Sábado, 25 de Maio de 2024

Câncer de pele: sintomas, cuidados e dicas!

<span class="artigo-escrito">Artigo escrito por: </span>Marcela Mazetto

Artigo escrito por: Marcela Mazetto

Todos os meus artigos

O tipo mais comum dessa doença, o câncer de pele é responsável por 33% de todos os diagnósticos dessa enfermidade em nosso país conforme dados do INCA – Instituto Nacional do Câncer.

São registrados anualmente 185 mil novos casos a cada ano, o que comprova cada vez mais a necessidade da divulgação, prevenção e os cuidados exatos para reduzir a incidência.

Quer saber mais? Confira aqui na Clinicarx informações completas para cuidar de você e de toda a sua família.

Como o câncer de pele é causado?

Essa doença acontece quando células anormais se desenvolvem na pele devido a danos no DNA causados pela exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol ou a outras fontes de radiação UV, como é o caso das camas de bronzeamento artificial. 

Esse processo leva a mutações genéticas que podem resultar no crescimento descontrolado das células e no desenvolvimento do câncer.

É importante compreender que existem dois tipos principais de radiação: os raios UVA e os raios UVB. 

Os raios UVA têm maior comprimento de onda e penetram mais profundamente na pele, causando danos a longo prazo.

Enquanto isso, os raios UVB têm menor comprimento de onda e são responsáveis pela queimadura solar, porém, também contribuem para o desenvolvimento do câncer de pele.

Além da exposição aos raios UV, outros fatores podem aumentar o risco de desenvolver câncer de pele, incluindo:

  • Histórico familiar: se você possui parentes próximos que têm ou tiveram câncer de pele, é preciso cuidado redobrado pela hereditariedade.
  • Tipo de pele: Pessoas com pele clara, cabelos claros, ruivos e olhos claros têm maior risco, pois possuem menos melanina, pigmento protetor da pele.
  • Idade: O risco de câncer de pele aumenta com a idade, especialmente após os 50 anos. No entanto, essa doença também pode ocorrer em pessoas mais jovens.
  • Exposição ocupacional: Certas profissões que envolvem exposição prolongada ao sol, como trabalhadores da construção civil e agricultores também precisam de amplo cuidado.
  • Exposição prévia à radiação: Ter recebido tratamentos de radioterapia no passado também aumenta o risco.
  • Histórico de queimaduras solares: queimaduras solares graves durante a infância ou ao longo da vida é outro ponto de atenção.
  • Imunossupressão: Pessoas com sistema imunológico enfraquecido, como aquelas que passaram por transplante de órgãos ou que têm doenças autoimunes devem realizar exames constantemente.

É importante ressaltar que o câncer de pele pode se desenvolver em qualquer parte do corpo, inclusive em áreas não expostas ao sol. 

Além disso, mesmo pessoas com peles mais escuras podem desenvolver a doença, embora apresentem menor risco em comparação às pessoas de pele clara.

Quais são os sintomas do câncer de pele?

O câncer de pele pode se manifestar de diferentes formas, dependendo da pessoa, da gravidade da doença e tantas outras variantes. 

Os principais sinais e sintomas a serem observados incluem:

  • Mudanças na aparência da pele: O surgimento de uma nova lesão na derme, como um nódulo, mancha, ferida que não cicatriza ou elevação é um dos sintomas mais comuns.
  • Alterações em pintas ou sinais pré-existentes: Alterações no tamanho, cor, formato ou textura de uma pinta ou marca já existente podem indicar a presença ou avanço da doença.
  • Coceira, dor ou sensibilidade: Lesões na pele que apresentam coceira persistente, dor ou sensibilidade também são alertas.

É importante ficar atento a esses sinais e, caso surjam, buscar avaliação médica para um diagnóstico preciso.

Não somente com o câncer de pele, mas para qualquer outra doença é primordial que a prevenção faça parte do dia a dia para que o tratamento seja mais eficaz possível.

Quais são os tipos de câncer de pele?

Existem diferentes tipos de câncer de pele, sendo os mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma.

Veja mais sobre a diferença de cada um deles abaixo:

  • Carcinoma basocelular: é o tipo mais comum de câncer de pele e geralmente se desenvolve em áreas expostas ao sol, como face, couro cabeludo, orelhas e pescoço. Apresenta crescimento lento e raramente se espalha para outras partes do corpo.
  • Carcinoma espinocelular: também se desenvolve em áreas expostas ao sol e pode surgir em pele machucada, feridas crônicas ou cicatrizes. Tem maior probabilidade de se espalhar para outras partes do corpo do que o carcinoma basocelular.
  • Melanoma: é conhecido como o tipo mais perigoso de câncer de pele. Pode se desenvolver em qualquer parte do corpo, inclusive em áreas não expostas ao sol. O melanoma tem maior probabilidade de se espalhar para outras partes do corpo e requer tratamento imediato.

Cuidados e prevenção do câncer de pele 

Cuidados e prevenção do câncer de pele 

A prevenção é fundamental quando se trata de câncer de pele. 

Por isso, aqui estão alguns cuidados e medidas que podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver a doença:

Proteja-se do sol 

Evite a exposição excessiva ao sol, especialmente durante os horários de pico de radiação UV, entre as 10h e 16h. 

Outra ação simples que você pode fazer é usar roupas de proteção, como chapéus de aba larga, camisas de manga longa e óculos de sol com proteção UV. 

Além disso, não se esqueça de aplicar generosamente um protetor solar com fator de proteção solar (FPS) de pelo menos 30, em todas as áreas expostas da pele, mesmo em dias nublados.

A regra é a mesma para quem trabalha em ambientes fechados ou faz home office: a radiação também existe no seu computador, portanto, proteja-se.

Evite o bronzeamento artificial 

As câmaras de bronzeamento artificial emitem radiação UV prejudicial à pele e aumentam o risco de câncer de pele, por isso, evite o uso desses dispositivos.

Faça exames regulares da pele 

É importante realizar exames regulares da pele para detectar precocemente qualquer alteração suspeita. 

Assim, realize uma autoavaliação mensal da pele, observando qualquer nova lesão ou alteração em pintas ou sinais pré-existentes. 

Além disso, consulte um dermatologista anualmente para uma avaliação profissional. Ele(a) te dará o melhor direcionamento e tratamento para a sua pele em específico.

Conheça o seu corpo 

Esteja atento a quaisquer mudanças na sua pele e saiba reconhecer os sinais de alerta da doença. 

Lembre-se que quanto mais cedo um câncer de pele for diagnosticado, melhores são as chances de um tratamento eficaz.

Adote um estilo de vida saudável 

Manter um estilo de vida saudável é a reunião de um conjunto de ações que incluem:

  • Uma alimentação equilibrada, 
  • Prática regular de exercícios físicos, 
  • Controle do estresse, 
  • Sono adequado. 

Tudo isso fortalece o sistema imunológico e contribui diretamente para a saúde geral do corpo e da pele.

Tenha cuidado com a exposição ao sol na infância 

A exposição solar excessiva na infância aumenta o risco de desenvolver câncer de pele na vida adulta. 

Por isso, se você possui bebês ou crianças em sua família, fique sempre de olho!

É importante protegê-las do sol, utilizando roupas de proteção, chapéus e protetor solar adequado.

Observe os fatores de risco 

Como já citado anteriormente, além da exposição solar, outros fatores de risco para o câncer de pele também são:

  • Histórico familiar da doença, 
  • Pele clara, 
  • Surgimento ou presença de pintas atípicas,
  • Imunossupressão,
  • Histórico prévio de câncer de pele. 

Portanto, se você possui um ou mais dos pontos acima, é importante estar ainda mais atento e tomar medidas preventivas adicionais.

Tenha mais conhecimento sobre o câncer de pele 

Busque informações confiáveis sobre o câncer de pele, suas causas, sintomas, tratamentos e prevenção. 

Quanto mais você souber, mais bem informado estará para cuidar da sua pele e tomar medidas preventivas adequadas.

O câncer de pele é uma condição séria que requer atenção e cuidados, por isso, ao conhecer os sintomas e começar a adotar medidas preventivas, além dos exames regulares da pele, é possível reduzir significativamente o risco da doença. 

Além disso, é fundamental estar ciente dos fatores de risco individuais e buscar orientação médica quando necessário. 

Proteja a sua pele, cuide dela adequadamente e desfrute do sol de forma segura para manter-se saudável e protegido contra a enfermidade.

Compartilhe

Gostou do artigo? Compartilhe em duas redes sociais

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Sumário

Veja essas outras categorias

Veja outros artigos

Outros conteúdos que você pode gostar

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias para personalizar e melhorar a sua experiência conosco. Para mais informações sobre cookies bem como para exercer o seu direito de desabilitá-los, consulte nossa Política de Privacidade.  Ao clicar em aceitar, você concorda com todos os cookies.