dúvidas do cliente.

Sabemos que a experiência de cada consumidor começa muito antes da venda em si e termina também muito além da entrega do produto.

Nas farmácias e drogarias, isso não é diferente, principalmente quando nosso propósito é entregar saúde de qualidade.

O que é o atendimento pós-venda?

O pós-venda é o momento do atendimento ao cliente em que estratégias e ações são pensadas para melhorar a experiência após a compra do produto ou contratação de um serviço. 

A Clinicarx, como um software de atendimento para farmácias e clínicas, prioriza a jornada do seu paciente de forma completa, ou seja, existem funcionalidades especiais para encantar o cliente no atendimento pós-venda.

Aqui estão algumas dicas práticas de como deixar seus pacientes felizes e satisfeitos no pós-atendimento, utilizando recursos que você já tem na Clinicarx!

Entregue materiais impressos

O paciente foi até sua farmácia e foi atendido na sala de serviços farmacêuticos. Você realizou a anamnese, conversou sobre suas necessidades, problemas de saúde, exames. 

Mas o paciente não se encantou pelo seu atendimento. Então, qual seria a solução para tornar o atendimento mais memorável?

O atendimento pós-venda deve ser pensado como uma continuação, para fechar com chave de ouro e completar esse processo com a atenção e qualidade que seu paciente merece.

Talvez você tenha perdido a oportunidade de tornar seu serviço memorável e passar uma imagem super profissional porque não forneceu materiais educativos impressos.

No software da Clinicarx, há diversos documentos padronizados e personalizados que são gerados automaticamente. 

No seu atendimento pós-venda você tem uma diversidade de documentos profissionais, padronizados na plataforma e personalizados para encantar e fidelizar seu cliente.

Além disso, entregar um documento com as informações sobre a saúde do paciente contribui para a atenção integral e encaminhamentos seguros. 

Confira o que a Clinicarx disponibiliza!

  • A declaração de serviço farmacêutico;
    A RDC 44/2009 determina a prestação do serviço farmacêutico deve ser entregue ao usuário a Declaração de Serviço Farmacêutico (DSF). A Clinicarx possui uma DSF automática e personalizável para você encerrar com chave de ouro cada atendimento, com um documento completo com as informações do paciente de forma clara e objetiva. Para ele consultar e compartilhar com outros profissionais de saúde se necessário.

  • O laudo laboratorial do teste rápido;
    Através da plataforma, você emite um laudo laboratorial com toda tecnologia e respaldo técnico, para entregar ao paciente. O laudo laboratorial é o documento que contém os resultados dos exames, validados e autorizados pelo responsável técnico do laboratório vinculado à Clinicarx, com Selo de Qualidade PNCQ. Além de fornecer o documento ao paciente, com a Clinicarx seu cliente pode validar a veracidade do laudo online, com a funcionalidade 2a via de laudo. Tirando qualquer dúvida em relação ao resultado sempre que solicitado.

  • O relatório de evolução da pressão arterial e glicemia;
    Para indicadores como pressão arterial e glicemia, a Clinicarx elabora relatórios personalizados, com gráfico de evolução e registros detalhados de data e hora de medição para você entregar ao paciente e acompanhá-lo. Com esse relatório, fica muito mais fácil para o médico do seu paciente fazer ajustes na medicação e no tratamento do paciente.
  • O calendário posológico dos medicamentos;
    Com a Clinicarx, você pode criar uma lista organizada e visual de todos os medicamentos do paciente, com horários de tomada, simplificando o esquema e promovendo mais adesão ao tratamento. Indicado especialmente para pessoas com dificuldades de organizar sua rotina de tratamento.
  • O relatório ao médico;
    O relatório ao médico é um recurso da Clinicarx para que o profissional da saúde que está acompanhando o paciente envie ao médico um resumo de todas as doenças, resultados de acompanhamento, status clínico de cada parâmetro e todos os medicamentos em uso pelo paciente. Um recurso extremamente valioso, que poupa tempo da consulta médica e direciona a avaliação do médico para aquilo que mais importa.
  • A carteira de vacinação;
    Todas as vacinas tomadas na sua clínica ficam salvas na carteira de vacinação digital do paciente. Manter o calendário vacinal em dia é essencial para a prevenção de doenças e o registro dessa informação precisa ser preciso. Na Clinicarx, o profissional de saúde conta com um documento gerado automaticamente, que mostra todas as vacinas aplicadas no paciente, de forma organizada.
  • As vacinas recomendadas;
    Quando o paciente não toma todas as vacinas, forneça uma orientação escrita das vacinas recomendadas. Este é um documento automático e útil que traz todas as vacinas recomendadas para o paciente, considerando sexo e idade. Inclui informações sobre o esquema vacinal conforme o SUS e SBIM e pode ser impresso ao paciente.
  • O material educativo que você criou e anexou aos seus serviços
    No cadastro de um serviço da sua clínica, você pode fazer upload de arquivos vinculados, anexando documentos como materiais educativos impressos ou orientações terapêuticas personalizadas do seu serviço. Em poucos cliques é possível abrir e imprimir o arquivo para entregar ao seu paciente, que, com certeza, se sentirá especial ao receber informações centralizadas e orientadas.

Mais do que cumprir a legislação, entregar material impresso é marketing. Os especialistas da área sabem do valor das evidências físicas que você cria, como forma de tornar mais tangível e diferenciada a experiência do cliente no serviço. 

O fluxo do atendimento, as instalações, os impressos, tudo isso conta para criar um serviço memorável.

Envie documentos como a DSF ou Laudos para o email do paciente

Sabemos que nem todos os pacientes possuem email, mas aqueles que possuem adoram receber a Declaração de Serviço Farmacêutico, o Laudo Laboratorial ou aquele documento da consulta diretamente no email.

A Clinicarx efetua esse envio automático ao fim do atendimento e você pode confirmar o email do paciente na tela de encerramento do atendimento.

Para ter essa funcionalidade basta cadastrar o email do paciente no software

  • No cadastro do paciente você também pode inserir o email do responsável (menores de idade ou idosos) ou do médico do paciente, escolhendo que você quer que eles também recebam os resultados de saúde desse paciente, após cada atendimento na farmácia.

Indique o aplicativo mobile do paciente

O app mobile da Clinicarx para o paciente é gratuito. Nele, o paciente vai encontrar todos os dados da sua farmácia, dessa forma você divulga sua marca e torna o contato do cliente com a sua farmácia e seus serviços mais rápido e fácil, trazendo muito mais comodidade para o seu cliente. 

Mais que isso, no app mobile, o paciente terá acesso aos resultados de pressão arterial, glicemia, colesterol, medidas corporais, exames, medicamentos e vacinas, todos organizados. Pode encontrar os serviços e profissionais mais próximos, buscar atendimento e agendar consultas. 

São informações importantes e úteis para o paciente levar na próxima consulta médica e carregar sempre junto de si.

> Saiba mais sobre o app mobile do paciente com Clinicarx.

Você, farmacêutico, que está procurando uma plataforma de atendimento farmacêutico, agora é a sua chance de oferecer um serviço encantador aos seus pacientes.

A assinatura gratuita da Clinicarx oferece diversos serviços de saúde padronizados, com documentos como a Declaração de Serviço Farmacêutico e Laudo Laboratorial, para você fechar seu atendimento pós-venda com excelência sem perder tempo.

Como vimos, fidelizar e encantar clientes no atendimento pós-venda é manter a atenção contínua e fornecer tudo o que é necessário para que o paciente consiga tomar as decisões sobre sua saúde de forma autônoma e segura. 

Atuação do farmacêutico na homeopatia

atuação do farmaceutico na homeopatia

A atuação do farmacêutico na homeopatia inclui garantir que os medicamentos sejam produzidos em obediência aos padrões especificados em mementos, farmacopeias e outros documentos oficiais.

A farmácia é uma área milenar que vem se transformando e se reestruturando. 

Segundo o Conselho Federal de Farmácia (CFF), o farmacêutico está apto a desempenhar suas funções com qualidade nas 131 especialidades distribuídas em 10 áreas de atuação regulamentadas pela Resolução 572/2013.

Entre as diversas possibilidades de atuação do farmacêutico, está a homeopatia. Essa prática é regulamentada pela Resolução 635/2016 do CFF.

Neste artigo você encontrará informações sobre o conceito, atribuições e atuação do farmacêutico na homeopatia.

Homeopatia: a cura pela semelhança

A homeopatia foi fundada por um médico chamado Samuel Hahnemann no século XVIII e é um método terapêutico que usa medicamentos que, se administrado a uma pessoa saudável, produz sintomas semelhantes aos da mesma doença, mas em menor grau.

Assim, se um paciente está sofrendo, por exemplo,  de náuseas intensas, ele recebe um medicamento que, em uma pessoa saudável, provoca náuseas leves.

Trata-se de uma terapia fundamentada no princípio da semelhança. Existem três princípios fundamentais na homeopatia: lei dos semelhantes, uso da dose mínima e individualização.

Os medicamentos devem ser preparados seguindo um procedimento bem definido com as técnicas de diluição da matéria-prima, em soluções hidroalcoólicas ou em outros excipientes, e a potencialização do produto em diferentes graus. 

Na prática, um insumo ativo é diluído sucessivamente em um insumo inerte em proporção definida e constante, sofrendo agitação (no caso de líquidos) ou trituração (no caso de sólidos) depois de cada diluição. 

Este processo, chamado de dinamização e segundo a homeopatia, desperta as qualidades curativas sutis da substância medicamentosa, ao mesmo tempo em que uma eventual característica tóxica é mitigada. 

O medicamento homeopático geralmente é identificado pelo seu nome em latim e pela notação binária. O nome do medicamento é seguido por um número que indica quantas vezes ele sofreu o processo de dinamização e por letras que identificam por qual método ele foi preparado. 

Dessa maneira, a padronização do nome do medicamento homeopático permite que ele seja identificado em qualquer lugar do mundo, independentemente do idioma oficial do país.

Apesar do dilema sobre a sua eficácia, o método vem sendo adotado há séculos e a atuação do farmacêutico na homeopatia ocupa uma posição fundamental na manipulação dos medicamentos homeopáticos e na orientação do paciente.

No Brasil, a homeopatia integra o arsenal de terapias oferecidas por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2006.

Habilitação do profissional

Segundo a Resolução do CFF n° 576/2013, as prerrogativas para o exercício da responsabilidade técnica em homeopatia são: 

“a) ter cursado a disciplina de homeopatia com conteúdo mínimo de 60 (sessenta) horas no curso de graduação, além de estágio obrigatório com o mínimo de 120 (cento e vinte) horas nas farmácias de Instituições de Ensino Superior ou conveniadas, em laboratórios de medicamentos e/ou de insumos homeopáticos;

b) possuir título de especialista ou curso de aprimoramento profissional em homeopatia que atenda as resoluções vigentes do Conselho Federal de Farmácia.”

Atribuições e atuação do farmacêutico na homeopatia

O farmacêutico homeopata é o profissional responsável por garantir o padrão e a qualidade de todos os procedimentos de homeopatia realizados no estabelecimento.

A atuação do farmacêutico na homeopatia inclui garantir que os medicamentos sejam produzidos em obediência aos padrões especificados em mementos, farmacopeias e outros documentos adotados oficialmente pelos Estados e/ou Municípios.

Além disso, o contato direto com o paciente na farmácia ressalta a importância da assistência ao paciente com informações sobre o tratamento, objetivando alcançar os resultados terapêuticos esperados.

Áreas de atuação

  • Produção magistral de medicamentos homeopáticos.
  • Produção industrial de medicamentos homeopáticos.
  • Atuações direcionadas ao paciente, à família e à comunidade.
  • Atuação na Educação e Qualificação Profissional.
  • Atuação na Pesquisa.
  • Atuação no Serviço Público.

A Clinicarx

A Clinicarx é uma plataforma de serviços de atenção farmacêutica, para que farmacêuticos e outros profissionais da saúde possam implantar e oferecer esses serviços. Também é possível fazer a gestão completa da saúde financeira da sua farmácia. 

Assim, você consegue realizar uma gestão inteligente e profissional de seu negócio baseado em serviços de saúde. Todos os dados irão alimentar seus indicadores e relatórios para uma gestão eficiente do seu negócio.

Confira aqui o nosso plano Free, a assinatura gratuita da Clinicarx para que você experimente e utilize a plataforma pelo tempo que você quiser, aproveite! 

Além disso, a Clinicarx conta com uma plataforma com cursos EAD para apoiar a educação continuada do farmacêutico. 

MedLevensohn lança teste rápido para farmácias

medlevensohn

Teste rápido já está padronizado na plataforma Clinicarx.

Distribuidora de produtos de saúde com mais de 18 anos de mercado, a MedLevensohn foi pioneira na oferta de testes rápidos de detecção da Covid-19 no Brasil, em 2020. 

Agora, inova mais uma vez ao lançar o MedTeste Coronavírus (COVID-19) Anticorpos Anti-Proteína S, com foco no varejo farmacêutico. Inédito no país e com resultado em apenas dez minutos, o exame detecta se o paciente possui anticorpos, produzidos naturalmente pelo organismo em resposta à infecção natural pelo vírus ou à vacinação.

“É a terceira geração de testes rápidos a chegar no país, um produto de alta tecnologia na área da medicina diagnóstica”, afirma Frederico Theobaldo, gerente de plataforma da MedLevensohn.

Segundo o executivo, são esses anticorpos que potencialmente impedem a ligação do vírus às células, podendo evitar a entrada do micro-organismo e, consequentemente, sua replicação dentro do corpo.

Lançado há um mês, o teste já está disponível em redes como Drogaria VenancioFarmácia Indiana e Farmácias Pague Menos.

Os produtos da empresa estão presentes em mais de 2.500 farmácias no Brasil. A meta é chegar a 5 mil em um ano. Para isso, a MedLevensohn mantém parcerias com distribuidoras e associações como AbrafadFebrafar e Sincofarma.

Live para farmacêuticos e gestores

Para apresentar o produto e munir o farmacêutico com informações importantes sobre sua indicação, eficácia e análise do resultado, a empresa realiza um webinar intitulado Tudo o que você gostaria de saber sobre os Anticorpos Anti Proteína S e não sabia a quem perguntar, no próximo dia 13 de julho (terça-feira) em parceria com o Panorama Farmacêutico. A apresentação acontecerá às 19h, em uma transmissão pelo Zoom com a participação de Frederico Theobaldo e Cassyano Correr, CEO da plataforma de serviços farmacêuticos ClinicarX. O evento é voltado para farmacêuticos e gestores de grandes redes, associativistas e farmácias independentes.

A imunidade promovida pela vacina produz no organismo exatamente esses anticorpos protetores, que são os identificados pelo novo teste. Recomenda-se que o exame seja realizado a partir de 15 dias após o início dos sinais e sintomas ou da segunda dose da vacina, em sangue total, soro ou plasma. Agora, se o indivíduo tomou as duas doses da vacina e o teste deu negativo, é aconselhável repeti-lo após 15 dias. “O que o farmacêutico deve ressaltar ao cliente é que um resultado negativo não significa que ele não está protegido, pois a resposta celular também pode ser efetiva”, explica Theobaldo.

O executivo acrescenta que pessoas que já tiveram a doença, ou tomaram a vacina e estão, em princípio, protegidas devem continuar adotando todas as precauções estabelecidas pelos protocolos sanitários de combate à pandemia.

Milhões de testes já realizados

Especializada em fornecer soluções rápidas e assertivas que auxiliam na conduta clínica, a MedLevensohn já mantinha uma vertente de crescimento, que foi alavancada em 2020 em função dos testes de detecção da Covid-19. No último ano, a empresa cresceu no segmento de assistência farmacêutica.

“Foi um período em que, além de crescer, a empresa se posicionou fortemente nesse mercado. E é uma satisfação saber que estamos colaborando para que o Brasil siga os procedimentos de saúde, especialmente da OMS, que desde o início da pandemia orientou testar, testar e testar”, afirma Paulo Sampaio, gerente de projetos estratégicos da MedLevensohn.

Além dos testes de detecção de anticorpos IgM/ IgG, de antígeno (Ag) e o de anticorpos anti-proteína S, a MedLevensohn também é importadora e distribuidora de dispositivos para monitorização e tratamento de diabetes, hipertensão arterial e colesterolemia. A linha de testes rápidos Medteste conta com mais de 30 tipos de exames, entre eles o de HIV, sífilis, dengue, zika, chikungunya, malária, PSA e H1N1.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Como funciona o Teste MedTeste Coronavírus (COVID-19) Anticorpos Anti-Proteína S

O teste MedTeste Coronavírus (COVID-19) Anticorpos Anti-Proteína S é um kit imunocromatográfico rápido para detecção qualitativa de Anticorpos IgG e IgM anti-SARS-CoV-2 específicos para proteína S1 (RBD).

O dispositivo de teste contém partículas de ouro coloidal conjugadas com antígeno específico da proteína Spike e reagente de captura de anticorpos anti-proteína S revestido na membrana.

Leia o passo a passo completo aqui.

A Clinicarx possui experiência e segurança na padronização de testes rápidos. São mais de 30 exames dos melhores fornecedores do país.

Com protocolos que guiam na indicação, realização, interpretação de resultados, notificações ao Ministério da Saúde e envio do laudo ao paciente.

Você terá o respaldo do nosso Laboratório Clínico que possui o selo do Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ) e segue todas as exigências legais da RDC 302/2005 Anvisa.

Tipos de clientes que encontramos na farmácia

tipos de clientes

Conhecer e compreender os diferentes tipos de clientes que encontramos em nosso dia a dia em farmácias é fundamental para que as expectativas dos consumidores ou pacientes sejam supridas. 

É importante ressaltar que a venda só é um sucesso quando o cliente tem uma experiência agradável de compra e sai satisfeito com o produto ou com serviço de seu estabelecimento.

O que se entende por atendimento ao cliente?

Um processo de atendimento começa com a identificação das necessidades e desejos dos clientes e passa por questões importantes como a comunicação da farmácia.

Além disso, o detalhamento dos produtos ou serviços oferecidos na farmácia, a estrutura da loja, as formas de pagamento, a capacitação da equipe de vendas e a localização do estabelecimento.

O público-alvo atendido em uma farmácia é um público sensível e não deve ser comparado a outros estabelecimentos.

Além dos tipos de clientes que encontramos em nosso dia a dia, deve-se levar em consideração o estado de saúde do paciente e a razão pela qual é buscado o atendimento.

É possível categorizar os tipos de clientes?

Sim, e tendo em mente, de uma forma geral, como deve ser realizado um atendimento ao cliente, é possível categorizá-los de acordo com algumas características comportamentais:

Cliente preocupado com preço

Ele vai dar indícios logo no início da conversa que o valor é fator determinante para a compra. 

Neste caso, explicar de forma clara e objetiva as diversas formas de pagamento e possíveis parcelamentos vai deixá-lo mais calmo para ouvir as orientações do produto ou serviço que ele busca.

Este cliente, geralmente, não é fiel a uma marca de produto ou estabelecimento, porém, saber conduzir o atendimento e oferecer as melhores condições de venda são a melhor forma de atendê-lo. 

Este é um dos tipos de clientes que já vem com intenção de compra, mas fique atento, pois ele pode querer alguma informação adicional.

Cliente apressado

Para esse cliente, o tempo de atendimento é fundamental. Durante a compra, esse cliente está sempre demonstrando impaciência e agitação. Ele costuma ser bem rápido ao entrar e vai direto ao que precisa. Por isso, o atendimento também deve ser ágil.

Geralmente, este cliente é de fácil negociação e nem sempre será possível agregar vendas para ele. 

Passe apenas as informações que ele realmente precisa sobre o produto ou o serviço e esteja sempre atento para suprir sua necessidade. No máximo, informe sobre ofertas e promoções relacionadas ao que ele foi buscar.

Cliente tímido

Geralmente fica andando pela loja até ser abordado, logo, é necessário que o funcionário aproxime-se o quanto antes. 

Esse tipo de cliente geralmente possui um tom de voz muito baixo e é bastante discreto, o que remete que o profissional farmacêutico também aja com discrição e que seja atencioso, mas nunca invasivo.

Muitas vezes a timidez do cliente não refere-se somente à sua introspecção, mas também pode relacionar-se com o tema da sua procura pelo atendimento farmacêutico. 

Temas íntimos, tais como exames de ISTs, testes de gravidez e sintomas em regiões íntimas são comuns nesse caso.

O farmacêutico precisa ser profissional ao extremo com este cliente e é necessário deixar o cliente ciente de que o tema abordado será tratado de forma a atender sua necessidade pessoal e que o sigilo profissional está garantido.

Cliente agressivo

Gosta de exclusividade e geralmente discute por qualquer coisa. 

Ser paciente e colocar a equipe à disposição dele geralmente quebra a barreira da agressividade, onde, assim, a melhor forma de atendê-lo é evitar interrompê-lo e não deixar com que o nervosismo aumente.

Para melhor atender esses tipos de clientes é importante evitar discussões. Por muitas vezes ele vai aumentar o seu tom de voz e o ideal é você não fazer o mesmo. 

O farmacêutico precisa ouvi-lo, atender às reclamações do cliente (quando pertinentes) e sempre direcionar a conversa para o bom senso.

Cliente detalhista

Precisa de detalhes sobre o produto ou serviço e geralmente não tem pressa. Para esse tipo de cliente é preciso que o farmacêutico seja objetivo, seguro, atencioso e claro nas explicações.

Cuidado ao atender este cliente, pois pode ser um atendimento longo, que vai demandar bastante conhecimento técnico, mas que ao final do atendimento pode não ser efetivo na venda produto ou do serviço. 

Não é uma má característica do cliente, pois ele pode estar recolhendo informações e tentando aprender sobre o que ele busca e, no próximo atendimento, ele será um cliente decidido.

Veja nossos cursos e capacitações para diversas condições clínicas comuns na farmácia. 📚

Cliente “extrovertido”

É bem comum e geralmente constrange o funcionário que o atende com suas piadas, geralmente de duplo sentido. É importante que o funcionário não dê importância às piadinhas, mas ao mesmo tempo não aja com arrogância e falta de paciência.

Procure conduzir e manter o diálogo, pois o cliente sempre vai tentar desvirtuar o assunto. Seja simples e simpático e tente sempre retornar ao assunto principal do atendimento. Esse não é um cliente de venda fácil, portanto é preciso resiliência para atendê-lo.

Cliente “sabido”

Geralmente entra na loja após algumas consultas na internet e, consequentemente, exige explicações bastante seguras do profissional que se dispuser a atendê-lo, pois, a chance desse cliente questionar, ainda que seja sem muitos critérios, é grande.

Este é um dos clientes mais questionadores e com certeza ele vai desafiar os seus conhecimentos técnicos ou relacionados ao produto ou serviço ao qual ele deseja informações. 

Não omita informações. Para este tipo de cliente é ideal você saber direcionar o atendimento ou, então, passar para alguém que tenha mais expertise no assunto abordado.

Confuso/Indeciso

Na maioria das vezes, esse tipo de cliente vai precisar da ajuda do farmacêutico na drogaria na hora de tomar uma decisão sobre o produto ou serviço.

Essa é uma ótima oportunidade para, além de tirar dúvidas, agregar vendas. Ele pode até conhecer um pouco sobre o produto, mas precisa de alguém para fazer a venda consultiva.

Para atendê-lo e converter a venda, entenda qual produto ele busca, demonstre segurança ao falar e explique de forma clara os benefícios do produto que ele está levando. Aja com paciência, pois, normalmente, o cliente só precisa de um auxílio na tomada de decisões.

Cliente decidido

Entre todos os tipos de clientes, este é o cliente que já sabe o que quer ou já sabe o que o produto ou o serviço oferecem, já tem intenção de compra e vem ao estabelecimento unicamente com a intenção de efetivar a compra.

É o cliente perfeito para qualquer profissional que vai atendê-lo, mas ele sempre vai analisar o atendimento e a postura de quem presta o atendimento propriamente dito. 

Oferecer produtos e serviços relacionados àquilo que ele procura é sempre um diferencial e o sucesso na venda, quase sempre, é garantido.

Empatia e paciência com os idosos

Entre os tipos de clientes que encontramos em nosso dia a dia nas farmácias e drogarias, idosos tendem a aparecer com uma certa frequência.

Grande parte das drogarias já possui clubes de vantagens ou descontos para clientes da terceira idade e, para agradar esse tipo de cliente é importante empatia, atenção, cuidado e paciência, uma vez que idosos podem apresentar dificuldades de visão, audição e até mesmo locomoção.

Geralmente é um público que tem mais dificuldade com relação a novas tecnologias, medicamentos novos, novas maneiras de tratamento e mudanças – mesmo que as mais simples, como embalagens de produtos. Mas atenção, isso não é regra!

Esse tipo de cliente busca, prioritariamente, medicamentos de uso contínuo, mas também se preocupam com prevenção e prezam muito por aquilo que lhes é dito ou recomendado durante o atendimento farmacêutico.

Por isso, categorias como vitaminas e nutracêuticos dirigidos aos idosos podem aumentar o ticket médio da drogaria e oferecer diferenciais de atendimento, principalmente por farmacêuticos que dominem o assunto.

Além desse atendimento diferenciado, é preciso levar em consideração as necessidades de locomoção dos idosos nos pontos de saúde. 

Sendo assim, manter a farmácia iluminada, aumentar os espaços dos corredores e organizar os produtos facilitando o alcance dos idosos, são atitudes essenciais para fidelizar esses clientes.

Posturas inadequadas frente a todos os tipos de clientes

Generalizar um produto é um erro, muitos atendentes cometem o erro de dizer que todas as marcas são iguais e que a variação de preço é decorrente se a marca é mais famosa ou não. Isso diminui a percepção de valor sobre o que a drogaria oferece ao consumidor.

Sugerir de imediato um produto mais barato justificando que o preço é mais acessível também é um erro, pois o cliente pode se sentir minimizado.

Às vezes, o profissional farmacêutico é mal orientado e não percebe que o atendimento não termina quando o produto ou serviço foi recomendado e não se despede do cliente, não agradece e não o acompanha até o check-out ou, então, até a porta. 

A gentileza deve fazer parte de todas as etapas de atendimento.

Uma recepção áspera, hostil, apática tem o efeito “bumerangue”: o cliente devolve isso para você rapidamente e ainda tem uma péssima impressão do atendimento e da empresa, espalha para todo mundo e a empresa pode ter sérios problemas no faturamento.

Além disso, o investimento em treinamento e capacitação deve ir além do operacional: deve estender-se ao conteúdo técnico (de preferência por categoria) e ao fator humano, garantindo o relacionamento e, consequentemente, a preferência do cliente.

O maior valor que a farmácia entrega ao cliente é o valor em saúde. Por isso, o foco de qualquer atendimento, independente dos tipos de clientes que encontramos em nosso dia a dia, deve ser a atenção e o cuidado com as necessidades do paciente ou cliente. 

Conte com uma plataforma que oferece soluções pensadas para você entregar o melhor dos serviços de saúde aos seus clientes, desde anamneses, triagem, check-ups, até testes rápidos e vacinação. 

Nova parceria: testes rápidos da Roche já disponíveis na plataforma Clinicarx

roche

Agora, nossos clientes Clinicarx também poderão oferecer dentro do escopo de testes rápidos, os testes para COVID-19 da Roche

Os testes rápidos padronizados na plataforma da empresa são os exames para detecção da COVID-19 de antígeno e de anticorpos IgG/IgM

Os objetivos dos testes são:

  • COVID-19 Antígeno: detecção qualitativa do vírus SARS-CoV-2 em amostra de swab nasofaríngeo;
  • COVID-19 IgG/IgM: detecção qualitativa dos anticorpos IgG/IgM do vírus SARS-CoV-2 em amostra de sangue total por punção capilar.

O teste rápido de antígeno da empresa oferece 99,68% de especificidade e 96,52% de sensibilidade para a detecção da doença ativa na fase inicial da doença em apenas 15 minutos. 

A Roche é pioneira em medicina personalizada, líder mundial em diagnóstico in vitro e pioneira em vários serviços especializados da saúde como a área de oncologia e diabetes.

Mais uma vez, a plataforma conta com um dos maiores fornecedores do mercado, de reconhecimento pela qualidade e segurança dos produtos e equipamentos.

Os Testes Rápidos promovem maior rapidez nos resultados, permitindo que o exame seja concluído em um único encontro. 

São testes realizados em aparelhos portáteis, que possuem um sistema de garantia de alta qualidade envolvido.

Necessitam de procedimentos padronizados para controle interno e externo de qualidade, treinamento de operadores e padrões na emissão de laudos para a confiabilidade dos resultados.

A Clinicarx possui experiência e segurança na padronização de testes rápidos. São mais de 30 exames dos melhores fornecedores do país.

Com protocolos que guiam na indicação, realização, interpretação de resultados, notificações ao Ministério da Saúde e envio do laudo ao paciente.

Você terá o respaldo do nosso Laboratório Clínico que possui o selo do Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ) e segue todas as exigências legais da RDC 302/2005 Anvisa.

 

Como fazer um orçamento anual para farmácia

orçamento anual

O orçamento anual para farmácia ajuda você a visualizar e identificar os pontos de melhoria, atenção e oportunidades para o seu negócio.

Um orçamento empresarial, ou um orçamento anual, baseia-se em dados passados, porém, também se embasa na análise crítica e das perspectivas de mercado e dos objetivos do negócio.

Por exemplo, na sua farmácia, você vai estudar seus dados financeiros e operacionais passados, junto com uma análise atual a partir da visão integral da sua empresa, com um olhar crítico e foco no mercado

Os objetivos que você tem para sua farmácia também devem ser considerados, seus investimentos num futuro próximo e investimentos já em andamento. 

Um orçamento anual para farmácia deve levar em consideração pontos importantes e indispensáveis do planejamento financeiro da sua empresa.

Neste artigo você vai ver:

Índice

Vamos lá?

Passo a passo para montar seu orçamento anual

Você precisa conhecer seu negócio, saber da vida financeira da sua farmácia, identificar seus limites, problemas e, claro, as possibilidades de crescimento

Passo 1 – Objetivos, estimativas e metas

Primeiramente, você precisa estimar a quantidade de vendas que sua farmácia pode ter no próximo ano, produtos, lançamentos, serviços, valores, o que será vendido ao longo do ano. Para isso, é bacana conversar com suas equipes de comercial e vendas.

As metas são um fator importante, para que você projete e saiba exatamente onde está sua empresa e onde ela pode chegar a partir do seu orçamento anual. 

Além disso, na farmácia, a criação de metas motiva o time dos seus funcionários e cria mais previsibilidade em termos de resultados.

Uma forma de calcular a meta é considerar o resultado do mês anterior, acrescentar um % de crescimento desejado e acompanhar o alcance desse resultado.

As metas mais comuns são aplicadas para número de atendimentos e faturamento. Mas você pode ter metas para todos os indicadores do seu painel de gestão de serviços.

Calcule o preço do seu produto ou serviço farmacêutico

Precificar seus serviços de atenção farmacêutica é de suma importância para que você saiba o preço do seu produto. 

Você deve considerar pontos como:

  • custo direto do tempo do farmacêutico;
  • custo dos materiais consumidos para prestação dos serviços;
  • investimento feito em estrutura e converta em custo mensal;
  • custos fixos;
  • custos totais da precificação.

> Veja aqui cada etapa da sua precificação de serviços de atenção farmacêutica.

Passo 2 – Identifique seus custos fixos e variáveis

Os custos estão diretamente ligados à receita da sua empresa e à atividade operacional. Para comércio e varejo, por exemplo, são os custos da sua mercadoria, se você é prestador de serviços, são os custos com a mão de obra direta empregada. 

Custos fixos:

  • aluguel do ponto comercial;
  • salários dos funcionários;
  • custos com telefone e internet;
  • folha de pagamento;
  • gastos com hospedagem de site;
  • serviços de contabilidade;
  • seguros;
  • consumo de água, gás e energia elétrica;
  • gastos com impressão e papelaria;
  • gastos com marketing e publicidade.

     

Custos variáveis:

  • Custo das Mercadorias Vendidas (CMV);aquisição de matéria-prima;
  • tributos federais, estaduais e municipais;
  • fornecedores;
  • contratação de freelancers;
  • custos com transporte de medicamentos ou produtos;
  • reformas no ponto comercial;
  • participação em eventos para empreendedores.

> O seu quadro de funcionários merece atenção especial nesse momento, se há a previsões de aumento da equipe, demissões.

É importante que você faça um cronograma anual também, com as datas de cada período em que está programada cada ação ou investimento. Isso ajudará você a evitar gastos extrapolantes e desorganizados. 

Por exemplo, caso você esteja em processo de reformar ou estruturar sua sala clínica ou consultório farmacêutico, é importante determinar essas etapas, os gastos e as projeções. 

> Para oferecer o serviço de vacinação na farmácia, não esqueça que é necessário ter uma sala específica para esse procedimento

Passo 3 – Faça o diagnóstico da sua farmácia

É muito importante que você analise até os últimos três anos a saúde financeira do seu negócio. 

É preciso analisar:

  • a média de vendas dos anos anteriores;
  • o lucro médio alcançado;
  • os gastos com tributação;
  • as sazonalidades nas vendas e dos produtos;
  • possíveis gastos ordinários.

     

A tributação dos serviços farmacêuticos

Os serviços farmacêuticos “ambulatoriais” são sujeitos ao pagamento de ISS (imposto sobre serviços) ao município, quando da emissão de nota fiscal ou equivalente ao paciente.

Produtos utilizados durante e para a prestação de serviços são considerados insumos e não estão sujeitos a ICMS nesses casos específicos, pois não estão sendo vendidos diretamente ao consumidor, mas consumidos para prestação de serviços. 

> Leia mais detalhes neste parecer jurídico sobre a incidência do ISS sobre serviços farmacêuticos

Entende-se que a manipulação de medicamentos para um paciente individual também é considerada prestação de serviços. 

Foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico de 5 de outubro de 2020 o Acórdão relativo ao Recurso Extraordinário 605.552, que tratava da tributação sobre a manipulação de fórmulas das farmácias magistrais.

Decidiu-se que o tributo devido é o ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) quando houver manipulação de fórmulas individualizadas para atendimento de prescrição de profissional habilitado, e ICMS quando se tratar de formulações preparadas previamente pela farmácia e expostas para venda.

Visão geral da sua gestão orçamentária, como fazer?

É importante e facilita o seu processo contar com ferramentas de gestão financeira de negócios, onde você consegue rentabilizar e analisar todos os dados financeiros para o seu orçamento anual e acompanhamento. 

> Caso você não tenha um software disponível, você pode contar com o Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE) e fazer isso manualmente pela planilha.

O que é e como fazer o Demonstrativo de Resultado do Exercício

Com o DRE você consegue projetar receita, custos e despesas. Além disso, uma análise financeira total da sua empresa também precisa do Balanço Patrimonial (BP) com os passivos financeiros  e ativos.

Lembrando que os passivos financeiros são tudo aquilo que é custo para sua empresa, como contas de luz, energia elétrica, aluguel, transporte, ou seja, não geram lucros. 

Os ativos são aqueles que agregam lucro para sua empresa, como, por exemplo, títulos públicos ou privados, ações ou ainda fundos de investimento. 

Assim você consegue projetar isso para os próximos períodos, identificar o comportamento desses fatores, onde você vai investir seu lucro, analisar novos projetos. 

Com isso, você terá seu Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC), a partir dele você verá:

  • Sua necessidade de caixa;
  • A operação está dando resultados;
  • Se você precisa de financiamento ou de investimento;
  • Definir valores dessas ações.

O seu Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC) deve considerar:

Entradas

Saídas

Fluxo de Caixa

Vendas

Saídas operacionais

+Recebimentos do período

Empréstimos

Despesas administrativas e comerciais

– Pagamentos do período

Venda de imobilizado

Pagamentos de juros

 = Fluxo de Caixa

Aporte de sócios

Pagamento de empréstimos

 

Outras entradas de recurso

Pagamentos de pró-labore

 

= Recebimentos do período

= Pagamentos do período

 

Essa visão em 360° do seu negócio irá auxiliar na gestão do orçamento anual para farmácia.

O Painel Gerencial da Clinicarx

O painel da Clinicarx é onde você encontra os indicadores, métricas e principais relatórios dos seus serviços farmacêuticos clínicos.

Nesse painel, você encontra e gerencia indicadores de produtividade, saúde e financeiro. No seu relatório financeiro, pela Clinicarx, você pode analisar: 

  • Os números de faturamento, faturamento por paciente, ticket-médio por atendimento, entre outros, mostram o quanto os serviços têm produzido em receitas diretas para a farmácia.
  • Evolução do faturamento direto com a venda dos serviços de atenção farmacêutica. No período que o administrador seleciona, tem se o faturamento total, o faturamento por paciente e o ticket médio por atendimento. 

> Esses indicadores podem ser comparados com o ticket médio da farmácia, por exemplo, a fim de revelar o perfil dos pacientes atendidos nos serviços. 

  • Nesta tabela de indicadores, você terá um raio X de todos os serviços que você cadastrou na Clinicarx. Você poderá comparar os atendimentos vinculados a cada serviço em relação às metas estabelecidas e identificar os serviços mais demandados ou rentáveis.

Entre outros dados e métricas. 

Passo 4 – Reúna os dados do orçamento anual da sua farmácia

Esse é o momento de reunir todos os dados da sua análise e listar com os números corretos da sua farmácia para visualizar de forma integral e clara para o seu orçamento anual. 

É importante entender os custos e as métricas dos seus serviços de atenção farmacêutica, assim como seus Indicadores-Chave de Desempenho

É imprescindível acompanhar os resultados do seu negócio, pois permitem saber o que está funcionando e o que não está.

Fique sempre de olho nos seus serviços que são carros-chefe, ao mesmo tempo em que diversifique seu mix de serviços.

Passo 5 – Conte com uma plataforma que realize tudo isso em um lugar só!

A Clinicarx é uma plataforma de serviços de atenção farmacêutica, para que farmacêuticos e outros profissionais da saúde possam implantar e oferecer esses serviços. Além disso, é possível fazer a gestão completa da saúde financeira da sua farmácia. 

Assim, você consegue realizar uma gestão inteligente e profissional de seu negócio baseado em serviços de saúde. Todos os dados irão alimentar seus indicadores e relatórios para uma gestão eficiente do seu negócio.

Saiba mais e conheça as soluções que a Clinicarx oferece para você e sua farmácia. 

As dúvidas sobre anticoncepcional mais comuns na farmácia

dúvidas sobre anticoncepcional

As principais dúvidas sobre anticoncepcional para você, farmacêutico, entender e auxiliar suas pacientes na farmácia de forma segura.

A aprovação da comercialização de pílulas anticoncepcionais aconteceu na década de 1960 nos Estados Unidos.

A partir de então, o uso de anticoncepcional se difundiu pelo mundo como um método contraceptivo para evitar gestação indesejada. No Brasil, há evidências de que a comercialização desses medicamentos iniciou em 1962.

Sabe-se que o farmacêutico não prescreve esses medicamentos, mas preparamos esse material com o propósito de ajudá-los na missão de orientar as clientes que apresentam dúvidas sobre anticoncepcional na farmácia.

Contracepção hormonal oral

Contracepção hormonal consiste no uso de um progestágeno sintético, associado ou não a um estrógeno, com a finalidade de impedir a concepção.

Diferença entre minipílula e anticoncepcionais orais combinados

  • Minipílulas são comprimidos com apenas um hormônio em sua composição: progestágeno sintético. É muito útil para mulheres que têm contraindicação absoluta ou relativa para o uso de anticoncepcionais com estrógeno em sua composição, como os anticoncepcionais combinados, e para mulheres que estão amamentando.

Ex: Cerazette® (Desogestrel 75 mcg), Exluton® (Linestrenol 50 mcg), Norestin® (Noretisterona 35 mcg).

  • Anticoncepcionais orais combinados são comprimidos com dois hormônios em sua composição: progestágeno e estrógeno sintéticos.

Ex: Ciclo 21® (Levonorgestrel 015 mg + Etinilestradiol 0,03 mg), Yasmin® (Drospirenona 3 mg + Etinilestradiol 0,03 mg), Selene® (Acetato de ciproterona 2,0 mg + Etinilestradiol 0,035 mg).

Dica: os estrógenos utilizados em anticoncepcionais orais combinados são sempre o etinilestradiol ou o valerato de estradiol.

Em contrapartida, o progestágeno sintético é o hormônio que se apresenta com mais variedade na produção de anticoncepcionais.

Dúvidas mais comuns de pacientes sobre a minipílula

Qual é o dia recomendado para a paciente iniciar o uso da minipílula?

 É recomendado iniciar no primeiro dia do ciclo menstrual (primeiro dia da menstruação). O uso da minipílula deve ser feito todos os dias no mesmo horário de modo contínuo, sem intervalo entre cartelas.

Como deve ser feita a troca de um anticoncepcional oral combinado, adesivo, anel vaginal ou DIU para uma minipílula?

Iniciar no dia posterior à tomada do último comprimido ativo do anticoncepcional oral ou no dia da retirada do anel, do adesivo ou do DIU. 

Como fazer a troca do injetável só com progestágeno por uma minipílula?

Iniciar a minipílula no dia em que deveria tomar a próxima injeção.

Como orientar a sua cliente em caso de esquecimento do comprimido?

Tomar a pílula assim que se lembrar, mesmo que coincida com o horário da nova dose e a paciente precise tomar dois comprimidos juntos.

Sempre que isso ocorrer é recomendado utilizar um método contraceptivo de barreira (preservativo, por exemplo) nos próximos sete dias.

É importante frisar que não é recomendado exceder três horas de atraso na tomada da minipílula pelo risco de falha, com exceção das pílulas contendo desogestrel 75 mcg/dia, que este intervalo poderá atingir até 12 horas sem prejuízo da eficácia.

O que fazer em caso de vômito ou diarreia intensa após a tomada da minipílula?

Caso o vômito ou diarreia intensa ocorra até 4 horas após a administração, recomenda-se utilizar método contraceptivo de barreira por pelo menos pelos próximos sete dias.

Dúvidas sobre anticoncepcional oral combinado

Qual é o dia recomendado para a paciente iniciar o uso do contraceptivo combinado?

É recomendado iniciar no primeiro dia do ciclo menstrual (primeiro dia da menstruação). A contracepção de apoio nos primeiros sete dias só é recomendada para mulheres que iniciam o tratamento em outro dia do ciclo.

Como deve ser feita a troca de um contraceptivo combinado oral por outro?

Iniciar o novo contraceptivo oral no dia posterior ao término da cartela anterior sem fazer a pausa.

Como deve ser feita a troca de uma minipilula, adesivo, anel vaginal ou DIU para um anticoncepcional oral combinado?

Iniciar no dia seguinte da tomada da última minipílula e utilizar método contraceptivo de barreira nos primeiros 7 dias ou iniciar na retirada do anel, do adesivo ou do DIU.

Como orientar a sua cliente em caso de esquecimento do comprimido?

Tomar o comprimido assim que se lembrar, mesmo que coincida com o horário da nova dose e a paciente precise tomar dois comprimidos juntos.

Caso o atraso da tomada seja maior do que 12 horas, recomenda-se utilizar outro método contraceptivo, principalmente nos 7 dias subsequentes. 

Caso a cliente fique sem tomar por mais de dois dias, recomenda-se utilizar outro método contraceptivo até o final da cartela.

O que fazer em caso de vômito ou diarreia intensa após a tomada do comprimido?

Caso o vômito ou diarreia intensa ocorra até 4 horas após a administração, recomenda-se utilizar método contraceptivo de barreira pelos sete dias subsequentes.

Qual a diferença entre os contraceptivos orais combinados monofásicos, bifásicos e trifásicos?

Os contraceptivos monofásicos têm a mesma quantidade de progestágeno e estrógeno em todos os comprimidos. 

Os bifásicos têm diferentes quantidades de progestágeno e estrógeno nos comprimidos: Para as bifásicas, os primeiros 10 comprimidos têm uma dosagem e os 11 seguintes têm outra dosagem.

Nos trifásicos,  as primeiras sete pílulas têm uma dosagem, as sete seguintes outra dosagem e as últimas sete outra dosagem diferente.

É importante frisar que os três tipos evitam a contracepção. 

Sangramento de escape no início do tratamento indica que o contraceptivo oral não está sendo eficaz?

Não, não significa diminuição de eficácia. O sangramento de escape pode acontecer nos três primeiros meses, mas a tendência é desaparecer após 3 meses.

Importante: essas são recomendações gerais. No entanto, sempre que houver dúvidas ou for possível, a bula do produto deve ser consultada.

Contracepção de emergência

Conhecida também como “pílula do dia seguinte”.

Não há contraindicações absolutas para a contracepção de emergência, além da gravidez. O método mais adequado é o levonorgestrel isolado, que apresenta efeitos colaterais reduzidos, menor interação com outros medicamentos e confere maior efetividade.

Métodos:

  • Levonorgestrel (1,5 mg)

A paciente pode tomar 2 comprimidos de 0,75 mg de Levonorgestrel com o intervalo de doze horas entre eles ou 1 comprimido de 1,5mg de Levonorgestrel em dose única. 

Apresenta eficácia de 95% de efetividade se a primeira dose for tomada em menos de 24h após a relação, 85% de efetividade se a primeira dose for tomada de 24-48h após a relação; 58% de efetividade se a primeira dose for tomada de 48-72h após a relação.

  • Progestágeno + Estrógeno (Yuzpe regimen): 100 a 120 mcg de Etinilestradiol + 500 a 600 mcg de Levonorgestrel em cada dose, 2x com o intervalo de 12h entre elas. Esse método é bem menos usual e apresenta menor eficácia contra concepção. 

O que fazer em casos de vômitos após a dose? 

Quando acontecer vômito nas duas primeiras horas após a administração do levonorgestrel, recomenda-se que a dose seja repetida.

Com a Clinicarx, você pode acompanhar suas pacientes, realizar avaliações em saúde, testes rápidos como Beta-HCG, Hormônio Luteinizante, Dímero-D, entre outros. 

A plataforma também possui o serviço de injetáveis padronizado para que você registre todos os injetáveis aplicados na sua farmácia, anotando local de aplicação e dados do prescritor.

Ainda é possível anexar a receita e emitir a Declaração de Serviços Farmacêuticos (DSF) para você realizar o procedimento com segurança e dentro das normas necessárias. 

Nossa missão é promover serviços de saúde acessíveis, convenientes, contínuos e de qualidade a todos, de forma integrada ao sistema de saúde, tendo o paciente no centro de todo processo.

Desenvolvemos uma plataforma que padroniza os processos de como implantar e gerir serviços de saúde inovadores, atuando como um hub de conexões entre fornecedores, indústria, estabelecimentos, profissionais da saúde e pacientes.

Como abrir uma farmácia: guia completo!

abrir uma farmácia

Veja o passo a passo que o Panorama Farmacêutico montou de como abrir uma farmácia para empreender com segurança e ter muito sucesso!

O que precisa para abrir uma farmácia?

Iniciamos nossa jornada entendendo a diferença entre drogaria e farmácia.

Segundo a Lei nº. 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que trata do controle sanitário do comércio de medicamentos e outros insumos farmacêuticos:

  1. Farmácia sem manipulação ou drogaria: são estabelecimentos de dispensação e comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos em suas embalagens originais.
  2. Farmácia com manipulação: são caracterizadas como estabelecimentos que, além da comercialização, atuam na manipulação de fórmulas magistrais e oficinais.

E, seja ela com ou sem manipulação, para abrir uma farmácia precisa ser farmacêutico?

Não. Contudo, as farmácias de qualquer natureza requerem, obrigatoriamente, para seu funcionamento, a responsabilidade e a assistência técnica de um farmacêutico habilitado, na forma da lei, durante todo o horário de exercício.

Como abrir uma farmácia?

Separamos nosso guia em duas etapasfase legal e fase operacional.

Na fase legal, apresentamos o passo a passo para a constituição da empresa. Na operacional, os principais pontos operacionais para que inicie seu empreendimento sem erros.

Como abrir uma farmácia: FASE LEGAL

1. Constitua a farmácia

Para isso:

1° passo: escolha o tipo societário:

  • Comandita Simples;
  • Nome Coletivo;
  • Comandita Por Ações;
  • Sociedade Anônima;
  • Sociedade Limitada.

2° passo: escolha o nome da empresa:

Dependendo do tipo de sociedade escolhida, o nome da empresa pode ser em forma de denominação social ou firma.

Sociedade Limitada pode adotar tanto firma, quanto denominação social, porém, ao final do nome, deverá constar a palavra “Limitada” ou sua abreviatura “Ltda”.

firma será composta com o nome de um ou mais sócios, desde que pessoas físicas, de modo indicativo da relação social.

Por exemplo: João Silva e Maria Pereira Farmácia Ltda.

denominação deve designar o objeto da sociedade, sendo permitido nela figurar o nome de um ou mais sócios.

Por exemplo: Mais Saúde – Farmácia Ltda.

Depois de escolher o nome, onde registrar?

Escolhido o nome da empresa, é preciso fazer o pedido de busca na Junta Comercial para verificar se não há outra sociedade registrada com o mesmo nome. Esta busca é realizada mediante o pagamento de uma taxa.

A inscrição do nome da empresa (firma ou denominação social) na Junta Comercial assegura o seu uso exclusivo, no mesmo ramo de atividade, no estado em que a empresa for registrada.

Entretanto, caso você queira estender a proteção e o uso com exclusividade da marca de sua empresa para todo o território nacional, você deverá requerer o registro no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Além disso, é muito importante também que você faça uma pesquisa no INPI para saber se existe alguma marca registrada com nome semelhante ou igual ao de sua empresa.

O dinheiro que precisará para pagar empregados, aluguel, despesas com luz, telefone e até mesmo o capital para suportar períodos iniciais com baixo volume de clientes, por exemplo, precisam entrar na conta.

3° passo: faça o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ)

Todas as pessoas jurídicas, inclusive as equiparadas (empresário e pessoa física igualada à pessoa jurídica), estão obrigadas a se inscrever na Receita Federal.

Todas as informações e documentação necessárias ao cadastro podem ser obtidas no site da Receita Federal.

Neste mesmo passo, escolha o regime tributário

regime de tributação é um sistema que estabelece a cobrança de impostos de cada CNPJ, de acordo com o montante da arrecadação anual e de vários outros fatores inerentes ao negócio, como por exemplo: porte, tipo de atividade exercida, faturamento, etc.

Há três tipos de regimes de tributação que podem ser adotados pelas empresas:

São eles:

  1. Simples Nacional;
  2. Lucro Presumido;
  3. Lucro Real.

Por se tratar de uma questão burocrática que, certamente, requer conhecimento técnico, indicamos que consulte um contador para identificar qual é o regime mais adequado para o seu empreendimento.

4° passo: providencie os seguintes documentos:

  • Fotocópia do IPTU do imóvel onde será a sede da empresa;
  • Contrato de locação registrado em cartório (se o imóvel for alugado), ou declaração do proprietário (quando o imóvel for cedido);
  • Fotocópia autenticada do RG e CPF/MF dos sócios;
  • Fotocópia autenticada do comprovante de endereço dos sócios.

Além disso, verifique as exigências do Conselho Regional quanto à elaboração do contrato social, especialmente sobre formação societária e responsabilidades técnicas.

5° passo: elabore o contrato social ou solicite a declaração de personalidade jurídica:

Para o registro da sociedade, é preciso elaborar e apresentar o contrato social da empresa na Junta Comercial. Esse contrato representa para a empresa (pessoa jurídica) o mesmo que a certidão de nascimento é para pessoas físicas.

O interessado em obter personalidade jurídica como empresário deverá seguir os mesmos passos relacionados no processo de constituição de uma sociedade empresária. Entretanto, em vez do contrato social, o deverá apresentar uma declaração própria exigida pela Junta Comercial.

Com sua empresa constituída, partimos para o segundo ponto.

2. Registre-se nos órgãos de registro competentes:

Registro na Junta Comercial

registro da sociedade empresária é feito na Junta Comercial e deve seguir os seguintes passos:

Após escolher o nome da empresarealizar a busca do nome e providenciar a documentação mencionada, você deverá providenciar 4 (quatro) vias de igual teor do contrato social, com todas as folhas rubricadas e as últimas folhas assinadas pelos sóciostestemunhas e advogado (micro ou pequenas empresas estão dispensadas da assinatura de um advogado).

São condições para o registro:

  • Localização conveniente do ponto comercial para farmácia sob o aspecto sanitário;
  • Instalações independentes e equipamentos de acordo com os requisitos técnicos adequados;
  • Assistência de farmacêutico em período integral.

Atenção: além disso, verifique eventuais exigências específicas que a Vigilância Sanitária municipal possa estabelecer, como o preenchimento de formulários e protocolos, por exemplo.

Registro na Vigilância Sanitária: AFE Anvisa

O comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos só pode ser exercido por empresas e estabelecimentos licenciados pelo órgão sanitário local competente. Por isso, para abrir uma farmácia, você deve solicitar a Autorização de Funcionamento (AFE Anvisa).

O pedido da AFE será acompanhado dos seguintes documentos:

  • Prova de constituição da empresa;
  • Relação contratual entre a empresa e seu responsável técnico, quando for o caso;
  • Prova de habilitação legal do responsável técnico, expedida pelo Conselho Regional de Farmácia (Certidão de Regularidade Técnica).

Confira também: AFE Anvisa: Saiba o que é e como solicitar?

Inscrição na prefeitura

Consulte a prefeitura local para obter informações sobre a inscrição da farmácia no cadastro de contribuintes.

Registro no Conselho Regional de Farmácia

Conforme indica a Lei 3.820/1960empresas e estabelecimentos com ocupações que necessitam de um profissional farmacêutico deverão provar, perante os Conselhos Federal e Regionais, que essas atividades são exercidas por profissionais habilitados e registrados.

Então, farmácia ou drogaria devem estar registradas no Conselho Regional de Farmácia (CRF) e comprovar que possuem farmacêuticos devidamente inscritos no CRF, que prestarão assistência farmacêutica em todo o horário de funcionamento dos estabelecimentos.

Para solicitar o registro no CRF é necessário apresentar:

  • Contrato social ou estatuto de constituição da empresa e alterações contratuais (se houver);
  • Requerimento de inscrição da empresa ao CRF (formulário específico);
  • Requerimento de assunção de responsabilidade técnica (formulário específico) com comprovação do vínculo empregatício.

Em seguida, o contrato social deverá ser entregue na Junta Comercial, juntamente com os demais documentos exigidos pelo órgão.

Após a análise dos documentos apresentados, com o processo deferido, o CRF emitirá a Certidão de Regularidade, documento que comprova que o estabelecimento está regular perante o órgão.

A Certidão de Regularidade é enviada via correio para a residência do farmacêutico responsável técnico pela farmácia.

Após o recebimento, o profissional deverá levar esse documento para a farmácia e afixá-lo em local visível para fins de fiscalização e comprovação da regularidade.

Feito isso, concluímos a fase legal para abertura de sua farmácia. Mas calma, não paramos por aí!

Confira agora o passo a passo operacional de como abrir uma farmácia.

Como abrir uma farmácia: FASE OPERACIONAL

1. Monte um Plano de Negócio

Plano de Negócio é, em resumo, o projeto de sua empresa. Nele, você deve abordar todos os detalhes que sustentam a abertura da farmácia.

E quais detalhes são esses?

  1. Capital;
  2. Estrutura, mobiliário e equipamentos;
  3. Público-alvo;
  4. Principais produtos e serviços;
  5. Local;
  6. Divulgação.

No nosso guia, você verá que estes 6 pontos se conectam entre si e são também os próximos passos para como abrir uma farmácia. Por isso, apresentamos abaixo um pouco mais de cada um deles.

2. Identifique o capital

Conta pra gente, qual é sua previsão de gasto inicial? E nos primeiros meses de funcionamento? Já tem disponibilidade financeira? Será necessário crédito adicional?

No caso do investimento inicial, são muitas as situações a considerar. Mas uma coisa é certa: você precisa identificar qual é o capital que possui para abrir a farmácia.

Portanto pesquise, estude e relacione todas as despesas que terá, por exemplo, com imóvel, instalações, equipamentos, contratações de serviços e de colaboradores, treinamento, documentação, legalização da empresa, etc.

Além disso, reserve uma boa quantia de dinheiro para imprevistos e lembre-se também do capital de giro para os primeiros meses de operação.

O dinheiro que precisará para pagar empregados, aluguel, despesas com luz, telefone e até mesmo o capital para suportar períodos iniciais com baixo volume de clientes, por exemplo, precisam entrar na conta.

abrir farmácia

3. Planeje a estrutura, escolha o mobiliário e os equipamentos

Existe até lei para este tópico, sabia?

A farmácia ou drogaria deve possuir uma área mínima de 20 m² para a dispensação. A sala para a realização de serviços, se houver, (como, por exemplo, para aplicação de injetáveis) deve possuir no mínimo 3 m².

Além disso, segundo a legislação vigente, as farmácias e drogarias devem ser localizadas, projetadas, dimensionadas, construídas ou adaptadas com infraestrutura compatível às atividades a serem desenvolvidas, possuindo ambientes para:

  • Atividades administrativas;
  • Recebimento;
  • Armazenamento dos produtos;
  • Dispensação de medicamentos;
  • Depósito de material de limpeza e sanitário.

No caso das farmácias com manipulação, além dos ambientes descritos acima, há outras exigências.

  • As áreas internas e externas devem permanecer em boas condições físicas e estruturais para permitir a higiene e não oferecer risco.
  • As instalações devem possuir superfícies internas (piso, paredes e teto) lisas e impermeáveis, em perfeitas condições, resistentes aos agentes sanitizantes e facilmente laváveis.
  • Os ambientes devem ser mantidos em boas condições de higiene e protegidos contra a entrada de insetos, roedores ou outros animais. Desratização e desinsetização, devem ser executadas por uma empresa licenciada para este fim.
  • As condições de ventilação e iluminação devem ser compatíveis com
    as atividades desenvolvidas em cada ambiente.
  • O estabelecimento deve possuir equipamentos de combate a incêndio em quantidade suficiente, conforme legislação específica.
  • O sanitário deve ser de fácil acesso, possuir pia com água corrente e dispor de toalha de uso individual e descartável, sabonete líquido, lixeira com pedal e tampa.
  • Deve existir um local específico para guarda dos pertences dos funcionários.
  • As salas de descanso e refeitório, quando existentes, devem estar separadas dos demais ambientes.
  • O estabelecimento deve ser abastecido com água potável e, quando possuir caixa d’água própria, a mesma deve estar protegida para evitar a entrada de animais de qualquer porte, sujidades ou quaisquer outros contaminantes. Além disso, deve-se definir procedimentos escritos para a limpeza da caixa d’água e manter os registros que comprovem sua realização.
  • O ambiente destinado aos serviços farmacêuticos deve ser diferente do destinado à dispensação e à circulação de pessoas, ou seja, o estabelecimento precisa dispor de espaço específico para esse fim.
  • O ambiente para prestação dos serviços que demandam atendimento individualizado deve garantir a privacidade e o conforto dos usuários, portanto, deve possuir dimensões, mobiliário e infraestrutura compatíveis com as atividades e serviços a serem oferecidos.
  • O acesso ao sanitário, caso exista, não deve se dar através do ambiente destinado aos serviços farmacêuticos.

Em relação ao mobiliário e aos equipamentos, além de seguir a legislação, pense estrategicamente.

Opte por mobília específica para farmácia, atente-se ao modelo farmacêutico de sua loja e não se esqueça de planejar um layout que agregue o estabelecimento.

Lembre-se: o ambiente precisa ser agradável para os clientes, de fácil mobilidade para os funcionários e, certamente, atender a legislação vigente.

4. Defina o público-alvo

Quem frequentará sua farmácia? Por que frequentará? Quantos serão estes clientes? Onde estão estes clientes e como chegar até eles? Como influenciar na decisão de frequentar sua farmácia? Como será sustentada a quantidade de clientes necessária para viabilizar a farmácia? Já pensou nos seus clientes?

mercado comprador deve ser estimado, o seu público deve ser conhecido pois, só assim, será possível identificar o melhor mix de produtos, principais serviços a oferecer e as estratégias mais eficientes para converter clientes e com isso, certamente, vender mais.

5. Defina os principais produtos e serviços

Produtos

Já definiu seu público e sabe o que ele mais compra? Analisou a concorrência, o que falta no mix de produtos de outras farmácias da região? E o que mais vende na praça, você sabe?

O objetivo aqui é: a lista de produtos e medicamentos vendidos em sua farmácia deve driblar a concorrência e atender às necessidades e desejos dos consumidores.

Além disso, você já deu uma olhadinha na legislação?

regulamentação para comercialização de produtos e medicamentos em drogarias e farmácias está publicada na Lei Estadual nº 12.623 de 25 de junho de 2007 e pela Anvisa em sua Instrução Normativa nº 9 de 17 de agosto de 2009.

É permitida às farmácias e drogarias a comercialização de medicamentos, plantas medicinais, drogas vegetais, cosméticos, perfumes, produtos de higiene pessoal, produtos médicos e para diagnóstico in vitro. Está previsto também o comércio de alguns alimentos para fins especiais.

E atenção: todos os produtos industrializados que são comercializados em farmácias devem estar regulares junto aos órgãos sanitários, ou seja: devem possuir registrocadastro ou notificação, conforme respectivas categorias.

Serviços

Aqui também contamos com a legislação, ok?

Conforme prevê a RDC 44/09, as farmácias drogarias podem prestar serviços farmacêuticos como, por exemplo, atenção farmacêuticaperfuração de lóbulo auricular para colocação de brincos, aferição de pressão arterial e glicemia administração de medicamentos via injetável e inalatória.

Para realizar esses serviços o estabelecimento deve estar devidamente licenciado pela Vigilância Sanitária no município.

Neste tópico, o estudo do mercado, ou seja, da concorrência, dos fornecedores e dos clientes em potencial será a principal chave para tomar as melhores decisões. Além disso, por se tratar de um estabelecimento de saúde, é muito importante também conhecer o perfil epidemiológico da região e, certamente, quais as principais patologias problemas de saúde pública do local onde sua farmácia estará instalada.

Saiba mais: Lista de Medicamentos para Abrir uma Farmácia!

6. Escolha o melhor local

Antes de alugar um imóvel para abertura e montagem de sua farmácia, observe os seguintes detalhes:

  1. Certifique-se de que o imóvel atende às suas necessidades operacionais, como por exemplo: localização, capacidade de instalação, se é atendido por serviços de água, luz, esgoto, telefone etc. Além disso, veja se o local é de fácil acesso, se possui estacionamento para veículos, local para carga e descarga de mercadorias e se possui serviços de transporte coletivo;
  2. Cuidado com imóveis situados em locais sujeitos a inundações ou próximos às zonas de risco;
  3. Verifique se o imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais, pois isso pode interferir ou impedir sua futura atividade;
  4. Confira a planta do imóvel aprovada pela Prefeitura e veja se não houve nenhuma obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo a área primitiva, pois esta deverá estar devidamente regularizada;

Além disso, verifique na prefeitura:

  • O imóvel está regularizado?
  • As atividades a serem desenvolvidas no local respeitam a Lei de Zoneamento do município? Pois alguns tipos de negócios não são permitidos em qualquer bairro.
  • Os pagamentos do IPTU referente ao imóvel encontram-se em dia?
  • No caso de serem instaladas placas de identificação do estabelecimento, será necessário verificar o que determina a legislação local.

6. Divulgue sua farmácia

Sem dúvidas, a primeira imagem que será transmitida aos seus clientes irá influenciar totalmente em como a sua farmácia será conceituada.

Pense em sua farmácia como uma novidade que precisa ser ampla e estrategicamente divulgada. Portanto, destine um bom orçamento para o marketing de sua loja e divulgue MUITO!

Além disso, não deixe de conferir ideias para inauguração de farmácia e atente-se à Legislação para Propaganda de Farmácia.

Fonte: Reprodução Panorama Farmacêutico.

Teste de HIV na farmácia: como o farmacêutico pode orientar o paciente

teste de HIV na farmácia

O teste de HIV na farmácia é um grande aliado na luta contra a AIDS. O tratamento precoce pode contribuir para que a pessoa viva anos sem complicações relacionadas à infecção. O TLR avalia qualitativamente a presença de anticorpos circulantes do HIV.

A acessibilidade de teste de HIV na farmácia apresenta uma oportunidade única para os farmacêuticos contribuírem para o rastreamento e oportuno encaminhamento de pessoas sem diagnóstico.

O vírus HIV é o causador da AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) e pode ser transmitido pelo contato com sangue, sêmen ou fluidos vaginais infectados.

Segundo o UNAIDS, cerca de 6 milhões de pessoas não sabiam que estavam vivendo com HIV em 2020 e cerca de 1,5 milhões de pessoas foram infectadas por HIV em 2020.

Esses dados demonstram a necessidade de ações e acessibilidade para encorajar pessoas que estão em risco substancial de HIV a realizar o teste com mais frequência. 

Apesar da infecção pelo vírus ainda não ter cura, se o tratamento adequado for instituído precocemente, a evolução da infecção é lenta, e a pessoa pode viver anos sem complicações relacionadas à infecção.

Se todas as pessoas com HIV estiverem cientes de sua infecção e receberem o tratamento que precisam, infecções por HIV serão bastante reduzidas.

A possibilidade de realizar o autoteste em casa ou o teste de HIV nas farmácias contribui para tornar o teste simples, acessível e rotineiro.

O papel do teste de HIV na farmácia

Diferente dos autotestes, a realização do teste de HIV na farmácia para detecção qualitativa de anticorpos circulantes do HIV permite ao paciente receber um atendimento conduzido por um profissional de saúde, orientações e cuidados de forma mais assertiva e eficaz.

Existem dois tipos de teste de HIV na farmácia

  • Pesquisa de anticorpos em sangue total (amostra do sangue total obtido por punção capilar);
  • Pesquisa de anticorpos em amostra de saliva obtida com swab oral.

Tendo o resultado em mãos e analisando as condições clínicas apresentadas pelo paciente, é possível realizar a orientação e/ou encaminhamento mais adequado, facilitando a tomada de decisão.

Para quem é o Teste Rápido?

  • Indicado como rastreamento em pacientes com sinais e sintomas sugestivos de infecção por HIV, como: febre, diarreia, mal-estar, dor de garganta, dor muscular, cansaço, suores noturnos, entre outros.
  • Para pessoas assintomáticas com fatores de risco ou exposição de risco há pelo menos 30 dias: sexo desprotegido, uso de drogas injetáveis, pessoas que utilizam instrumentos não-esterilizados, colocação de piercing ou tatuagem, acidentes de trabalho com perfurocortantes, profissionais do sexo, entre outras.
  • Gestantes que não tenham sido testadas durante o pré-natal ou cuja idade gestacional não assegure o recebimento do resultado do teste antes do parto.

O Ministério da Saúde ainda recomenda para pessoas sexualmente ativas que os testes para HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis sejam feitos periodicamente, portanto os testes podem e devem ser repetidos.

Para quem o teste de HIV na farmácia não é indicado

Teste não indicado a pessoas que já foram diagnosticadas com HIV, que estão em tratamento para a doença ou que foram expostas à situação de risco para infecção há menos de 30 dias para evitar falsos-negativos por janela de soroconversão. 

Preparo do paciente para o teste de HIV em farmácia

Ao receber o paciente, é fundamental compartilhar algumas informações com o propósito de garantir que o paciente entenda o significado do teste.

Os principais pontos para esta etapa são:

  • Apresentar-se para o paciente;
  •  Fornecer uma breve visão geral do procedimento, incluindo o tempo estimado, o processo para a realização do teste e como o resultado será apresentado;
  • Reforçar o sigilo da testagem;
  • Obter a concordância para prosseguir com o procedimento.

Esta etapa é importante para construir o relacionamento com o paciente e estabelecer as expectativas do que pode acontecer durante o processo.

Procedimento do teste

Nesta etapa, forneça ao paciente informações básicas sobre o teste. É importante se comunicar de maneira simples e clara para que todas as informações sejam compreendidas.

Este também é o momento de responder a quaisquer dúvidas que possam surgir sobre o procedimento.

Lembre-se que os testes devem sempre ser realizados seguindo as instruções de acordo com as particularidades do teste utilizado na sua farmácia.

Antes de coletar a amostra, explique particularidades do teste de HIV, incluindo:

  • Tipo de teste usado;
  • Amostra que será coletada (sangue ou oral);
  • Tempo de espera estimado para o resultado do teste ficar pronto;
  • O significado dos resultados reagente, não reagente e a possibilidade de resultado inválido;
  • Janela imunológica;
  • Diferença entre HIV e AIDS;

Após isso, colete a amostra e prossiga com o teste. Enquanto o paciente espera o tempo necessário para obter o resultado, o teste pode ser colocado de lado para que o paciente não se distraia ou fique ansioso assistindo a amostra correr.

Tempo de espera pelo resultado 

Este momento pode ser utilizado para conduzir uma breve triagem de risco para compreender melhor o risco de HIV do paciente. Você pode começar perguntando por que ele decidiu ser testado e obter informações adicionais sobre risco imediato, recente ou contínuo.

Os principais pontos são:

  • Perguntar por que o paciente decidiu ser testado, ouvir e questionar o histórico de testes anteriores e indicadores de risco aumentado;
  •  Avaliar o conhecimento do paciente sobre a transmissão do HIV, fornecer informações precisas como os cuidados necessários para evitar a contaminação;
  • Confirmar a disponibilidade do paciente para receber o resultado.

Se o paciente não estiver pronto para ouvir o resultado, envolva-o em uma discussão sobre as razões pelas quais ele não se sente pronto. Forneça motivação e suporte, lembrando da importância de saber o resultado para tomar decisões sobre a sua saúde.

Entrega do resultado

Ao entregar o resultado,  dê uma explicação clara do resultado. Este também é o momento para desenvolver um plano de cuidados e prevenção com base no resultado do teste.

Os passos gerais desta etapa devem ser semelhantes para clientes que recebem um resultado de teste reagente e não reagente, mas as tarefas específicas são diferentes com base em seus resultados.

Como orientar o paciente com resultado não reagente?

Para os pacientes que relataram exposição recente conhecida ou possível ao HIV, é necessário considerar o período de janela imunológica associado ao teste que foi utilizado e um novo teste deve ser recomendado.

Você pode dizer “O resultado do teste não mostra sinais da infecção pelo HIV. No entanto, já que você mencionou uma possível exposição recente, eu gostaria de recomendar que você seja testado novamente em 30 dias.

Pessoas com resultado não reagente, porém com sinais e sintomas de infecção aguda devem ser encaminhados para o médico. Neste momento, é importante enfatizar a necessidade de usar proteção até o momento da infecção aguda ser descartada.

Os principais pontos são:

  •  Discutir a necessidade de um novo teste com base no período de janela de teste usado e o risco do cliente;
  • Enfatizar as principais estratégias de redução de risco que o ajudarão a permanecer soronegativo.

Como orientar o paciente com resultado reagente?

O resultado reagente é interpretado como um teste preliminar positivo. É necessário informar ao paciente de que o resultado não é um diagnóstico, embora seja sugestivo de infecção. 

Esse paciente deve ser encaminhado ao médico porque outros testes são necessários para confirmar o diagnóstico.

Você pode prestar atenção na reação ao receber o resultado e se necessário usar efetivamente o silêncio para expressar empatia e dar ao cliente espaço para absorver esta nova informação. É importante atender às necessidades imediatas do cliente antes de prosseguir com as outras tarefas.

O seu objetivo principal deve ser conectar o paciente com cuidados médicos e outros serviços de acompanhamento. Não deixe que o paciente saia do consultório sem ser orientado sobre os próximos passos.

Os principais pontos são:

  • Aconselhar sobre as próximas etapas para o teste de acompanhamento, incluindo a importância do tratamento para HIV;
  • Enfatizar as principais estratégias de redução de risco que evitarão a transmissão;
  • Discutir a necessidade de o parceiro também ser testado.

Tratamento do HIV

O tratamento antirretroviral (TARV) é indispensável e recomendado para todas as pessoas com HIV, independentemente do tempo de diagnóstico ou do quanto são consideradas  saudáveis.

Pessoas com resultado reagente precisam ser alertadas sobre a significância de seguir o  tratamento que será prescrito caso a infecção seja confirmada.

Pessoas com diagnóstico de HIV que seguem o tratamento conforme prescrito podem manter uma carga viral indetectável e permanecer saudáveis. Indivíduos com carga viral efetivamente indetectável ​​não têm risco de transmitir o HIV aos seus parceiros sexuais HIV negativos.

Carga viral indetectável: significa ter uma carga viral muito baixa (menos de 200 cópias do HIV por mililitro de sangue).

Notificação do Resultado

A infecção causada pelo HIV é de notificação compulsória, de modo que uma vez confirmado o diagnóstico, deve-se notificar a secretaria de vigilância epidemiológica do município, conforme regulamentação específica (Portaria de consolidação MS/GM nº 4, de 28 de setembro de 2017).

Importante

Se você oferece teste de HIV na farmácia, certifique-se de estar preparado para atender essa demanda. O rastreamento em HIV pode ser o primeiro passo para o cuidado contínuo do paciente.

Informe-se sobre os lugares para os quais você pode encaminhar o paciente, fique atento a publicações e manuais técnicos, e garanta sempre o sigilo profissional.

Testes Rápidos Clinicarx

Com serviço de Testes Rápidos do Clinicarx, você pode realizar Testes Laboratoriais Remotos (TLR), com todo suporte do nosso Laboratório Clínico Central, e assim obter um laudo laboratorial válido para entregar ao seu paciente. 

Conheça nossos planos e participe do movimento que está mudando a história da farmácia no Brasil.

Técnicas de venda para farmácias: testes rápidos

técnicas de venda para farmácias

Veja como agregar valor no atendimento do balcão e conheça as técnicas de venda para farmácias e aprenda vender testes rápidos de interesse ao cliente.

Os serviços de atenção farmacêutica são um conjunto de serviços que fornecem assistência farmacêutica, auxiliando as pessoas na promoção e proteção da saúde, detecção de riscos, autocuidado, adesão e acompanhamento de tratamentos.

Oferecer serviços é ter oportunidade de impactar e beneficiar a saúde dos clientes, ser um profissional reconhecido, gerar nova receita com prestação de serviços e ter oportunidade de aumentar o faturamento da sua farmácia.

Uma estrutura sustentável desses serviços de atenção farmacêutica é uma combinação entre o valor em saúde que você entrega e técnicas de venda para farmácias manterem e agregarem renda.

Se você já passou pela fase de estruturação da sala para serviços farmacêuticos, o próximo passo é tornar o seu negócio rentável financeiramente e aproveitar ao máximo o espaço e o dinheiro investido.

Não existe uma fórmula mágica para fazer isso acontecer, porém um bom começo é entender o valor que você entrega com o seu serviço e quais sãos os clientes que podem se beneficiar.

Pensando nisso, separamos aqui algumas técnicas de venda para farmácias com o objetivo de que aproveite as oportunidades diárias e aprenda a oferecer testes rápidos que podem ser facilmente vendidos agregando valor ao atendimento e cuidado com a saúde do paciente.

Vamos abordar os principais testes rápidos de acompanhamento ou rastreamento em saúde de doenças com alta prevalência e os benefícios de cada teste.

Teste Rápido de Perfil Lipídico: o que saber para vender

O teste rápido de perfil lipídico é um teste que permite a quantificação de diferentes frações lipídicas no sangue do indivíduo: colesterol total, HDL-C, LDL-C, Não-HDL-C e triglicerídeos.

Qual é o benefício que o cliente ganha ao fazer o teste?

A doença cardiovascular (DCV) é a principal causa de morte no Brasil e o número total está aumentando principalmente devido ao envelhecimento e ao adoecimento da população.

As dislipidemias (níveis elevados de lipídios no sangue) representam importante fator de risco cardiovascular e hipertrigliceridemia (níveis elevados de triglicerídeos no sangue) é fator de risco independente para a DCV, em especial doença arterial coronariana (DAC). 

A identificação dos indivíduos assintomáticos com maior predisposição à DCV é crucial para a prevenção efetiva com a correta definição das metas terapêuticas. 

O acompanhamento de pessoas em tratamento também é importante para avaliar eficácia do tratamento e alcance das metas terapêuticas estabelecidas de acordo com o risco cardiovascular de cada paciente.

Quando você oferece o teste rápido de perfil lipídico, você oferece oportunidade de cuidado com a saúde, avaliação do perfil do paciente e define plano de cuidado adequado, que pode ser encaminhamento médico e/ou medidas não-farmacológicas.

Técnicas de venda para farmácias que oferecem o teste rápido de perfil lipídico

As estatinas são as medicações de primeira escolha para o tratamento da hipercolesterolemia (colesterol alto).

Sabendo isso, um ponto é certo: o teste pode ser oferecido para todos que procuram a farmácia para comprar esses medicamentos.

Se você vivencia a rotina de uma farmácia, você certamente sabe que as vendas de estatinas (sinvastatina, rosuvastatina, atorvastatina, entre outras) são diárias.

Os clientes que compram esses medicamentos são potenciais clientes para o teste rápido de perfil lipídico.

A venda de fibratos (exemplos: ciprofibrato e fenofibrato) e ômega 3 também são muito comuns e pode ser mais um momento para oferecer o teste. 

Outros clientes que podem se beneficiar muito desse serviço são pacientes diabéticos. Isso porque essas pessoas têm, no mínimo, risco cardiovascular intermediário.

O ideal é conversar com o cliente que está comprando o medicamento, perguntar como é o acompanhamento médico e a rotina de exames para, se necessário, oferecer o teste e explicar os riscos da DCV e os benefícios que ele pode ter ao ser atendido por você.

Você já percebeu também que as técnicas de venda para farmácias precisam ter o foco no paciente, suprir uma necessidade e agregar valor em saúde para ele, de forma integral e que faça sentido. 

Teste rápido de Glicemia

O Teste Rápido de Glicemia determina a concentração de glicose em amostra de sangue total. Esse teste é a principal ferramenta para rastreamento do diabetes mellitus e para acompanhamento dos resultados do tratamento.

Qual é o benefício que o cliente ganha ao fazer o teste??

Realizar o teste em paciente sem diagnóstico prévio de diabetes é de grande importância porque o rastreamento está diretamente ligado à possibilidade de encaminhamento médico para diagnóstico e tratamento precoces.

Essa identificação precoce minimiza os riscos de desenvolvimento de complicações, principalmente microvasculares. Dessa maneira, o cliente se beneficia muito quando realiza o rastreamento do Diabetes Mellitus e é avaliado pelo farmacêutico.

Pessoas com sobrepeso ou obesidade, hipertensão arterial e com história familiar de Diabetes Mellitus 2 sem diagnóstico devem ser testadas para rastreamento do diabetes. 

Além disso, as pessoas com diagnóstico e em tratamento também podem realizar o teste com o objetivo de acompanhar a evolução do controle glicêmico.

Nesses casos, o teste viabiliza a análise da efetividade e segurança do tratamento farmacológico e não-farmacológico.

Essa análise é significativa porque o objetivo do tratamento é manter o nível de glicose dentro da meta terapêutica, portanto essa é uma maneira de saber se o objetivo está sendo alcançado para que futuras complicações sejam evitadas.

Como agregar o teste rápido de glicose na venda de medicamentos

Você, farmacêutico, pode oferecer o teste rápido para pacientes que já buscam a sua farmácia com a intenção de realizar o teste de glicemia. 

Aproveitar a oportunidade da venda diária de medicamentos para o tratamento do diabetes também pode ser utilizada para oferecer o teste na farmácia para que o farmacêutico faça a avaliação do paciente que está em tratamento.

Essa avaliação e o acompanhamento do paciente com Diabetes Mellitus pode ser um diferencial que auxilia no tratamento farmacológico devido à facilidade de acesso às farmácias que oferecem testes rápidos. 

Além disso, há outras maneiras de identificar a necessidade de realização desse teste e oferecer ao cliente.

Pessoas que chegam na farmácia à procura de produtos para auxiliar a perda de peso podem se beneficiar ao realizar o teste de glicemia para agregar informação e avaliar o estado de saúde.

Técnicas de venda para farmácias também envolvem o processo de acolher, avaliar e aconselhar, por isso, conheça melhor seu paciente e identifique o porquê do teste ser recomendado para ele e o benefício que ele pode ganhar com o procedimento.

Teste rápido de Hemoglobina Glicada (HBA1c)

A hemoglobina glicada (Hb1Ac) é a fração da hemoglobina que se liga à glicose. O Teste Rápido de Hemoglobina Glicada mede a quantidade desse componente em sangue total.

Por que é importante saber o resultado do teste da Hb1Ac?

A quantificação dos níveis de HbA1c também é utilizada, de forma complementar aos testes de glicemia de jejum e TOTG, para o diagnóstico de Diabetes Mellitus e acompanhamento do tratamento.

A realização deste teste é imoprtante porque a Hb1Ac é considerada o melhor parâmetro preditor de complicações crônicas do DM e deve ser utilizada como parte do arsenal disponível para avaliação do controle glicêmico.

A determinação da HbA1c possibilita estimar quão elevadas as glicemias estiveram nos últimos 3 a 4 meses, portanto é um índice relevante tanto para diagnóstico quanto para avaliação e acompanhamento do paciente diabético e para o manejo terapêutico.

Ainda vale ressaltar que o exame de Hb1Ac é considerado padrão-ouro para acompanhamento do paciente com diabetes, com objetivo de acompanhar a evolução do controle glicêmico.

Como vender esse teste rápido na sua farmácia

A Sociedade Brasileira de Diabetes recomenda que o exame HBA1c seja realizado ao menos duas vezes ao ano em adultos com controle estável. No entanto, há evidência de maiores benefícios com a medida trimestral da HbA1c. 

Pergunte ao seu paciente há quanto tempo ele não faz o acompanhamento glicêmico e explique a importância desse acompanhamento focando na prevenção de futuras complicações.

A combinação dos índices de HbA1c e testes de glicemia fornecerá aos pacientes e médicos as informações que necessitam para avaliar continuamente a eficácia da terapia para o diabetes.

Técnicas de venda para farmácias não são mágica ou uma regra aplicável a qualquer situação. A venda cruzada de produtos precisa fazer sentido e suprir as necessidades do seu paciente.

 

*Esse artigo foi revisado pelo corpo técnico da Clinicarx.

Como fazer uma anamnese farmacêutica na farmácia

anamnese farmacêutica

A anamnese farmacêutica é indicada para profissionais da saúde, farmacêuticos, para guiar a o atendimento clínico e entrevista do paciente.

A anamnese farmacêutica pode resultar em diversas intervenções, tais como a prescrição de medicamentos, a solicitação de exames ou até mesmo ao encaminhamento para outros profissionais de saúde.

Ao receber o paciente para a consulta na farmácia, o profissional de saúde deve realizar uma anamnese para:

  • Acolher e identificar as necessidades de saúde do paciente;
  • Proceder a avaliação do paciente, identificando eventuais problemas de saúde;
  • Definir a conduta apropriada, fazer a prescrição farmacêutica (quando necessário) para produtos cuja venda é isenta de receita médica, orientar e encaminhar o paciente, conforme o caso;

O que o farmacêutico deve buscar solucionar na consulta

A consulta farmacêutica é o serviço voltado ao acolhimento das necessidades do paciente, sensíveis ao cuidado farmacêutico.

O objetivo deve ser claro: avaliação e recomendação de tratamentos para  problemas de saúde autolimitados, atuando também na prevenção e promoção do bem-estar.

O resultado da consulta farmacêutica pode ser a prescrição de um tratamento ao paciente, bem como seu encaminhamento para assistência médica, nos casos considerados mais graves.

A prescrição farmacêutica pode conter produtos industrializados, formulações magistrais e medidas não farmacológicas.

Os principais objetivos da consulta farmacêutica são:

Alívio de sinais e sintomas para problemas de saúde autolimitados

Promoção do bem-estar e qualidade de vida, observada por relato do paciente

Prevenção de doenças, por meio de melhoria de parâmetros fisiológicos ou de nutrição

Promoção do autocuidado, incluindo uso de dispositivos para automonitorização da saúde

Reconhecimento de situações que requeiram atendimento médico, por meio de sinais de alerta

Identificação de necessidades de saúde que requeiram outros serviços farmacêuticos

A Anamnese Farmacêutica

O paciente, quando procura uma consulta com um profissional de saúde, traz a expectativa de resolver seus problemas e obter melhora do seu estado de saúde geral.

Por isso, normalmente o motivo da consulta gira em torno de um ou dois problemas centrais, que serão identificados durante a anamnese farmacêutica. 

Como, por exemplo: 

“Minha pressão não controla de jeito algum. Acho que esses remédios não estão funcionando”; “depois que troquei meus medicamentos estou com uma tosse danada”; “o que me incomoda muito é meu intestino preso. Você pode me ajudar a resolver?”.

Registre as queixas sempre com uma frase curta que descreva o problema e sua duração, se possível. Por exemplo: “pressão arterial não controlando”, “Tosse com suspeita de reação adversa” ou “intestino preso há meses”.

Perceba que em todas as situações mencionadas a informação inicial apresentada pelo paciente não é suficiente para uma tomada de decisão. Então o que perguntar depois?

Existem perguntas que são direcionadas a condições clínicas específicas, portanto anamneses específicas, mas de um modo geral elas derivam de uma mesma ideia geral: 

  • Caracterizar melhor os problemas, sinais e sintomas de um paciente, a fim de estabelecer um plano de cuidado factível e individualizado para resolvê-los da melhor forma possível.

Existem diversos métodos descritos na literatura para estruturar o atendimento clínico. 

Apesar das diferenças terminológicas e organização dos dados, todas elas partem de um raciocínio em comum: é necessário coletar dados do paciente, de uma maneira estruturada, a fim de definir os problemas a serem resolvidos e estabelecer um plano de cuidado em conjunto com o paciente.

Após isso, é necessário acompanhar a evolução clínica geral do paciente. Perceba que se trata de um ciclo, que se reinicia a cada consulta.

anamnese farmacêutica

Para fazer a anamnese farmacêutica dos problemas expostos pelo paciente durante a avaliação, sugerimos que você avalie sete postos-chave, derivados do processo semiológico para conduzir o levantamento da história da doença atual. 

Eles vão te ajudar a entender o que está acontecendo com o paciente para que, assim, vocês possam estabelecer um plano de cuidado eficaz.

Fazendo uma anamnese farmacêutica com a Clinicarx

Na Clinicarx você pode registrar sua anamnese para problemas menores de dois modos diferentes. 

É possível escolher uma anamnese recomendada pela Clinicarx, pelo administrador da rede ou você ainda pode criar uma nova anamnese, que poderá ser salva e utilizada futuramente

As respostas para as perguntas exibidas pela seleção da anamnese ficam salvas no histórico do paciente. Essa anamnese pode ou não gerar uma DSF a ser entregue ao paciente, mediante geração intencional do documento.

Ainda é possível utilizar dados coletados na consulta para realizar uma prescrição farmacêutica: digite o motivo da consulta, sinais e sintomas relatados pelo paciente, para que o software indique tratamentos que você pode recomendar, já prontos para serem prescritos. É a tecnologia SmartRx.

Na tela de encerramento do atendimento existe um campo de texto livre para que você, se desejar, registre informações importantes antes de encerrar o atendimento. Essas informações também ficarão salvas no histórico de atendimentos.

7 pontos chave da anamnese farmacêutica: história da doença atual (HDA)

  1. Tempo: início, duração e frequência dos sinais ou sintomas.
  2. Localização: área precisa dos sintomas.
  3. Qualidade ou característica: termos descritivos específicos sobre os sintomas (exemplo: dor “aguda”, “em pontadas”).
  4. Quantidade ou gravidade: grau de impacto dos sintomas sobre o paciente, considerando bem-estar, comprometimento das atividades diárias, nível da dor  (leve, moderado ou grave).
  5. Ambiente: o que o paciente estava fazendo quando os sintomas começaram? Algo mudou na rotina? (exemplo: o paciente começou a sentir dor no peito durante o exercício ou “essa dor de cabeça começou desde que mudei de emprego”)
  6. Fatores que agravam ou que aliviam: fatores que fazem com que o sintoma piore ou que o alivie (por exemplo, dor de cabeça que piora com a luz; tosse que piora ao deitar; dor no peito que melhora com repouso)
  7. Sintomas associados: outros sintomas que ocorrem com os sintomas primários (por exemplo, dor no peito que é acompanhada por dor no braço; diarreia acompanhada por dor abdominal; dor de cabeça acompanhada de náuseas)

Motivo da consulta e anamnese são para qualquer tipo de atendimento?

Na verdade sim, mas muda o modelo de anamnese. O uso mais comum desta ferramenta é quando o paciente informa uma queixa, como um sinal, um sintoma, algum problema de saúde que requer cuidados. 

Mas a técnica também se aplica a atendimento para outros motivos de consulta, por exemplo: “revisão dos medicamentos”, “Aconselhamento sobre tabagismo” ou “Avaliação da carteira de vacinação”.

Nos casos em que o motivo da consulta não é propriamente uma queixa, a anamnese deverá sofrer adaptações, e diferentes ferramentas podem ser usadas para “compor” essa anamnese sob medida para o caso.

Por exemplo, em consultas para revisão dos medicamentos,  sua anamnese será mais focada no perfil farmacoterapêutico do paciente, isto é, nas doenças e medicamentos.  

No aconselhamento sobre tabagismo, sua anamnese irá se apoiar em avaliação da dependência nicotínica, razões para fumar, tentativas de cessação, etc. 

No caso da vacinação, a anamnese irá resgatar vacinas tomadas, doses esquecidas, situação vacinal atual. E assim por diante.

anamnese farmacêutica

Diferente de outras ferramentas, no caso da anamnese de um sinal ou sintoma não existe uma interpretação única, “como uma receita de bolo”.

Ela vai depender do raciocínio, do conhecimento clínico do profissional  e das informações fornecidas pelo paciente. 

A anamnese farmacêutica deve terminar com a definição de uma possível causa, evidência ou tratamento que será fundamental para a definição de um plano de cuidado adequado ao paciente.

Ofereça um atendimento completo com serviços de atenção farmacêutica aos seus clientes.

Com a Clinicarx, ainda é possível imprimir documentos importantes como Declaração de Serviço Farmacêutico (DSF), relatórios de acompanhamento e avaliação para entregar ao paciente. 

 

*Esse artigo foi revisado pelo corpo técnico da Clinicarx.

 

Acompanhamento de gestante na farmácia

acompanhamento de gestante na farmácia

O acompanhamento de gestante na farmácia é um serviço que os farmacêuticos podem oferecer para garantir ainda mais segurança na monitorização da saúde da gestante.

A gestação pode durar até 42 semanas e provoca dezenas de mudanças, decorrentes de causa multifatorial, no corpo de uma mulher. Tudo com um único objetivo: gerar um novo ser humano. 

A dúvida sobre a gravidez geralmente está associada ao atraso menstrual, mas algumas mulheres podem apresentar alguns sintomas como: sensibilidade ou dor nas mamas, náusea, fadiga, sonolência, entre outros.

O diagnóstico clínico da gravidez é feito pelo médico e consiste na associação entre a história clínica da paciente, anamnese e os resultados laboratoriais confirmatórios. Para rastreamento, existe o teste de urina e testes rápidos de β-HCG – ambos podem ser encontrados na farmácia.

O farmacêutico que realiza os testes rápidos de β-HCG oferece uma opção altamente vantajosa para quem busca atendimento de saúde de qualidade e segurança, e ganha potenciais pacientes para o serviço de acompanhamento de gestante na farmácia. 

Por que oferecer acompanhamento de gestante na farmácia?

A grande transformação pela qual a mulher passa durante a gestação implica na necessidade de diferentes acompanhamentos. O trabalho multiprofissional é fundamental para garantir que a gestante receba  cuidados integrais.

Isso porque as mudanças no organismo de uma gestante podem provocar alguns distúrbios que resultam em doenças ou risco de vida para a mãe e para o feto. 

Exemplos: os distúrbios hipertensivos da gestação constituem algumas das principais causas de mortalidade materna e perinatal em todo o mundo e o Diabetes Mellitus (DM) pode acometer até 25% das gestantes

Além disso, existe uma alta taxa de mulheres grávidas que relatam enjoos, azia e constipação durante o período gestacional. Esses desconfortos podem ser fontes para automedicação.

Neste contexto, o farmacêutico pode ser um profissional chave para alertar quanto à segurança do uso dos medicamentos e fazer orientações adequadas para as gestantes.

Esses fatos destacam a importância do acompanhamento de gestante na farmácia. O serviço colabora com o trabalho médico, mas não substitui o pré-natal e tem por objetivo acompanhar a gestação do início ao fim, considerando condições clínicas presentes na paciente antes da gestação e condições que possam surgir durante a gestação.

Acompanhamento dos valores glicêmicos

Devido à alta taxa de DM na gravidez e às complicações que a descompensação da glicemia pode causar, o acompanhamento de gestante na farmácia junto à avaliação glicêmica é indispensável e favorece a diminuição do risco de malformação fetal.

De modo geral, a DMG é detectada entre a 24ª e a 28ª semanas de gestação, a partir da realização do teste oral de tolerância à glicose (TOTG) quando o resultado revela resultados anormais.

Esse teste é recomendado para toda mulher sem diagnóstico prévio de DM  ou de DMG no período gestacional citado anteriormente.

O diagnóstico de diabetes gestacional estabelecido se dá quando no mínimo um dos valores a seguir encontrar-se alterado:

  • Glicemia em jejum ≥ 92 mg/dL;
  • Glicemia 1 hora após sobrecarga ≥ 180 mg/dL;
  • Glicemia 2 horas após sobrecarga ≥ 153 mg/dL.

As gestantes que não conseguem controlar os valores glicêmicos adequadamente com dieta e atividade física têm indicação para uso de insulinoterapia.

Esse é um ponto de atenção para o acompanhamento de gestante na farmácia: educação sobre o uso de insulina e o rodízio dos locais de aplicação. 

Fatores de risco para DMG

• Idade materna avançada;
• Sobrepeso, obesidade ou ganho excessivo de peso na gravidez atual;
• Deposição central excessiva de gordura corporal;
• História familiar de diabetes em parentes de primeiro grau;
• Crescimento fetal excessivo, polidrâmnio, hipertensão ou pré-eclâmpsia na gravidez atual;
• Antecedentes obstétricos de abortamentos de repetição, malformações, morte fetal ou neonatal, macrossomia ou DMG;
• Síndrome de ovários policísticos;
• Baixa estatura (inferior a 1,5 m).

As mulheres com DM pré-gestacional, tanto tipo 1 como tipo 2, devem ser alertadas sobre a importância de um controle glicêmico estreito antes da concepção. 

Recomenda-se, ainda, HbA1c < 6,5% para menor risco de anomalias congênitas e a HbA1c deve ser medida pelo menos uma vez a cada trimestre. 

A avaliação e reavaliação de pacientes gestantes é relevante ao passo em que durante a gestação as inúmeras mudanças podem levar ao desenvolvimento de comorbidades e ao agravo de condições pré-existentes, o que pode requerer novas e diferentes intervenções em saúde.

Para mulheres que desenvolveram DM na gestação, a monitorização da glicemia capilar é recomendada quatro vezes ao dia: em jejum e após as três principais refeições (desjejum, almoço e jantar). 

Segundo as Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, as metas dos níveis glicêmicos para glicemia capilar na gestante são:

  •  Jejum < 95 mg/dL.
  • 1 hora pós-prandial < 140 mg/dL.
  •  2 horas pós-prandial < 120 mg/dL.

Testes rápidos e checkups de glicemia capilar são ferramentas essenciais para o acompanhamento de gestante na farmácia.

Acompanhamento dos valores da pressão arterial 

O acompanhamento dos valores da pressão arterial é fundamental porque estima-se que a pré-eclâmpsia (PE) complica de 2 a 8% das gestações globalmente.

Define-se hipertensão gestacional a pressão arterial sistólica (PAS) ≥140 mmHg e/ou pressão arterial diastólica (PAD) ≥90 mmHg em mulher com PA previamente normal, após 20 semanas de gestação, medida em duas ocasiões com pelo menos 4 horas de intervalo.

De acordo com as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, a meta do controle da hipertensão arterial na gestação deve ser a PAS > 120 e < 160 mmHg, e  PAD > 80 e < 110 mmHg, já que tanto a hipertensão quanto a hipotensão induzida podem prejudicar a perfusão placentária e, consequentemente, o crescimento fetal.

O serviço de medida da pressão arterial é um serviço farmacêutico básico, mas com grande poder de impactar a saúde das gestantes.  

Medicamentos na gestação

A automedicação na gestação deve ser fortemente desencorajada uma vez que o risco-benefício deve sempre ser avaliado por um profissional habilitado. 

É necessário analisar a segurança para a mulher e para o feto porque existe alta probabilidade de danos como, por exemplo, malformação congênita  e aborto.

Algumas medidas não-farmacológicas que podem ser úteis para o manejo de alguns sintomas:

  1. Enjoo: alimentar-se em pequenas quantidades, a cada 2 ou 3 horas e dar preferência para alimentos frios e secos, especialmente pela manhã.
  2. Azia: fazer refeições pequenas e com baixo teor de gordura; evitar cafeína e bebidas gasosas.
  3. Constipação intestinal: ingerir de 2 a 3 litros de água diariamente e alimentos ricos em fibras.

Para mulheres que necessitam fazer o uso de medicamentos, a análise da segurança é imprescindível. 

A Food and Drug Administration (FDA) classifica os medicamentos em 5 categorias de acordo com o risco do uso na gravidez. As categorias de risco são A, B, C, D e X.

Classificação do uso de medicamentos durante a gestação e as características da segurança do medicamento

  • A: em estudos controlados em mulheres grávidas, o fármaco não demonstrou risco para o feto no primeiro trimestre de gravidez. Não há evidências de risco nos trimestres posteriores, sendo remota a possibilidade de dano fetal;
  • B: os estudos em animais não demonstraram risco fetal, mas também não há estudos controlados em mulheres grávidas; ou os estudos em animais revelaram riscos, mas não foram confirmados em estudos controlados em mulheres grávidas;
  • C: não foram realizados estudos em animais e nem em mulheres grávidas; ou os estudos em animais revelaram risco, mas não existem estudos disponíveis realizados em mulheres grávidas.
  • D: o fármaco demonstrou evidências positivas de risco fetal humano. No entanto, os benefícios potenciais para a mulher podem, eventualmente, justificar o risco, como, por exemplo, em casos de doenças graves ou que ameaçam a vida, e para as quais não existam outras drogas mais seguras;
  • X: em estudos em animais e mulheres grávidas, o fármaco provocou anomalias fetais, havendo clara evidência de que o risco para o feto é maior do que qualquer benefício possível para a paciente.

Atenção: a dipirona, medicamento muito conhecido e amplamente utilizado, encontra-se na categoria D, devendo ser evitada em gestantes. Isso demonstra a necessidade do cuidado quando o tema é medicamentos e gestantes.

Serviço de acompanhamento de gestantes na farmácia com a Clinicarx

A Clinicarx tem o serviço de acompanhamento de gestantes padronizado na plataforma para ajudar o farmacêutico a prestar assistência com qualidade e segurança.

Com a funcionalidade, além da medida da pressão arterial e glicemia (teste rápido de glicemia, glicemia capilar e teste rápido de HbA1c), é possível realizar e registrar o cálculo da idade gestacional, Índice de Massa Corporal (IMC), visualizar o calendário vacinal de gestantes e, assim, analisar o estado vacinal da mulher e necessidade da aplicação de vacinas de rotina.

Primeira avaliação

A primeira avaliação tem como objetivo identificar a etapa da gestação e orientar sobre os exames, vacinas, acompanhamentos e produtos recomendados à gestante.

Para isso, a plataforma tem maneiras de calcular o período de gestação. Caso a mulher tenha feito ultrassonografia, o farmacêutico pode registrar a idade do embrião e a plataforma informa a provável data da concepção e a data provável para o parto.

O objetivo da avaliação também é identificar condições clínicas presentes antes da gestação para que o farmacêutico seja capaz de conhecer o quadro clínico da gestante e traçar um plano de cuidado e acompanhamento. 

Consultas de retorno

As avaliações de retorno visam acompanhar a evolução da gravidez, incluindo parâmetros como peso, pressão arterial, frequência cardíaca e glicemia.

Além disso, as consultas de retorno destinam-se a auxiliar na resolução de sintomas de baixa gravidade que possam ocorrer até a data do parto.

Com a Clinicarx, todos os registros, avaliações e informações são impressas na Declaração de Serviço Farmacêutico (DSF) e podem apoiar o acompanhamento médico de pré-natal com relatórios de saúde.

Conheça os nossos planos e ofereça serviços com a qualidade que os seus clientes merecem.



Como implementar e vender serviços de atenção farmacêutica com baixo investimento

serviços de atenção farmacêutica

5 passos básicos e práticos para você implementar e vender serviços de atenção farmacêutica com baixo investimento.

Os serviços de atenção farmacêutica tornaram-se uma tendência para as farmácias devido os benefícios de sua implementação

Entre vários motivos que levam a escolha de uma farmácia em detrimento de outra, um dos principais é a oferta dos serviços, que podem ser desde aqueles mais básicos como aplicação de injetáveis ou teste de glicemia, até serviços farmacêuticos mais elaborados.

Existem diversos tipos de serviços que podem ajudar a farmácia. 

Para facilitar tanto a implantação de serviços farmacêuticos nos pontos de saúde, quanto a acessibilidade a esses serviços pela população, o plano Free Clinicarx oferece os principais serviços para farmácias de forma gratuita e por tempo ilimitado.

Você pode implementar serviços de atenção farmacêutica e vendê-los com baixo investimento na sua farmácia através do nosso plano Free. Quer saber como? 

Confira nosso checklist com 5 passos básicos!

1. Conheça os serviços de atenção farmacêutica que você pode oferecer

No plano Free da Clinicarx, os serviços padronizados disponíveis para atendimento e registro são:

  • Triagem de COVID-19;
  • Principais Testes Rápidos (COVID-19, Perfil lipídico, Glicemia, Hemoglobina glicada e Dengue);
  • Prescrição farmacêutica;
  • Pressão arterial;
  • Glicemia capilar;
  • Aplicação de injetáveis;
  • Perfuração de lóbulo auricular.

Além disso, a Clinicarx disponibiliza a emissão do laudo laboratorial de testes rápidos e a Declaração de Serviços Farmacêuticos (DSF), documentos que devem obrigatoriamente ser entregues ao paciente após prestação dos serviços de saúde.

2. Prepare sua farmácia e sua equipe

Organize a sua farmácia, prepare e treine a sua equipe para atender os clientes e oferecer todos os serviços disponíveis. 

A Clinicarx disponibiliza treinamentos gratuitos para clientes, de forma rápida e prática, para que você e outros profissionais da sua farmácia estejam preparados.

Esse trabalho em equipe é fundamental para que as pessoas que visitam a sua farmácia saibam quais são os serviços que agregam valor e a diferenciam dos concorrentes. 

Uma farmácia referência, seja no seu bairro ou na cidade, começa pela oferta de serviços de atenção farmacêutica que interessam aos clientes com uma variedade de procedimentos. 

Além da equipe preparada e treinada para oferecer os seus serviços, o marketing digital  pode ser mais uma ferramenta para ajudar na divulgação dos serviços da sua farmácia de baixo investimento, uma vez que não envolve custos com impressão e produção.

Ações e promoções nas redes sociais podem atrair mais clientes de forma prática, além de criar um relacionamento mais próximo com clientes.

4. Ofereça os seus serviços de forma integrada

É fundamental oferecer os serviços de saúde da farmácia no balcão para todos os clientes que têm o perfil para ser atendido e beneficiado pelos seus serviços.

Oferecer serviços de forma integrada diminui os custos para captação de clientes, e mais do que isso aumenta o ticket médio da farmácia.

Você pode fazer a integração de serviços ao perceber, durante a anamnese do seu paciente, que outros procedimentos são necessários para obter mais informações, estruturar um plano de cuidado e orientá-lo com mais assertividade.

Vamos ver um exemplo prático?

Se um paciente chega na farmácia com sintomas de gripe ou suspeita de COVID-19, você pode oferecer os seus serviços começando pela  triagem COVID-19, padronizada na plataforma com questionário baseado em recomendações do Ministério da Saúde. 

Ao finalizar o questionário, o algoritmo informará o resultado, se o seu cliente é uma caso suspeito, provável, não suspeito, de acordo com as respostas e você terá em mãos mais dados para ajudar no cuidado ao paciente.

Na triagem, você pode acrescentar os dados da medida de pressão arterial do paciente, saturação de oxigênio e outras informações que ajudarão a entender o quadro clínico do paciente e agregar valor ao atendimento prestado.

Além da triagem, você pode oferecer o teste para COVID-19, que auxilia no processo de rastreamento e acrescenta mais informações sobre a condição do paciente. 

Adicionalmente, como os testes têm preço mais alto, a oferta de testes rápidos garantem um maior ticket-médio para a sua farmácia. 

Ao final desse atendimento, você também pode orientar o seu paciente com a prescrição farmacêutica, que é um grande diferencial de atenção e cuidado. 

É possível prescrever medidas de cuidado e, caso o paciente apresente sintomas, uma prescrição medicamentosa pode ser realizada para aliviar o desconforto. 

*Em casos de positivação para COVID-19, o paciente deverá ser encaminhado corretamente conforme orientações do Ministério da Saúde e as medidas de isolamento social deverão ser fortemente recomendadas.

5. Cobre pelos seus serviços de atenção farmacêutica

Você precisa rentabilizar e dar o devido valor ao atendimento que você oferece. Ao cobrar corretamente pelos seus serviços de atenção farmacêutica, você garante a sustentabilidade da sua farmácia. 

Um modelo viável que vai além da atuação farmacêutica no balcão, e é pensado para os serviços clínicos, transforma a farmácia e o trabalho do profissional da saúde, ajuda a diminuir os custos e investimento feito para oferecer os serviços.

*Esse artigo foi revisado pelo corpo técnico da Clinicarx.

LGPD para farmácias: tudo o que farmacêuticos e proprietários precisam saber

lgpd

Há anos as farmácias participam e oferecem programas de benefícios e descontos aos consumidores. 

Não havia obrigações legais como a Lei de Proteção de Dados (LGPD), aprovada em 2018, sobre a solicitação de CPF na Nota Fiscal e dos programas de benefícios das grandes redes de mercado.

Com o tempo, solicitar o CPF na farmácia se tornou algo rotineiro, não havia a preocupação em solicitar do consumidor (titular do dado) a autorização para a obtenção do dado e como o dado será utilizado.

Porém, agora isso mudou.

A LGPD entrou de fato em vigor em agosto de 2020 e transformou a forma como são recebidos e tratados os dados de clientes de vários setores, inclusive da saúde. 

Seu elemento principal é o consentimento. A aceitação por parte da pessoa física em oferecer seus dados é o primeiro ponto para que esses dados sejam colhidos e tratados pela empresa ou organização. 

Ainda, a LGPD estabelece que a lei vale para qualquer cidadão em território nacional, seja ele brasileiro ou não, sendo a sede da empresa no Brasil ou não.

A área da saúde, certamente, é o setor que mais trata os dados pessoais considerados sensíveis pela LGPD e, inevitavelmente, traz grandes desafios aos profissionais e organizações de saúde. 

O que é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)?

A LGPD é a lei que estabelece regras sobre como os dados pessoais (de pessoa física) devem ser tratados nos meios físicos e digitais. 

A Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD, Lei nº 13.709/2018 segue a tendência europeia General Data Protection Regulation e surge com o propósito de garantir a privacidade de dados pessoais e regulamentar o controle sobre eles.

O objetivo da Lei é proteger os direitos de liberdade e privacidade dos titulares de dados pessoais, isto é: pessoas que podem ser os pacientes e usuários dos serviços de saúde. 

A Lei afeta a rotina de administradores e gestores de saúde, uma vez que cria a figura do operador e controlador de dados, que fica responsável pela guarda e sigilo de informação dos pacientes e  medidas que garantam essa privacidade.

O que muda com a Lei Geral de Proteção de Dados?


A LGPD determina que qualquer atividade de tratamento de dados pessoais deve respeitar a privacidade do titular envolvido. Dessa forma, a atividade deve trazer informações claras, precisas e de fácil acesso sobre:

    • Como os dados pessoais serão tratados;
    • Para qual finalidade esses dados serão usados;
    • Quais são as medidas aplicadas para a segurança dessas informações;
    • Quais são os direitos que o titular envolvido tem sobre os seus dados pessoais.

Definições e nomenclaturas importantes

  • Titular: pessoa natural a quem se referem os dados pessoais que são objeto de tratamento;
  • Controlador: pessoa natural ou jurídica, de direito público ou privado, a quem competem as decisões referentes ao tratamento de dados pessoais;
  • Operador: pessoa natural ou jurídica, de direito público ou privado, que realiza o tratamento de dados pessoais em nome do controlador;
  • Tratamento: toda operação realizada com dados pessoais, como as que se referem a coleta, produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transmissão, distribuição, processamento, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação ou controle da informação, modificação, comunicação, transferência, difusão ou extração;
  • Anonimização: utilização de meios técnicos razoáveis e disponíveis no momento do tratamento, por meio dos quais um dado perde a possibilidade de associação, direta ou indireta, a um indivíduo.

O controlador é a pessoa física ou jurídica que decide a forma como os dados pessoais serão tratados.

O operador é a pessoa física ou jurídica que trata os dados dos titulares a partir das ordens recebidas pelo controlador.

O tratamento dos dados

É tudo que o controlador e/ou o operador fazem com o dado pessoal do titular desde a sua coleta até a sua eliminação.

O armazenamento de dados, por exemplo, durante um atendimento farmacêutico em que o paciente fornece dados pessoais e dados sensíveis, motivo da consulta, necessidades, é um tratamento de dados pelo controlador. 

Cuidados com formulários e recebimento de dados de pacientes em farmácias ou clínicas

Quando o cliente recebe um formulário impresso para preencher, é importante certificar-se de:

    • Destinar de forma segura esse documento;
    • Selecionar quem terá acesso e especificar somente pessoas necessárias;
    • Destruir o documento impresso, caso ele seja digitalizado posteriormente.

Para clínicas e consultórios com base de dados de pacientes em computadores:

    • Deve-se ter senha em cada terminal/unidade para acessar o banco de dados;
    • Programa antivírus atualizado;
    • Rede segura e protegida contra invasão.

A Clinicarx, prezando pela segurança de seus pacientes, clientes e fornecedores, adotou procedimentos internos para atender a todas as exigências da LGPD. 

Desde a segurança de dados na nuvem, controles de acesso, criptografia, até processos de atendimento ao usuário e ao paciente. 

Todos os dados, prontuários dos pacientes, informações clínicas e documentos ficam armazenados em servidor na nuvem, localizado nos EUA, com sistemas de backup e segurança de dados, dando a tranquilidade de que nada pode ser perdido. 

Além disso, as informações continuam sendo protegidas pelo período exigido legalmente, mesmo em caso de encerramento do contrato entre a farmácia e a Clinicarx. 

Criamos uma série de políticas e processos internos que buscam atender ao máximo a LGPD e as legislações sanitárias pertinentes à área da saúde, dando todo suporte técnico nessa questão aos nossos clientes.

Se você é cliente da Clinicarx ou foi atendido(a) em uma clínica ou farmácia associada à Clinicarx, temos um canal de atendimento específico para questões da LGPD.

Saiba como a Clinicarx cuida tratamento de dados pessoais e sensíveis aqui.   

Imunidade: como o farmacêutico pode ajudar

Imunidade

O sistema imunológico é responsável por proteger o organismo contra vírus, fungos, bactérias e parasitas infecciosos que podem causar injúrias ao organismo, como doenças, sofrimentos e até mesmo morte.

A ideia de aumentar a imunidade é muito atrativa, mas ocupa espaços ilusórios porque o sistema imunológico é complexo – trata-se de um sistema e não uma unidade única – e por isso requer equilíbrio e harmonia para funcionar bem.  

Portanto, manter-se saudável e com boa imunidade não acontece por acaso ou com comportamentos isolados.

Assim como não depende apenas de um alimento isolado ou um suplemento específico que sozinhos possuem a capacidade de potencializar a imunidade.

Alimentação e o sistema imunológico

Existe evidência de que pessoas desnutridas são mais vulneráveis a doenças infecciosas.

Isso sugere que deficiências nutricionais afetam o funcionamento do sistema imunológico e demonstra o quanto a alimentação está relacionada com o funcionamento desse sistema.

  • Deficiências de micronutrientes – como, por exemplo, zinco, selênio, ferro, cobre, ácido fólico e vitaminas A, B6, C e E – podem alterar a resposta imunológica em humanos.

É importante destacar que a extensão desse comprometimento do sistema imunológico depende do nutriente deficiente, da gravidade da deficiência e da idade do paciente.

  • Caso haja suspeita de que o paciente não esteja suprindo as necessidades de micronutrientes devido à falta de alimentação adequada, a escolha de um suplemento multivitamínico e mineral diário pode ser uma alternativa.

Como aumentar a imunidade do seu paciente de maneira saudável?

Não é difícil encontrar produtos associados ao aumento ou apoio à imunidade.

Mas até o momento não há evidências de que quantidades extras de qualquer vitamina melhore o sistema imunológico de quem não tem deficiência de micronutrientes. 

Nesse contexto, com o propósito de aumentar ou manter a imunidade do paciente, o farmacêutico pode investigar e sugerir hábitos de vida saudáveis e que auxiliam no bom funcionamento do organismo e do corpo.

O ideal é buscar um equilíbrio entre alimentação saudável, cuidados com a saúde e prática regular de exercícios.

5 perguntas que podem ajudar avaliar e aconselhar o seu paciente

  1. Você tem quadros de doenças recorrentes, como resfriado e gripe?
  2. Você percebe infecções constantes, como, por exemplo, herpes oral? 
  3. Como é a sua alimentação? Conte um pouco sobre como costumam ser as suas refeições diárias. 
  4. Como é a sua relação com o sono? Você consegue dormir de 7 a 8 horas por noite? 
  5. Você pratica atividade física regularmente? Se sim, qual é a atividade que você costuma realizar, a duração e a frequência semanal?

Você, farmacêutico, pode acompanhar e avaliar seus pacientes com procedimentos simples como glicemia e medição da pressão arterial para melhor atendê-los.

A Clinicarx tem mais de 30 testes rápidos laboratoriais padronizados, entre eles: Hemoglobina Glicada, Perfil Lipídico, Dímero-D, Proteína C Reativa e mais!

Maneiras saudáveis de fortalecer o sistema imunológico do seu paciente

Hábitos de vida saudáveis, no geral, devem ser sempre estimulados com a finalidade de manter um sistema imune fortalecido.

  • Uma dieta balanceada, prática regular de exercícios e a adoção de medidas de prevenção de doenças são grandes aliados para que o corpo fique melhor preparado para combater eventuais doenças.

Listamos abaixo algumas estratégias para que você oriente o seu paciente com medidas de cuidado individual e com ações de estilo de vida saudável:

  • Não fumar;
  • Ter uma dieta com frutas e vegetais;
  • Praticar exercícios regularmente;
  • Manter um peso saudável;
  • Para quem ingere álcool, é aconselhável beber apenas com moderação;
  • Dormir o suficiente. Para adultos, o ideal é dormir de 7 a 8 horas por noite;
  • Manter-se hidratado. Não beber água apenas quando sentir sede – ingerir água, sucos, chás durante o dia;
  • Expor-se ao sol de 15 a 20 minutos pelo menos três vezes na semana nos horários em que os raios solares são menos perigosos (antes das 10 horas e depois das 16 horas);
  • Adotar medidas para evitar infecções, como lavar as mãos com frequência, cozinhar bem as carnes, higienizar bem as frutas e verduras;
  • Tentar minimizar o estresse;
  • Fazer exames de rastreamento em saúde regulares de acordo com recomendações da faixa etária e categoria de risco;
  • Manter em dia todas as vacinas recomendadas

Com uma plataforma online que padroniza serviços de saúde para farmácias, clínicas e profissionais, cuidar dos seus pacientes fica mais fácil, não fica?

No software da Clinicarx, você encontra desde avaliações em saúde, como avaliação antropométrica, até testes rápidos e vacinação para você oferecer acompanhamento e atendimento completo ao seu cliente.

Farmácia estética: atuação clínica e orientação farmacêutica

farmácia estética

A farmácia estética, ou saúde estética, é uma das áreas em que farmacêuticos(as) têm direcionado seu trabalho e encontram um horizonte de atuação dentro da farmácia.

O manejo clínico de diversas condições de saúde realizado pelo farmacêutico vai além do acompanhamento de tratamentos.

A avaliação, o desenvolvimento do plano de cuidado para cada problema identificado e a prescrição racional com segurança também fazem parte da atuação diária nos serviços de atenção farmacêutica. 

Diante das várias possibilidades de carreira, a farmácia estética, ou saúde estética, é uma das áreas em que farmacêuticos(as) têm direcionado seu trabalho e encontram um novo horizonte de atuação dentro da farmácia clínica. 

Farmacêuticos que trabalham com estética podem exercer a profissão tanto em clínicas de estética e beleza, como em farmácias, prestando orientações quanto ao uso de produtos estéticos, com dermocosméticos, por exemplo.

O reconhecimento da farmácia estética como área de atuação

A Resolução 585/2013 do Conselho Federal de Farmácia (CFF) regulamenta que o farmacêutico pode atuar no cuidado direto ao paciente, promovendo o uso racional de medicamentos e de outras tecnologias em saúde.

Além disso, no âmbito da saúde estética, a Resolução 573 CFF, dispõe sobre as atuações do farmacêutico no exercício da saúde estética e da responsabilidade técnica por estabelecimentos que executam atividades afins.

Para atuar e se tornar um profissional da farmácia estética, o farmacêutico precisa estar habilitado nessa área.

Isso significa finalizar um curso de pós-graduação lato sensu na área de saúde estética reconhecido pelo Ministério da Educação.

Nas farmácias também há diversas funções que o farmacêutico pode realizar com seus pacientes, como orientação de dermocosméticos e nutricosméticos.

Neste caso, não é necessário pós-graduação, porém cursos e capacitações são recomendados. 

Na Clinicarx temos cursos e certificações disponíveis para a área de Dermatologia e Saúde da Pele. Confira:

Atenção e atuação do farmacêutico na saúde estética

Procedimentos e técnicas regulamentadas

Técnicas e recursos já regulamentados que o farmacêutico pode realizar na área da farmácia estética:

  • Avaliação, definição dos procedimentos e estratégias, acompanhamento e evolução estética;
  • Cosmetoterapia;
  • Peelings químicos e mecânicos;
  • Sonoforese (ultrassom estético);
  • Eletroterapia;
  • Iontoforese;
  • Radiofrequência estética;
  • Criolipólise;
  • Luz intensa pulsada;
  • Laserterapia;
  • Carboxiterapia;
  • Agulhamento e microagulhamento estéticos;
  • Toxina botulínica;
  • Preenchimentos dérmicos;
  • Intradermoterapia e mesoterapia;
  • Atenção farmacêutica na estética;

É importante que o profissional farmacêutico da farmácia estética tenha a prática e conhecimento clínico associados à sua atuação diária, percebendo e exercendo o seu papel de entregar valor em saúde aos pacientes.

Integrar especialidades ou atuações direcionadas a áreas como a farmácia estética se torna mais coerente quando já se é habituado com o dia a dia do farmacêutico clínico. 

A solicitação de exames, para rastreamento e acompanhamento em saúde, e a realização de alguns testes rápidos também é uma prática da farmácia estética que faz parte da avaliação, acompanhamento e evolução estética. 

Alguns testes que o farmacêutico pode solicitar:

  • Dosagem de hormônios;
  • Micronutrientes; 
  • Hemograma para tratamento das alopecias, unhas e cabelos quebradiço;
  • HbA1c para monitoramento do diabetes, em pacientes a serem submetidos a procedimentos invasivos que exigem cicatrização regular;
  • entre outros.

O que o farmacêutico pode prescrever

O farmacêutico esteta pode prescrever medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica.

Alguns produtos ou medicamentos que podem ser prescritos dentro da farmácia estética:

  • Agentes eutróficos e venotônicos;
  • Biológicos (Ex.: Toxina botulínica Tipo A);
  • Vitaminas, minerais e aminoácidos; 
  • Fitoterápicos; 
  • Peelings químicos, enzimáticos e biológicos, incluindo a tretinoína
    (ácido retinóico de 0,01% a 0,5% de uso domiciliar e até 10% para uso profissional ou em cabine); 
  • Solução hipertônica de glicose 50% e 75% 
    (uso exclusivo em procedimentos para telangiectasias);
  • Preenchedores dérmicos absorvíveis; 
  • Agentes lipolíticos (Ex.: Desoxicolato de sódio, e outros); 
  • Fios lifting absorvíveis.

Cada vez mais o direcionamento e ampliação da atuação clínica do farmacêutico se torna um diferencial no mercado de trabalho e na concorrência. Destaque-se e impulsione sua farmácia para atender as necessidades dos seus pacientes. 

Com a Clinicarx, você oferece mais de 30 testes rápidos, realizar prescrições automatizadas e orientadas, tudo isso dentro de uma plataforma com documentos personalizáveis como a Declaração de Serviço Farmacêutico

No nosso plano Free, você tem tudo isso gratuitamente e por tempo ilimitado, aproveite!

*Esse conteúdo foi aprovado pelo corpo técnico da Clinicarx.

Doenças sazonais e testes rápidos recomendados

Doenças sazonais

Doenças sazonais são aquelas desencadeadas em uma estação específica do ano. 

As diferenças na temperatura e as diferenciações na umidade relativa do ar favorecem o desenvolvimento de algumas disfunções e complicam o processo de cura, devido aos hábitos que as pessoas mantêm em função da mudança climática.              

Vamos entender um pouco mais a respeito dessas doenças, a prevalência destas em determinadas estações do ano e os testes rápidos recomendados para a triagem clínica.

DOENÇAS SAZONAIS DO VERÃO

Muitas pessoas já sofreram e sofrem com doenças do verão. 

De acordo com especialistas, as altas temperaturas, associadas à umidade da estação e à falta de saneamento básico, favorecem a proliferação de agentes infecciosos que causam uma série de doenças, como por exemplo:  

  • dengue, 
  • zika vírus, 
  • chikungunya, 
  • febre amarela, 
  • intoxicações alimentares, 
  • micose, otites, 
  • queimaduras de pele, 
  • entre outras. 

Essas doenças não são exclusivas dessa estação, mas são popularmente conhecidas como doenças do verão, justamente  pelo aumento da incidência de casos nessa época mais quente do ano.

Vamos conhecer um pouco mais sobre as principais doenças desta estação, as principais regiões de prevalência e os testes rápidos que podem ser realizados como triagem clínica:

Intoxicação alimentar

A intoxicação alimentar pode ser provocada por vírus ou bactérias. Os alimentos se deterioram mais rapidamente no calor, devido à ação de toxinas e bactérias. 

Em decorrência disso, esses microrganismos se proliferam mais rapidamente, por isso é recomendado que a manipulação de alimentos seja feita com máximo cuidado e higiene.

Principais sinais e sintomas:

Dores abdominais, cólica, inchaço na barriga, vômito, febre e diarreia. 

Prevenção:

A melhor maneira de evitar isso é não consumir alimentos de origem duvidosa e, sempre, armazenar a comida sob refrigeração.

Região de prevalência:

Nacional.

Teste rápido: 

Intolerância alimentar; H. Pylori.

Dengue, Zika e chikungunya

O verão é a estação mais chuvosa do ano, o que facilita o acúmulo de água parada. Consequentemente, favorecendo a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, do Zika e da Chikungunya. 

Principais sinais e sintomas:

Febre alta, manchas avermelhadas na pele, coceiras, dor de cabeça e dores no corpo, principalmente nos músculos e articulações.

Prevenção:

Uso de repelente para insetos, evitar locais de maior circulação do mosquito, além de acabar com os possíveis criadouros de larvas do mosquito e com qualquer lugar que possa acumular água, dentro e fora de casa.

Região de prevalência:

Nordeste, centro-oeste e norte.

Testes Rápidos:

Dengue NS1 e Dengue IgG/IgM; Zika Vírus; Chikungunya.

Febre Amarela

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrair este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos.

Principais sinais e sintomas:

Febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara.

Prevenção:

Evitar a disseminação do mosquito, através do acúmulo de água parada em recipientes destampados. Fazer a aplicação de inseticida, tomar medidas de proteção individual, como a vacinação e o uso de repelente contra insetos e mosquiteiros.

Região de prevalência:

Norte e Centro-oeste, mais precisamente na região amazônica.

Testes Rápidos:

Febre Amarela

DOENÇAS SAZONAIS DA PRIMAVERA

Pessoas alérgicas acabam sofrendo mais nesta estação. Na primavera é comum a alternância de clima, o que muitas vezes é prejudicial, e acaba resultando em um aumento de problemas respiratórios e doenças de pele. 

Nesta época, a soma dos pólens com o vento podem causar problemas de saúde, como prurido (coceira) nos olhos e no nariz de pacientes sensíveis, podendo resultar em sinusites e quadros de dermatite atópica. 

Já pacientes com quadro alérgico avançado sofrem agravo de doenças pré-existentes.

Vamos conhecer um pouco mais sobre as principais doenças desta estação, as principais regiões de prevalência e os testes rápidos que pode ser realizados como triagem clínica:

Rinite alérgica

A rinite alérgica consiste na presença de prurido sazonal ou perene. O diagnóstico é feito pela história de exposição, exame e, às vezes, testes cutâneos.

Principais sintomas:

Espirros, rinorreia, congestão nasal e, às vezes, conjuntivite, que é causada pela exposição a pólen ou outros alérgenos.

Prevenção:

O tratamento de primeira linha é com um corticosteroide nasal ou com um anti-histamínico oral seguido de um descongestionante oral.

Região de prevalência:

Nacional.

Testes Rápidos: 

Alérgenos.

Dermatite Atópica

É uma doença de pele inflamatória crônica de origem alérgica e não sendo contagiosa. Envolve fatores genéticos, fatores ambientais e disfunção imunológica e da barreira epidérmica.

Principais sintomas:

Pode variar entre leve lesão de pele até uma grave liquenificação.

Prevenção:

Hidratantes, supressão dos possíveis fatores irritantes desencadeantes e corticoides tópicos ou moduladores imunitário.

Região de prevalência:

Sul e Sudeste.

Testes Rápidos: 

Alérgenos.

DOENÇAS SAZONAIS DE OUTONO E INVERNO

A temperatura é mais fria e o tempo mais seco, os indivíduos saem menos de casa e acabam se aglomerando em espaços fechados. Logo, tudo isso contribui para proliferação de vírus e bactérias.

Vamos conhecer um pouco mais sobre as principais doenças desta estação, as principais regiões de prevalência e os testes rápidos que pode ser realizado como triagem clínica:

Gripe e resfriados

Essas tendem a ser as doenças sazonais mais comuns graças à alta mutação do vírus e sua fácil proliferação.

A gripe é uma doença causada pelo vírus da influenza e é classificada como uma infecção das vias respiratórias superiores (nariz e garganta). 

Os resfriados, por sua vez, caracterizam-se como uma infecção mais leve, ocasionada por diversos vírus, como por exemplo o rinovírus, vírus sincicial respiratório e adenovírus.

Sintomas:

Febre, coriza, dor de cabeça, dor nos músculos, articulações, e garganta inflamada/infeccionada.

Prevenção:

Evitar ambientes fechados e sem ventilação, lavar bem as mãos, proteger a boca ao tossir, beber bastante água e participar das campanhas de vacinação.

Região de prevalência:

Sul e Sudeste.

Testes Rápidos:

Influenza A/B; Covid/Flu A/B Ag; Vírus Sincicial Respiratório (RSV); Streptococcus do grupo A.

Rinite e Sinusite

A rinite é causada pela irritação ou pela inflamação das mucosas nasais.

Já a sinusite é um quadro agravado da rinite, sendo os sintomas similares. Os seios nasais, em torno do nariz, ficam inflamados por conta da alergia ou infecções por vírus e bactérias.

Principais sintomas:

Inflamação de uma região do seio paranasal, coriza, coceiras, dor de cabeça e na face, fadiga e nariz entupido.

Prevenção:

Evitar ambientes fechados e sem ventilação, lavar bem as mãos, proteger o rosto ao espirrar, beber bastante água e evitar o acúmulo de poeira.

Região de prevalência:

Sul e Sudeste.

Testes Rápidos:

Alérgenos; Influenza A/B; Vírus Sincicial Respiratório (RSV).

Pneumonia

A pneumonia pode ser causada por bactérias e vírus.

Muitas farmácias estão começando a prestar serviços clínicos para testes rápidos. Isso é ótimo, pois já começam com alto valor agregado e criando uma nova fonte de receita para a farmácia.

Mas é possível ir mais longe, transformando sua farmácia em uma máquina de fidelização de clientes e de faturamento. Descubra os serviços que realmente podem virar o jogo da sua empresa e casam perfeitamente bem com os testes rápidos.

Com a Clinicarx, você pode oferecer mais de 30 testes rápidos para farmácias e drogarias, todos padronizados com laudo laboratorial integrado diretamente através da plataforma.

Medicamentos Similares Bioequivalentes – Como a Intercambialidade funciona na prática?

intercambialidade

Desde 2003, o medicamento similar passou a começar a apresentar os mesmos testes de biodisponibilidade relativa e equivalência farmacêutica do que os genéricos, podendo então ser intercambiado com o medicamento de referência.

Então, em 1° de janeiro de 2014 entrou em vigor a RDC n° 58 da ANVISA, que possibilita a intercambialidade (troca segura e efetiva) entre medicamentos similares e referência. 

Como a já realizada entre medicamentos referência e genéricos, e sua lista anexa descreve quais os medicamentos similares que apresentaram estes estudos, podendo ser então intercambiados.

Como a intercambialidade funciona na prática

Na prática, esta resolução possibilitou que aqueles medicamentos similares que possuíssem as devidas comprovações, pudessem pleitear intercambialidade e se categorizassem como Similares Bioequivalentes ou Intercambiáveis (praticamente uma nova sub-classe).

Mas é necessário cautela – não são todos os similares que podem ser intercambiados! Periodicamente a Anvisa está publicando nova lista, adicionando os medicamentos e suas devidas formas farmacêuticas que já podem ser intercambiadas.

A lista de medicamentos similares intercambiáveis é atualizada frequentemente através do anexo da referida legislação, e você pode acessá-la clicando aqui.

Todos os laboratórios interessados tinham o prazo de dezembro de 2014 para apresentar os estudos de equivalência farmacêutica, biodisponibilidade relativa e bioequivalência de seus já registros medicamentos similares, para assim poderem ser intercambiáveis (como os genéricos são).

Contudo, grande parte dos laboratórios foram apresentando os testes e sendo aprovados pela Anvisa aos poucos e continuamente, motivo pelo qual essa lista anexa é atualizada frequentemente. 

Antes desta resolução, só era possível a intercambialidade entre medicamentos referência e medicamentos genéricos, e vice-versa, sendo este processo regido pelas Leis nº 9787/94, pela RDC n° 135/2013 e pela RDC nº 58/2014 da ANVISA. 

Cabe frisar que o intercâmbio/ troca de medicamentos, assim como a dispensação de controlados e grande parte dos serviços farmacêuticos, é atividade privativa do farmacêutico, não podendo ser nem delegada ou transferida.

Ela deve ser registrada no verso da receita e autorizada pelo mesmo, conforme preconizado pela legislação – ou ainda em uma Declaração de Serviço Farmacêutico.

Como ficava a intercambialidade antes da RDC 58/2014

intercambialidade

Como fica depois da RDC 58/2014

intercambialidade

Alertamos que, segundo a RDC nº 51 de 2007 da ANVISA, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS os responsáveis pelas prescrições devem adotar obrigatoriamente a Denominação Comum Brasileira (DCB), ou na sua falta, a DCI.

Já nos serviços privados de saúde, a prescrição ficará a critério do prescritor, que pode utilizar o nome genérico ou comercial, na falta de DCB. 

Caso tenha alguma restrição à substituição do medicamento de marca pelo genérico correspondente, o prescritor deve manifestar claramente sua decisão, de próprio punho, de forma clara, incluindo no receituário uma expressão como “Não autorizo a substituição”.

É importante ressaltar que a prescrição aberta, ou seja, que apresenta alternativamente a DCB, DCI e mais de uma opção de nomes comerciais de produtos e medicamentos amplia o leque de oportunidades para aquisição dos medicamentos pelo paciente, garantindo maior possibilidade de acesso ao tratamento prescrito.

Em tempos de pandemia da COVID-19, caracterizados pela restrição econômica, logística e de locomoção, diminuir as lacunas no processo de adesão e facilitar a adesão ao tratamento é crucial para garantirmos a recuperação, promoção e alcance da saúde e metas terapêuticas de nossos pacientes. 

Além disso, a intercambialidade pode ser uma alternativa importante para enfrentamento das rupturas de estoque oriundas dos impactos econômicos e logísticas da pandemia.

Tanto para o paciente (que muitas vezes está procurando alternativas economicamente mais viáveis para seu tratamento, ou mesmo disponibilidade destes) quanto para a farmácia (que nem sempre possui a disposição todas as opções em seu mix, seja fruto de baixa demanda ou de rupturas pontuais dos fornecedores).

Proporcionar liberdade e colocar o paciente no centro do processo decisório de saúde são direitos e prerrogativas dos pacientes e cidadãos.

Dicavocê deve ter a listagem atualizada impressa a disposição de seus atendentes e dos órgãos fiscalizadores. Contudo, trata-se de uma listagem extremamente extensa e cansativa de usar. Crie uma que leve em conta o mix de medicamentos de sua farmácia, organize em um material mais didático e fácil de usar e visualizar – pode ser um ótimo meio de não perder vendas e de deixar de disponibilizar tratamento para seus paciente-clientes! 

Em novembro de 2014 fui entrevistado sobre o tema, pelo Jornal do Comercio, segue o link – Medicamentos similares – Jornal do Comércio: http://youtu.be/vgdVVdcTJlc .

Revisão Rápida sobre tipos de Medicamentos (quanto ao registro junto a ANVISA)

  • Referência –é o medicamento inovador registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no País, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente junto ao órgão federal competente, por ocasião do registro. A eficácia e segurança do medicamento de referência são comprovadas através de apresentação de estudos clínicos.

  • Genérico– é o medicamento equivalente a um produto de referência ou inovador, que se pretende ser com este intercambiável, geralmente produzido após a expiração ou renúncia da proteção patentária ou de outros direitos de exclusividade, comprovada a sua eficácia, segurança e qualidade, e designado pela DCB ou, na sua ausência, pela DCI. Possui os mesmos padrões farmacológicos e de qualidade que o medicamento de referência.

  • Similar – medicamento similar é aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, podendo diferir somente em algumas características. Tem nome comercial ou marca.

  • Similar Bioequivalente– Desde 2003, o medicamento similar passou a começar a apresentar os mesmos testes de biodisponibilidade relativa e equivalência farmacêutica do que os genéricos, e que pode ser intercambiado com o medicamento de Referência. Estão listados pelos anexos da RDC nº 58/2014 da ANVISA.
  1. Se na prescrição constar Motrin 600mg (que é referência para o princípio ativo Ibuprofeno 600mg), dispensar 10 cp e tomar 1 cp de 12 em 12h, e todos os requisitos da prescrição estiverem corretos e claros (e o médico não vetar a intercambialidade por escrito na prescrição), o farmacêutico pode optar pela intercambialidade com:

    I – Ibuprofeno 600 mg Genérico;
    II – Buprovil 600mg (que é similar bioequivalente e consta na listagem).
    Ou poderia optar pela dispensação do próprio Motrin 600 mg, sempre com o consentimento e escolha do próprio paciente!
  2. Se na prescrição constar Ibuprofeno 600mg(que é a DCB deste, ou nomenclatura genérica), dispensar 10 cp e tomar 1 cp de 12 em 12h, e todos os requisitos da prescrição estiverem corretos e claros (e o médico não vetar a intercambialidade por escrito na prescrição), o farmacêutico pode optar pela intercambialidade com:
    I – Motrin 600mg (que é referência para o princípio ativo ibuprofeno 600mg).
    Ou poderia optar pela dispensação de qualquer genérico do Ibuprofeno 600 mg, sempre com o consentimento e escolha do próprio paciente!
    O farmacêutico NÃO poderia trocar por qualquer outro similar ou similar bioequivalente!
  1. Se na prescrição constar Buprovil 600mg(que é a similar bioequivalente do Motrin 600mg), dispensar 10 cp e tomar 1 cp de 12 em 12h, e todos os requisitos da prescrição estiverem corretos e claros (e o médico não vetar a intercambialidade por escrito na prescrição), o farmacêutico pode optar pela intercambialidade com:
    I – Motrin 600mg (que é referência para o princípio ativo ibuprofeno 600mg).
    Ou poderia optar pela dispensação do próprio Buprovil 600 mg, sempre com o consentimento e escolha do próprio paciente!
    O farmacêutico NÃO poderia trocar por qualquer outro similar ou genérico do Ibuprofeno 600mg!
  1. Se na prescrição constar Ibupril 600mg(que é similar e não consta na listagem de similares bioequivalentes), dispensar 10 cp e tomar 1 cp de 12 em 12h, e todos os requisitos da prescrição estiverem corretos e claros (e o médico não vetar a intercambialidade por escrito na prescrição), o farmacêutico farmacêutico NÃO poderia trocar por qualquer outro medicamento (seja similar, referência ou similar bioequivalente).

  2. Se na prescrição constar Motrin ou Ibuprofeno 600mg(que são respectivamente o Referência e o Genérico do Ibuprofeno 600mg), dispensar 10 cp e tomar 1 cp de 12 em 12h, e todos os requisitos da prescrição estiverem corretos e claros (e o médico não vetar a intercambialidade por escrito na prescrição), o farmacêutico pode optar pela intercambialidade com:  

I – Qualquer marca genérico de Ibuprofeno 600mg

II – Qualquer marca similar bioequivalente (pois consta na receita o medicamento referência)

III – Optar por qualquer marca referência do Ibuprofeno 600mg. 

Toda e qualquer escolha deve se dar com consentimento e escolha do próprio paciente! 

O farmacêutico NÃO pode trocar por qualquer outro similar que não fosse similar bioequivalente!

Futuro da farmácia independente no Brasil: tendências e transformações no PDV

farmácia independente
Tendências para o contexto da saúde no Brasil apontam para o protagonismo da farmácia independente com serviços de atenção farmacêutica no mercado. 

Apesar  das diversas mudanças que permearam os últimos meses, o varejo farmacêutico, como farmácia independente e associadas, foi um dos poucos segmentos que apresentaram um crescimento considerável no ano de 2020. 

Esse crescimento somado aos possíveis cenários e tendências que vêm se desenhando colocaram a farmácia independente em um lugar de destaque.

Farmácias independentes ou de redes associativistas cresceram cerca de 26%, segundo a FEBRAFAR. 

Uma análise do IQVIA demonstrou faturamento de R$ 139,37 bilhões no ano de 2020 nas farmácias no mundo. A demanda de medicamentos, em especial a procura por suplementos vitamínicos, foi o principal motivo de disparo nas vendas. 

O cenário no Brasil: a farmácia independente e o varejo

O Brasil ocupa uma posição importante no ramo farmacêutico: no ranking dos países com maior percentual de faturamento, o  país ocupa o 7º lugar, segundo estudo da Interfarma.

Esses dados podem ser justificados por fatores como a taxa populacional, já que o Brasil é o 6º país com maior população do mundo, e o crescente índice do envelhecimento populacional, haja vista que esse grupo tende a consumir mais medicamentos.

Com o cenário da pandemia, enquanto diversos setores entraram em crise, o mercado farmacêutico cresceu e disparou no faturamento, principalmente com os testes rápidos para rastreamento da Covid-19.

Medicamentos mais vendidos nas farmácias

Ainda segundo o estudo da IQVIA, Xarelto e Dorflex lideram o ranking de medicamentos que mais  vendidos nas farmácias. 

Glifage XR também está entre os medicamentos mais prescritos e vendidos  para tratamento de Diabetes Mellitus. 

Confira os 10 mais vendidos nas farmácias:

medicamentos 1

Acompanhamento e venda consultiva nas farmácias independentes

As condições crônicas no paciente idoso gera uma rotina de acompanhamento por profissionais de diferentes especialidades. 

Nessa situação, os pacientes podem receber várias prescrições e, devido à falta de comunicação entre os profissionais, pode ocorrer a sobreposição de tratamentos e eventuais interações medicamentosas. 

Nesse caso, o farmacêutico pode conciliar os medicamentos prescritos pelos diferentes profissionais, evitando que os tratamentos sejam sobrepostos e que venham causar consequentes danos à saúde do paciente.

Ou seja, o farmacêutico tem grande importância no cuidado ao tratamento medicamentoso dos pacientes.

A dispensação farmacêutica de medicamentos isentos de prescrição também demonstra forte tendência da necessidade de uma prescrição eletrônica na farmácia

A prescrição por escrito ocasiona  um dos  mais importantes erros de dispensação na farmácia e de administração de medicamentos por parte dos pacientes. Isso gera danos, mortes e elevados custos para a saúde. 

A prescrição farmacêutica para medicamentos isentos de prescrição médica vem se consolidando no Brasil. 

O papel do farmacêutico na indicação e recomendação de tratamentos é cultural e histórico, mas a novidade é que isso hoje está sendo feito de uma forma muito mais profissional e confiável: dentro do consultório e por escrito. 

Adquirir medicamentos desse modo se mostra mais seguro para o paciente.

Promover a consulta farmacêutica para problemas de saúde autolimitados gera uma venda qualificada e consultiva dentro da farmácia. Isso já vem sendo propagado como importante estratégia no setor e é uma forte tendência para os próximos anos. 

Transformações no PDV

Segundo especialistas do setor, a tendência central no varejo é a transformação do Ponto de Venda (PDV). 

Nessa mudança, definida como PDX (ponto de experiências), o varejo incorpora funções e atividades para além da venda de produtos

Nesse sentido, um cliente mais informado e com muito mais opções terá menos interesse em entrar em uma loja tradicional de produtos porque ele buscará algo a mais.

Serviços como medida da pressão arterial, teste de glicemia, aplicação de injetáveis e colocação de brincos formam a base dos serviços ofertados por muitas farmácias independentes. 

Observa-se uma tendência em ampliar o leque desses serviços básicos, adicionando novos checkups e avaliações de saúde, como medidas corporais, bioimpedância, avaliações de saúde, avaliação e acompanhamento das gestantes, entre outros. 

O objetivo é diversificar a oferta, atendendo as necessidades dos diferentes públicos e fornecer procedimentos para acompanhamento de diferentes doenças.

Confira nossa análise de mercado completa no eBook Desafios, Tendências e Oportunidades para pequenas redes de Farmácias. 

Serviços de atenção farmacêutica nas pequenas farmácias

Imagine que na esquina da rua onde você mora há uma farmácia. Nessa farmácia, hoje você apenas compra medicamentos e alguns produtos de conveniência. 

Em breve você poderá também fazer exames para colesterol e diabetes, se engajar em programas de saúde para parar de fumar ou perder peso, levar sua família para tomar vacinas e se aconselhar com o farmacêutico sempre que surgir um problema de saúde. 

Os serviços farmacêuticos são a porta de entrada desse movimento que está mudando a história da farmácia no Brasil, assim como em outros países. A história da evolução das farmácias levará esse estabelecimento de saúde a ser parte ativa no sistema de saúde. 

A tendência é que as empresas incorporem essa nova filosofia à sua missão e reorganizem os seus negócios, de modo que o farmacêutico e seus serviços passem a ser parte do centro de receitas das farmácias e não mais centro de custos.

A farmácia clínica irá fortalecer a importância da farmácia independente, de bairro, na saúde da família brasileira. 

Sua farmácia independente pode começar agora a oferecer os principais serviços de atenção farmacêutica com nenhum custo! Conheça nosso plano Free agora.

Clinicarx padroniza teste anticorpo Anti-Spike COVID-19

teste anticorpo anti-spike

Clinicarx padroniza novo teste anticorpo Anti-Spike COVID-19, quatro fornecedores parceiros oferecem os testes para clientes da plataforma.

Novos testes para COVID-19 estão disponíveis na Clinicarx. O teste anticorpo Anti-Spike é um dos últimos lançamentos e pode ser utilizado para detecção qualitativa de anticorpos para as proteínas N e S1 do novo coronavírus.

Vamos entender rapidamente as proteínas que compõem o vírus da Covid-19?

O SARS-CoV-2 possui em seu envoltório quatro proteínas estruturais:

    • Proteína Spike (S);
    • Proteínas de envelope (E);
    • Membrana (M);
  • Nucleocapsídeo (N).

O organismo humano pode produzir anticorpos contra todas essas proteínas, inativando o vírus por diferentes mecanismos imunológicos.

teste anticorpo anti-spike

A proteína S do SARS-CoV-2

A proteína S é composta de duas subunidades, uma mais próxima da membrana viral chamada de S2 e outra mais distal, chamada de PS1. 

Essa unidade S1 se liga ao receptor ACE2 da célula humana, essa região específica da Spike é chamada de RBD (receptor-binding domain), ou ao receptor de enzima ECA2. É a partir dessa ligação que o vírus consegue entrar na célula humana, se replicar e produzir o processo infeccioso. 

Por definição, os anticorpos Anti-Spike ou Anti-Proteína S são específicos, capazes de se ligar à proteína Spike, impedindo a entrada do vírus nas células humanas e, consequentemente, sua replicação. 

Os anticorpos Anti-Spike apresentam função neutralizante quando, comprovadamente, impedem a entrada do vírus nas células humanas.

A função neutralizante é quando o anticorpo específico efetivamente impede que o vírus entre na célula humana.

Assista ao vídeo completo do nosso CEO, Cassyano Correr, para entender melhor como funciona. 

Qual a diferença entre os Anticorpos Anti-Spike e os Anticorpos Neutralizantes?

Todos os anticorpos neutralizantes são anticorpos Anti-Spike, mas nem todos os anticorpos Anti-Spike são, necessariamente, anticorpos neutralizantes.

Testes rápidos que detectam a presença de anticorpos Anti-Spike, específicos para RBD ou para região NTD, não podem garantir que esses anticorpos possuem “função neutralizante”. 

Esses testes indicam que houve soroconversão e que o paciente possui anticorpos específicos contra Proteína S do SARS-CoV-2.

Para quem é o teste Anticorpo Anti-Spike?

  • Pacientes que tiveram COVID-19 no passado e se curaram, há pelo menos 30 dias;
  • Pacientes que já receberam o esquema completo da vacina contra o novo coronavírus há pelo menos 30 dias.

Quando indicar o Teste de Antígeno, o Teste de Anticorpos IgM/IgG ou o teste Anticorpo Anti-Spike?

Conforme o momento da história natural da doença ou se o paciente já recebeu ou não a vacina, diferentes testes são indicados para confirmar a presença do vírus ou formação de anticorpos.

Teste anticorpo Anti-Spike Covid-19 padronizado na Clinicarx

Os testes padronizados na plataforma Clinicarx são de quatro fornecedores do mercado farmacêutico, todos de alta qualidade,  com especificidade e sensibilidade acima de 90%, garantindo a segurança que o farmacêutico precisa para prestar um serviço de confiança e qualidade.

Confira os detalhes de cada teste anticorpo Anti-Spike de cada fornecedor padronizado já disponível para aplicação aos pacientes quando necessário. 

Teste COVID-19 Ab Plus ECO Teste

O teste COVID-19 Ab Plus ECO Teste é um kit imunocromatográfico rápido para detecção qualitativa de Anticorpos IgG e IgM anti-SARS-CoV-2 específicos para proteína N e proteína S1 (RBD).

Os anticorpos anti-SARS-CoV-2 na amostra interagem com a proteína recombinante conjugada com partículas de ouro coloidal, formando um complexo anticorpo-antígeno partículas de ouro. O teste possui três linhas pré-revestidas:

  • Linha de controle “C”;
  • Duas linhas de teste “G” e “M” na superfície da membrana de nitrocelulose.

O Anticorpo monoclonal IgY anti-galinha é revestido na região da linha de controle e anticorpos monoclonais anti-IgG e anti-IgM humanos são revestidos nas linhas teste “G” e “M”. Proteínas recombinantes de COVID-19 conjugadas com partículas de ouro coloidal são usadas como detectores para as linhas de teste “G” e “M”.

Trata-se de um teste imunocromatográfico. O cassete contém uma linha de detecção (linha T), uma linha de referência (linha R) e uma linha de controle de qualidade (linha C) na membrana de nitrocelulose.

Entenda tudo sobre o teste Ab Plus ECO aqui.


Teste DPP SARS-CoV-2 IgM/IgG – Chembio

O teste DPP SARS-CoV-2 IgM/IgG Chembio é um kit imunocromatográfico rápido para detecção qualitativa e semi-quantitativa para os Anticorpos IgG e IgM anti-SARS-CoV-2 específicos para proteína S1 (RBD).

O sistema DPP SARS CoV-2 IgM/IgG inclui:

  • Dispositivos de teste DPP SARS CoV-2 IgM/IgG;
  • Leitor DPP Micro Reader (não incluído junto ao kit).

O dispositivo emprega a tecnologia DPP (Dual Path Platform), patenteada pela Chembio, a qual consiste em uma primeira via (tira) da amostra, que distribui esta amostra em outras duas vias (tiras) de teste, que incluem áreas de detecção de anticorpos e controle de processo em cada uma das janelas de leitura das tiras de teste.

Entenda tudo sobre o teste DPP SARS-CoV-2 IgM/IgG – Chembio.

 

Teste MedTeste Coronavírus (COVID-19) Anticorpos Anti-Proteína S

O teste MedTeste Coronavírus (COVID-19) Anticorpos Anti-Proteína S é um kit imunocromatográfico rápido para detecção qualitativa de Anticorpos IgG e IgM anti-SARS-CoV-2 específicos para proteína S1 (RBD).

O dispositivo de teste contém partículas de ouro coloidal conjugadas com antígeno específico da proteína Spike e reagente de captura de anticorpos anti-proteína S revestido na membrana

Procedimento teste:

  1. O reagente de captura de anticorpos anti-proteína S é imobilizado na região da linha de teste.
  2. Depois que a amostra é adicionada ao poço da amostra no dispositivo de teste, ela reage com as partículas revestidas com antígeno da proteína Spike do teste.
  3. Esta mistura migra cromatograficamente ao longo da membrana de teste e interage com o reagente de captura dos anticorpos anti-proteína S imobilizados.
  4. Se a amostra contiver anticorpos anti-proteína S para SARS-CoV-2, uma linha colorida aparecerá na região da linha de teste, indicando um resultado positivo.
  5. Se a amostra não contiver anticorpos anti-proteína S para SARS-CoV-2, uma linha colorida não aparecerá nesta região, indicando um resultado negativo.

Saiba mais sobre o teste no artigo completo aqui.


Teste COVID-19 Anticorpos Neutralizantes Smart Test COV nAb – Vyttra

O produto Smart Test COV nAb é um kit imunocromatográfico rápido para detecção qualitativa de Anticorpos Anti-Spike e sua função neutralizante contra SARS-CoV-2.

Este teste simula a interação do vírus com a célula infectada, utilizando o domínio RBD da proteína Spike (S) conjugada e o receptor de superfície ECA-2, ambos sensibilizados no cassete.

Por isso, este é um teste Anticorpos Anti-Spike que, segundo o fabricante, também avalia a função neutralizante. Sendo assim, recebe a denominação de Teste para Anticorpos Neutralizantes (nAb).

O cassete contém uma linha de detecção (linha T), uma linha de referência (linha R) e uma linha de controle de qualidade (linha C) na membrana de nitrocelulose: 

  • A linha T é marcada com proteína humana ECA-2;
  • A linha R é imobilizada com anticorpo de controle de referência;
  • A linha C é imobilizada com um anticorpo de controle de qualidade;
  • A almofada de conjugado é marcada com ouro coloidal, e é pré-fixada e pré-pulverizada com Proteína S-RBD COVID-19.

Entenda tudo sobre o teste no artigo completo aqui.

Posicione sua farmácia no mercado e acompanhe as atualizações para oferecer um atendimento completo ao seu paciente com a Clinicarx. 

Com o plano Free, você consegue entregar mais valor em saúde com serviços de atenção farmacêutica e fidelizar seus clientes com baixo custo e por tempo ilimitado. Aproveite e acesse o plano gratuito aqui.