Sífilis: teste rápido para rastreamento e detecção precoce

preocupação sífilis

A sífilis é uma infecção bacteriana. Trata-se de uma infecção sexualmente transmissível (IST) que começa com uma ferida indolor de manifestação local.

A primeira etapa da sífilis envolve uma ferida indolor na genitália, no reto ou na boca. Após a cura da ferida inicial, a segunda fase é caracterizada por uma irritação na pele. Depois, não há sintomas até a fase final, que pode ocorrer anos mais tarde. Essa fase final pode resultar em danos para cérebro, nervos, olhos ou coração.

A sífilis é tratada com penicilina. Os parceiros sexuais também devem ser tratados.

TRANSMISSÃO DA SÍFILIS

 A Sífilis pode ser transmitida via sexual, vertical e/ou transfusional. A via sexual é predominante, sendo o uso de preservativos, o único método capaz de impedir a infecção. Os sítios de inoculação compreendem os órgãos genitais, além de língua, lábios e pele. No caso de infecções gestacionais, também conhecidas como infecções verticais, há grande preocupação com o curso da gravidez, uma vez que o risco de aborto espontâneo e complicações do desenvolvimento fetal são grandes ameaças à saúde da mãe e do bebê, que pode ser infectado e nascer com a forma congênita da doença. A transmissão sanguínea ou transfusional tornou-se rara graças ao rígido controle de hemocentros para a segurança do receptor de transfusões.

 

AGENTE ETIOLÓGICO DA SÍFILIS

A sífilis é causada pelo Treponema pallidum, bactéria espiroqueta gram-negativa de alta patogenicidade.

PERÍODO DE INCUBAÇÃO

O período de incubação varia de 10 a 90 dias (média de 21 dias), contados a partir do contato pela via infectante.  

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE DA SÍFILIS

A transmissibilidade da sífilis requer a presença de lesões (cancro duro, condiloma, placas mucosas, lesões úmidas). A presença de treponemas nessas lesões é responsável pelo contágio, que é maior nos estágios iniciais da infecção e reduz com a progressão da doença. O fato de as lesões serem assintomáticas acaba por, muitas vezes, tornarem-se imperceptíveis aos portadores, que ao terem qualquer forma de contato sexual desprotegido, tornam-se infectantes. A transmissão vertical pode ocorrer em qualquer fase do curso gestacional, sendo o estágio da infecção na mãe e o respectivo tempo de exposição ao agente, importantes para a evolução do quadro sob a condição.

SUSCETIBILIDADE E IMUNIDADE

A suscetibilidade à bactéria é universal, entretanto pacientes vivendo com HIV/AIDS (PVHA) apresentam maior propensão à infecção e precisam de atenção e cuidado redobrados. A imunidade adquirida não é protetora.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA SÍFILIS

As manifestações clínicas da sífilis se apresentam em fases conforme o estágio da doença:

Sífilis primária

Caracterizada pela presença de uma úlcera rica em treponemas, geralmente única e indolor, com borda regular e definida, base enrijecida e fundo limpo. A lesão surge no local de entrada da bactéria e é denominada “cancro duro”. Pode ocorrer em qualquer parte dos órgãos genitais, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais do tegumento. Está comumente associada a linfadenopatia regional. O tempo de permanência da lesão varia 3 a 8 semanas e a remissão da lesão independe de tratamento.

Sífilis secundária

Esta fase se inicia após a remissão do cancro e dura entre 6 semanas e 6 meses. Caracteriza-se pela disseminação do agente etiológico pelo organismo, de modo que a sintomatologia clássica desta fase é pautada no desenvolvimento de pápulas palmoplantares, placas e condilomas planos, podendo perdurar por 4 a 12 semanas. A constatação de micropoliadenopatia é um diferencial para este estágio da doença, verificando a identificação de gânglios epitrocleares característicos. Assim como na sífilis primária, a remissão das lesões desta fase independe do tratamento.

Sífilis latente

Período no qual nenhum sinal ou sintoma é observado. O diagnóstico é baseado exclusivamente na reatividade em testes treponêmicos e não treponêmicos. Em geral, boa parte dos diagnósticos ocorre durante este estágio. Pode ser dividida em latente recente (tempo inferior a 2 anos da infecção) e latente tardia (tempo superior a 2 anos da infecção). Aproximadamente 25% dos pacientes não tratados intercalam lesões de secundarismo com os períodos de latência, podendo variar ao longo dos 2 primeiros anos de infecção.

Sífilis terciária

Este estágio ocorre em 15% a 25% das infecções não tratadas e pode se estabelecer entre 1 e 40 anos depois do início da infecção. Neste estágio, a reação inflamatória é responsável pelo quadro de destruição tecidual, com acometimento do sistema nervoso e do sistema cardiovascular. Verifica-se também a formação de lesões bolhosas também descritas como tumorações, que tendem à liquefação, na pele, mucosas, ossos ou qualquer tecido. A gravidade das lesões resulta em deformação e consequente desfiguração do indivíduo, impossibilitando-o de realizar atividades de diversas naturezas e podendo levar o paciente a óbito. Ausência de tratamento ou tratamento inadequado nesta fase podem também levar a óbito.

PREVENÇÃO DA SÍFILIS

Sendo a via sexual a principal forma de transmissão da sífilis, recomenda-se o uso de preservativos durante o ato sexual como medida preventiva mais eficaz. Além disso, a educação sexual faz parte da conscientização não apenas a respeito do risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis como a sífilis, mas também prevenir gestações indesejadas. A realização do pré-natal minimiza os riscos para a mãe e para o feto durante a gestação, bem como possibilita a detecção e tratamento precoces, evitando as complicações fetais decorrentes da infecção.

DIAGNÓSTICO DA SÍFILIS

O diagnóstico clínico resulta da anamnese e do exame físico capaz de revelar sinais e sintomas associados à patologia.

O diagnóstico laboratorial varia conforme a fase da doença e consiste na realização de exames diretos, como  microscopia de campo escuro das lesões primárias ou secundárias, ou pesquisa isolada do agente em material corado (microscopia), ou de testes imunológicos não treponêmicos, para detecção de IgM e IgG ou de cardiolipina (inespecífico), ou de testes imunológicos treponêmicos, para detecção de anticorpos específicos produzidos contra os antígenos de T. pallidum. Em cerca de 85% dos casos, os testes treponêmicos permanecem reagentes de forma vitalícia (cicatriz sorológica), independentemente de tratamento e, por este motivo, não são considerados úteis para o monitoramento terapêutico.

O diagnóstico diferencial depende do reconhecimento das manifestações clínicas características em cada estágio da Sífilis.

Papel do teste rápido

Dentre as opções, há também o teste rápido (TR) de sífilis, disponível nos serviços de saúde do SUS, clínicas e em farmácias privadas.

Prático e de fácil execução, não depende de estrutura laboratorial e é capaz de apresentar o resultado da leitura em até 30 minutos, além de apresentar metodologia baseada em imunocromatografia qualitativa, análoga a utilizada em laboratórios tradicionais.

A facilidade de acesso ao estabelecimento, coleta de amostra, curto tempo para emissão do resultado e a alta confiabilidade, faz do teste rápido uma opção altamente vantajosa para o indivíduo que busca atendimento em saúde de qualidade e segurança.

Ilustração de quantos farmacêuticos usam Clinicarx

Baixe agora nosso guia de testes rápidos para farmácias

TRATAMENTO DA SÍFILIS E ORIENTAÇÕES

 

O tratamento farmacológico da sífilis é baseado na administração de penicilinas, sendo a Benzilpenicilina benzatina, o medicamento de escolha. Considerada uma terapia segura inclusive para gestantes. Tratamentos alternativos podem ser feitos com a administração de ceftriaxona e/ou doxiciclina, a depender do caso e estágio de progressão da doença. A realização de busca ativa para diagnóstico e tratamento das parcerias sexuais de gestantes com sífilis, bem como o esclarecimento da importância do pré-natal, são de grande importância. O tratamento adequado dos casos diagnosticados promove a remissão dos sinais e sintomas em poucos dias. Entretanto as lesões tardias já instaladas, mesmo com a interrupção da evolução da infecção, não serão revertidas com a antibioticoterapia. Realizar autoexame e testes sanguíneos são medidas que tornam o diagnóstico precoce e evitam a proliferação descontrolada da infecção pela comunidade. 

 

Testes Rápidos Clinicarx

 

Com o serviço de Testes Rápidos do Clinicarx, você pode realizar Testes Laboratoriais Remotos (TLR), com todo suporte do nosso Laboratório Clínico Central, e assim obter um laudo laboratorial válido para entregar ao seu paciente. Confira como implementar o serviço de testes rápidos em seu consultório.

 

Você pode encontrar também um curso completo online sobre o assunto em nossa plataforma educacional, ideal para quem está começando no tema.

 

Clinicarx é a Plataforma Digital que leva serviços básicos de saúde a farmácias e consultórios de todo Brasil. Presente em todos os estados brasileiros, auxilia profissionais a estruturarem seu portfólio de serviços e padroniza protocolos de atendimento. Se você é proprietário ou profissional da saúde e deseja ampliar seu negócio oferecendo serviços como avaliações de saúde, acompanhamento de pacientes crônicos, vacinação e exames rápidos, embarcados em muita tecnologia, descubra o que o Clinicarx pode fazer por você.

 

Acessar bibliografia

Básico

Recursos
Essenciais
  •  

pro

Qualidade & Profissionalismo
  •  
Popular

premium

Experiência Completa
  •  

Sobre nós

Clinicarx é a Plataforma de Serviços Farmacêuticos mais utilizada do Brasil. Nós organizamos tudo para que você ofereça serviços de saúde em sua farmácia.

Post Relacionados

Acompanhe

O que é o Clinicarx?

2019 Clinicarx, todos os direitos reservados. Política de Privacidade  |    Edifício Fleming – Av. Mal. Humberto de Alencar Castelo Branco, 131 – Curitiba/PR  |   CNPJ: 26.740.121/0001-63