tabagismo

Seu paciente fuma? Então não deixe de fazer essas perguntas a ele durante a consulta

O tabagismo continua sendo uma causa importante de morbidade e mortalidade em todo mundo. Segundo o IBGE, mais de 10% da população brasileira adulta fuma. Esse número corresponde a mais fumantes do diabéticos e asmáticos no país.

Todos os anos, R$ 56,9 bilhões são gastos pelo Brasil com despesas médicas e em perda de produtividade provocadas pelo tabagismo. Em contrapartida, o país arrecada anualmente apenas R$ 13 bilhões em impostos sobre a venda de cigarros. Ou seja, esse valor cobre apenas 23% dos gastos com os males causados pela epidemia do tabaco.

Por tudo isso, parar de fumar é a decisão mais impactante que uma pessoa pode tomar em relação a sua saúde e qualidade de vida. Mas, para muitas pessoas, é muito difícil parar de fumar sem tratamento e assistência profissional. Infelizmente, apenas 8% dos fumantes consegue ajuda profissional para interromper o vício.

Todo profissional de saúde tem um papel a cumprir no combate ao tabagismo

O farmacêutico tem um papel importante a cumprir no auxílio às pessoas que desejam parar de fumar. Ele pode educar pacientes sobre os benefícios da cessação, orientar sobre opções de tratamento isentas de prescrição médica (repositores de nicotina, por exemplo) e oferecer serviços de acompanhamento ao tabagista.

O primeiro passo é aproveitar toda oportunidade de consulta para conversar com o paciente sobre o assunto. Muitas vezes, um simples atendimento para medida da pressão arterial, um teste de glicemia ou uma aplicação de injetáveis, é uma oportunidade para abordar o tema e conquistar novos pacientes para um programa anti-tabagismo.

Comece conversando sobre o hábito tabágico

Uma breve anamnese sobre hábito tabágico pode ser o primeiro passo para iniciar um programa de acompanhamento para parar de fumar. Com algumas perguntas básicas, é possível conhecer o grau de exposição do paciente ao cigarro e até os gastos que ele já teve com cigarros em toda sua vida. Isso cria um ambiente mais propício ao aconselhamento e pode ser a motivação que faltava para o paciente tomar uma atitude.

Confira algumas perguntas fundamentais que você pode fazer ao paciente tabagista durante seu atendimento.

Você fuma? Cigarro ou outra forma de uso de tabaco?

Se o paciente é fumante, o primeiro passo é saber se ele utiliza cigarro, charuto, cachimbo ou narguile como fonte de tabaco. Você sabia que uma sessão de uso de narguilé, que dura em média de 20 a 80 minutos, equivale à fumaça de 100 cigarros?

Quantos cigarros você fuma por dia?

O número de cigarros ao dia é um dado que permitirá calcular a carga tabágica (grau de exposição ao tabaco) e os gastos com cigarros. Além disso, pacientes que fumam mais de 10 cigarros por dia geralmente vão precisar de auxílio de medicamentos para conseguir superar o vício. Portanto, essa é uma informação essencial para escolha do melhor tratamento.

Há quanto tempo você fuma?

Registre essa informação em anos. Conhecendo o consumo diário de cigarros e o tempo, é possível calcular a razão anos-maço. O cálculo da carga tabágica é realizado pela multiplicação do número de maços fumados por dia pelo número de anos de tabagismo. Por exemplo, uma pessoa que fumou 40 cigarros por dia (2 maços) por período de 30 anos possui uma carga tabágica de 60 anos-maço (2 x 30).

A carga tabágica é uma informação muito importante. Sabe-se, por exemplo, que DPOC e enfisema pulmonar começam a surgir a partir de 20 anos-maço e são mais comuns em pessoas com 40 anos-maço ou mais. Por isso, esse dado é útil também na definição de algumas condutas. Por exemplo, o hospital de Barretos, referência em tratamento de câncer, recomenda rastreamento de câncer de pulmão por tomografia computadorizada (TC) especificamente para aquelas pessoas entre 55 e 74 anos e carga tabágica maior que 30 anos-maço.

Quanto você paga em um maço de cigarro?

Essa informação pode ser um aliado do profissional da saúde no combate ao tabagismo. Poucas pessoas realmente calculam quanto gastam com cigarro e quanto dinheiro poderiam economizar se parassem de fumar. O preço de um maço de cigarros no Brasil pode variar entre R$ 5,00 e R$ 8,50 para as marcas mais vendidas. Com isso, é possível perceber que o gasto anual pode ficar entre R$ 1.800,00 a R$ 3.060,00. Uma pessoa que fuma 20 cigarros por dia há 10 anos, pagando R$ 7,50 por maço, por exemplo, já gastou algo entorno de R$ 23.375,00 apenas com cigarro. Fumar ou não fumar, pode ser a diferença entre um carro ou uma viagem dos sonhos. Por isso, é importante deixar essa informação clara para o paciente.

Você deseja parar de fumar?

Essa é a pergunta final e a mais importante da sua anamnese para tabagismo. Se o paciente responde “não”, se coloque à disposição para conversar mais sobre o assunto quando o paciente estiver pronto. Mas se o paciente responde que sim, a próxima pergunta seria: quer parar de fumar nos próximos 30 dias? Uma resposta sim a essa segunda pergunta mostra que o paciente está entrando em uma fase de preparação. É a oportunidade perfeita para aprofundar a anamnese, estimar o grau de dependência à nicotina e propor uma abordagem de tratamento.

Outras perguntas que podem ajudar nesse momento

Se o paciente está pensando em parar de fumar, vale a pena conhecer mais detalhes, antes de propor um plano de ação. Perguntas úteis: convive com tabagistas dentro de casa? Convive com tabagistas no trabalho? Já tentou parar de fumar antes? Já usou medicamentos para parar de fumar? Faz uso de bebida alcóolica? Faz uso de drogas ilícitas? Quais são suas razões pessoais para querer parar de fumar?

Forneça os resultados dessa avaliação por escrito

Uma anamnese sobre hábito tabágico é, na verdade, uma avaliação em saúde. O resultado dessa avaliação é conhecer o estágio de preparação do paciente para a cessação tabágica. Assim sendo, é importante sempre fornecer esse resultado ao seu paciente, como forma de materializar o atendimento e reforçar o que foi discutido.

No Clinicarx, transformamos essa anamnese em um protocolo de avaliação do hábito tabágico. Automatizamos os cálculos, guiamos você pelas perguntas a fazer e criamos uma declaração de serviço farmacêutico simples e intuitiva para seu paciente. Veja abaixo um exemplo desse documento.

Exemplo de declaração de serviço farmacêutico ao paciente, contendo resultados de uma avaliação do hábito tabágico. Clinicarx® 2019 – todos os direitos reservados.

Amplie sua avaliação estimando o grau de dependência à nicotina

Conheça, no próximo artigo, o teste de Fagerstrom. Esse teste permite conhecer o nível de dependência à nicotina e orienta a escolha do melhor tratamento para cessação tabágica.

COMPARTILHE ESSE POST

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Posts relacionados

Receba nossas novidades

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

IMPLEMENTE AGORA
SERVIÇOS FARMACÊUTICOS

2019-03-27

Inscreva-se e receba nosso curso gratuito EM SEU EMAIL