Teste Rápido para COVID-19: 19 perguntas e respostas+bônus

Assim que foi aprovado o teste rápido para COVID-19, nós da equipe Clinicarx atendemos muitos profissionais Farmacêuticos com dúvidas variadas sobre como e quando realizar os teste e como interpretá-lo, por exemplo. Fizemos um compilado de todas as dúvidas mais frequentes relacionadas ao tema e trazemos neste artigo as respostas que você precisa para atender orientar corretamente seus pacientes.

PROTOCOLO CLÍNICO DE ATENDIMENTO

1. O teste rápido de COVID-19  IgM/IgG é indicado para meu cliente?

O teste rápido para COVID-19  IgM/IgG é indicado nos seguintes casos:

  • Pessoas com sintomas suspeitos de Covid-19, com início há pelo menos 8 dias;
  • Trabalhadores afastados por suspeita de Covid-19, que iniciaram sintomas há 8 dias e já estão assintomáticos a pelo menos 72 horas;
  • Pessoas assintomáticas que tiveram contato próximo com pessoas diagnosticadas ou suspeitas de Covid-19, há pelo menos 20 dias.

Você pode também realizar a triagem clínica com a Clinicarx e descobrir se o seu paciente é suspeito ou não de COVID-19.

2. O que é a triagem para COVID-19 da plataforma Clinicarx?

A triagem para COVID-19 é uma ferramenta desenvolvida pela Clinicarx com base nas recomendações do Ministério da Saúde. Trata-se de um questionário que avalia a presença de sinais e sintomas para identificar casos suspeitos de COVID-19. Somente deve ser realizada a triagem em pacientes que apresentam sintomas. Não é possível realizar a  triagem clínica em pacientes assintomáticos. Para saber mais sobre este procedimento clique aqui.

3. Quando não é indicado realizar o teste rápido de COVID-19 IgM/IgG?

Situações que não se enquadram nos critérios de indicação do teste conforme preconizado pelo Ministério da Saúde possuem maior chance de apresentar resultados menos confiáveis. Pacientes com menos de 8 dias de sintomas, por exemplo, podem apresentar a doença e ainda não ter produzido anticorpos ou os ter produzido em níveis muito baixos que podem não ser detectados pelos testes. Além disso, antes de 20 dias do potencial contato de risco, podem da mesma forma resultar em falso negativo devido à janela sorológica, que é o tempo que o organismo leva para produzir anticorpos contra o vírus. Resultados falso negativos dão a falsa impressão de ausência de infecção, quando na verdade houve uma falha na detecção da presença da infecção por vários motivos.

4. Meu cliente não tem sintomas, mas teve contato com caso suspeito e/ou confirmado de COVID-19. Posso realizar teste rápido de COVID-19 IgM/IgG ?

Em casos de pacientes assintomáticos, é recomendado realizar o teste rápido de COVID-19 IgM/IgG após pelo menos 20 dias do contato próximo a pessoa confirmada ou suspeita. 

5. Realizei o teste rápido de COVID-19 IgM/IgG e o resultado é “positivo”. E agora?

Primeiramente, o termo correto para exames que identificam anticorpos presentes no sangue do paciente é reagente. Caso seu paciente seja reagente para IgM e/ou IgG, você deve orientá-lo a permanecer em isolamento por 14 dias desde o início dos sintomas e somente procurar atendimentos presenciais no caso do agravamento dos sintomas ou do surgimento de novos sintomas.  

Além de orientações ao paciente, deve se realizar a notificação dos casos no site do e-SUS. Lembre-se: devem ser notificados pacientes reagentes e não reagentes.

6. Como faço para notificar os testes após o resultado?

Independentemente do resultado do teste ser reagente ou não reagente, o seu paciente deve ser notificados no site do e-SUS. Para maiores informações sobre cadastro; como adicionar, alterar, atualizar, visualizar, imprimir e exportar notificações, consulte o Tutorial de Navegação do e-SUS NOTIFICA, disponível no site: Acesse o tutorial clicando aqui

Além disso, não esqueça de seguir as recomendações do seu estado e município, pois outras plataformas ou formulários podem ser indicados como preenchimento obrigatório. Ficar em dia com a vigilância sanitária e epidemiológica do seu município é primordial neste momento. Todos os dados em saúde da população são importantes para a tomada de ações e decisões estratégias em prol da sociedade.

7. Quais dados são obrigatórios para preencher a notificação no e-SUS NOTIFICA?

Para notificar seu atendimento no e-SUS, você precisará do máximo de informações que puder coletar sobre o seu paciente. Alguns dados, como nome completo, CPF, telefone para contato, ocupação e raça/cor, são obrigatórios. Avaliar a presença de sinais e sintomas, bem como a data de início do quadro e o histórico de doenças crônicas que seu paciente possui são informações epidemiológicas importantes.

8. Qual a faixa etária recomendada para a realização dos testes?

Não existe restrições em relação à faixa etária para realização do teste rápido de COVID-19 IgM/IgG. Mas esteja atento ao avaliar bebês em idade de amamentação, pois os anticorpos maternos podem passar pelo aleitamento, resultando em falso positivo na testagem do bebê. Crianças possuem sistema imune imaturo e podem não produzir anticorpos conforme o esperado. Esteja atento à clínica do paciente e ao resultado dos demais familiares para orientar corretamente a família toda.

9. Posso fazer  teste rápido para COVID-19 em bebês?

Sim. Mas lembre-se que no período de amamentação a mãe pode transferir seus anticorpos ao bebê. Por conta disso, em bebês que estão recebendo leite materno, o resultado precisa ser interpretado com cautela.

10 . Como faço para realizar a coleta em bebês e crianças?

Em bebês a recomendação é coletar amostra por punção calcânea. Mas em crianças maiores pode ser feita a coleta por punção digital, como se realiza em adultos. A lanceta utilizada para crianças pode ter um calibre menor, como 28 ou 26G que já é suficiente para gerar volume suficiente de amostra, pois a pele é mais fina. A tabela abaixo demonstra as condições que influenciam a escolha de punção calcânea ou digital.

DESEMPENHO DO TESTE

11. Realizei o teste rápido para COVID-19 e a linha reagente que apareceu é fraca. Este teste é válido?

Sim. Qualquer intensidade de marcação na altura esperada para a linha correspondente a IgG ou IgM indica reação no teste. Ou seja, a  presença de linha, mesmo que fraca, deve ser considerada como reagente. Mas lembre-se que a leitura deve ser realizada dentro do período indicado pelo fabricante. Leituras em tempos superiores devem ser desconsideradas e o teste repetido. O mesmo vale para a linha controle, que deve ser visível em todos os testes, atestando a confiança nos resultados obtidos como controle interno do kit em uso.

12. Realizei o teste rápido para COVID-19 IgM/IgG e a linha que apareceu no controle ficou fraca. Este teste é um teste válido?

Sim. Qualquer tonalidade de marcação na linha C (controle) indica teste válido. Mas lembre-se que a leitura deve ser realizada no prazo indicado pelo fabricante. Leituras com prazos superiores devem ser desconsideradas e o teste repetido.

13. Como saber se meu teste é confiável?

O primeiro critério que deve ser levado em consideração é o registro na ANVISA. Se você estiver utilizando um teste irregular, mesmo que ele apresente bons resultados de desempenho você está colocando em risco a sua saúde e a saúde do seu paciente. Depois de avaliar este critério, verifique se este o seu fornecedor tem credibilidade e confiança no mercado. Pesquise sobre ele. Avalie também os dados de especificidade e sensibilidade, que idealmente devem estar acima de 90% para te dar mais segurança e confiança na interpretação do resultado.

BIOSEGURANÇA

👉Procurando farmácias que fazem o Teste Covid-19 com qualidade e segurança?

Clique aqui para conhecer nossa nova página exclusiva! 

14. Como organizar o fluxo de atendimento na farmácia para diminuir o risco de contágio por COVID-19?

Neste momento de pandemia, é primordial manter bons hábitos de higiene e cuidado pessoal, bem como limpar ambientes e superfícies. Para isso lembre-se sempre de:

  • Evitar aglomerações ;
  • Manter no mínimo 1m de distância entre as pessoas, através de barreiras físicas como fitas e marcações no chão;
  • Diminuir tempo que os clientes ficam na fila, usando estratégias como triagens prévias das prescrições e agendamento para agilizar os atendimentos;
  • Se possível, disponibilizar área externo para espera, controlando o fluxo de pessoas no interior da sua farmácia ou clínica;
  • Atender pacientes com suspeita de COVID-19 em local isolado e bem ventilado, separado dos demais clientes. O paciente deve estar utilizando máscara e, caso esteja com coriza ou tosse, deve ser oferecido lenço de papel e orientado a higienizar as mãos após tossir/espirrar.

15. Como se prevenir diariamente na farmácia do risco de contaminação por COVID-19?

Cuidar de si e do próximo é primordial neste período de pandemia, isso evita o risco de contaminação e proliferação da doença. Algumas medidas básicas de cuidado podem te ajudar nesta missão:

  • Utilizar EPI’s (equipamentos de proteção individual) adequados;
  • Disponibilizar e facilitar acesso a sabonete líquido, álcool em gel e EPI’s aos colaboradores e aos clientes;
  • Disponibilizar cartazes orientativos sobre cuidados com o coronavírus;
  • Evitar sempre que possível o contato direto com os clientes, inclusive através de prescrições e canetas para assinatura de documentos;
  • Se possível, dispensar os medicamentos para períodos maiores, evitando o retorno frequente à farmácia;
  • Dar preferência a atendimento por delivery/telefone;
  • Orientar a equipe de higienização para que realize a limpeza e a desinfecção do ambiente e de superfícies comuns ao atendimento, como o balcão da farmácia, materiais de informática e canetas, com frequência, utilizando álcool 70% ou hipoclorito de sódio 1%.
  • Evitar a realização de atividades em grupo, priorizando os atendimentos individuais;
  • Nas consultas farmacêuticas, manter cuidados como ventilar ambiente, manter a distância mínima (1m) e higienizar mãos e superfícies.
  • Pacientes que pertencem ao grupo de risco, como idosos e portadores de doenças crônicas, como doenças respiratórias e cardiovasculares e autoimunes, pacientes transplantados e gestantes de alto risco, devem sempre que possível pedir a alguém para retirar os medicamentos por eles, para evitar exposição ao risco.

Saiba mais sobre o serviço de testes rápidos para COVID-19 nas farmácias em nosso artigo: Clique aqui

16. Como diminuir os riscos de contaminação durante e após a realização do teste?

Ao atender um paciente com suspeita de COVID-19, recomende que ele utilize máscara principalmente se estiver com sintomas. O lenço de papel deverá ser utilizado no caso de tosse ou espirro. Tanto você quando seu paciente devem higienizar bem as mãos antes do início do atendimento, que deve ocorrer em local isolado e bem ventilado. Esteja com todos os EPI’s vestidos: jaleco comprido e de mangas longas, luvas de procedimento, máscara de uso profissional (ex: máscara cirúrgica), avental descartável, óculos de proteção ou protetor facial (escudo facial ou face shield) e touca descartável. Durante o período em que estiver atendendo, evite tocar olhos, nariz e boca. Lembre-se de higienizar a área onde ocorreu o atendimento, inclusive locais e objetos compartilhados. Descartar corretamente todos os EPI’s descartáveis e higienize bem as mãos.

17. Que produtos de limpeza utilizar para limpeza de superfícies e com que frequência?

Adequada higienização de superfícies salva vidas e evita a proliferação da doença. Esteja atento a estas recomendações para a higienização de superfícies na sua farmácia ou clínica:

  • Usar álcool líquido 70% a cada 2h em superfícies como telefones, computadores, maçanetas e outros objetos/mobiliários frequentemente tocados;
  • Passar álcool líquido 70% imediatamente após o uso de equipamentos como termômetros, aparelhos de pressão, glicosímetros, estetoscópios e balanças;
  • Passar desinfetante com cloro ativo e/ou solução de hipoclorito 0,5-1%, no mínimo uma vez ao dia em chão, banheiros, pias, balcões, refrigeradores, armários, ar condicionado;
  • Imediatamente após realização de teste rápido para COVID-19, desinfetar objetos/mobiliários/piso tocados pelo paciente, conforme instruções acima, e também o sanitário, caso seja utilizado pelo cliente.

A equipe de limpeza deve utilizar equipamentos de proteção individual, como luvas, máscara, touca e óculos de proteção, durante a limpeza para se proteger do risco de contaminação.

18. Meu colaborador que realiza o teste, corre o risco de contrair COVID-19?

Um fluxo da farmácia bem organizado, que cumpre todas as medidas de higienização pessoal e do ambiente; pacientes com caso suspeito em uso de máscara e/ou lenço de papel e seguindo a etiqueta respiratória; distanciamento mínimo de 1m; e correta utilização dos EPI’s protegem seu colaborador do risco de contaminação. Monitore periodicamente o estado de saúde dos seus funcionários, verificando periodicamente a temperatura e a presença de sintomas respiratórios. Invista em treinamento e EPIs para garantir a segurança dos seus colaboradores.

19. O que devo fazer  para diminuir o risco de contágio por COVID-19 entre os colaboradores?

Mesmo quem não está diretamente envolvido na realização dos testes, está exposto ao risco de contaminação. Procure monitorar periodicamente o estado de saúde dos funcionários, incluindo medida de temperatura e checagem de sintomas respiratórios. Oriente a não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos. Tocar olhos, nariz e boca sem higienização adequada das mãos está proibido! Se um funcionário apresentar sintomas, deve ser orientado a comunicar imediatamente à gerência, que deve deixar claro que isso não será motivo de punição, mas sim a omissão de informação. Funcionários com suspeita de COVID-19 devem ficar afastados por 14 dias. Cuide da saúde dos seus colaboradores! Eles estão nessa luta contigo.

PERGUNTAS BÔNUS

20. Quem deve passar pela triagem clínica?

Lembre-se sempre: a triagem clínica é indicada para pacientes com sintomas. Se o seu paciente não apresentar sintomas, avance para a testagem e leve em consideração apenas qual é a indicação daquele teste e se o seu paciente se encaixa em algum dos critérios.

21. E agora? Tenho o resultado. O que devo fazer?

Com o resultado em mãos, avalie se seu paciente se enquadra no grupo de risco para complicações decorrentes da Covid e se apresenta sinais e sintomas indicativos de maior gravidade. Pacientes com resultado reagente e que se enquadram em qualquer uma dessas situações, devem ser imediatamente encaminhados para um pronto atendimento ou hospital, conforme preconizado no seu município. Pacientes assintomáticos devem ser orientados quanto à medidas de não proliferação da doença e devem monitorar o surgimento de sintomas. E pacientes com sintomas devem monitorar o agravamento dos sintomas ou o surgimento de novos sintomas.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo de Manejo Clínico para o Novo Coronavírus. [acesso em 15 jun 2020]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/11/protocolo-manejo-coronavirus.pdf.

Conselho Reginal de Farmácia de são Paulo. Uso de EPI’s e outras providências.  – Recomendações ao farmacêutico que atua em locais com atendimento ao público. [acesso em 15 jun 2020]. Disponível em: https://www.crfsp.org.br/noticias/11145-uso-de-epis-e-outras-provid%C3%AAncias.html

BRASIL. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos – DAF/SCTIE/MS. NOTA INFORMATIVA Nº 1/2020-SCTIE/GAB/SCTIE/MS. [acesso em 15 jun 2020]. Disponível em: https://saude.gov.br/images/pdf/2020/April/08/Nota-Informativa-01–GAB.SCTIE.MS%20-%20REORGANIZA%C3%87%C3%83O%20DOS%20SERVI%C3%87OS.pdf

Sobre nós

Clinicarx é a Plataforma de Serviços Farmacêuticos mais utilizada do Brasil. Nós organizamos tudo para que você ofereça serviços de saúde em sua farmácia.

Post Relacionados

Acompanhe

O que é o Clinicarx?

2019 Clinicarx, todos os direitos reservados. Política de Privacidade  |    Edifício Fleming – Av. Mal. Humberto de Alencar Castelo Branco, 131 – Curitiba/PR  |   CNPJ: 26.740.121/0001-63